Bugatti La Voiture Noire é o novo carro mais caro do mundo: R$ 47 milhões

Modelo de 1.500 cv homenageia o clássico Bugatti Atlantic e terá apenas uma unidade produzida

O La Voiture Noire homenageia o Type 57 SC Atlantic dos anos de 1930

O La Voiture Noire homenageia o Type 57 SC Atlantic dos anos de 1930 (divulgação/Bugatti)

A Bugatti rouba a cena no Salão de Genebra deste ano, que vai até o dia 17 de março, ao apresentar o novo carro mais caro do mundo.

É o Bugatti La Voiture Noire (O Carro Preto, em francês), inspirado no modelo Type 57 SC Atlantic, um dos carros mais notáveis da História da marca.

O design do Bugatti Atlantic se tornou ícone na indústria e inspirou diversos modelos de marcas diferentes. Em 1995, por exemplo, a americana Chrysler apresentou um conceito chamado Chrysler Atlantic.

Modelo tem motor 8.0 W16, com 1.500 cv de potência

Modelo tem motor 8.0 W16, com 1.500 cv de potência (divulgação/Bugatti)

Segundo a Bugatti, além do La Voiture Noire, o novíssimo Chiron traz sinais da influência do Type 57 SC Atlantic.

No caso do Voiture Noire, a inspiração é explícita. Sua frente é longa, seus para-lamas ressaltados, a carroceria possui um friso longitudinal e há seis saídas de escapamento na traseira.

O Voiture Noire é equipado com motor W16 8.0, do Bugatti Divo, que rende 1.500 cv e 163,3 kgfm de torque.

Seu nome veio do apelido do mais famoso dos exemplares do Type 57 original, produzidos nos anos de 1930.

O nome La Voiture Noire, O Carro Preto, em português, veio do Atlantic original que era preto

O nome La Voiture Noire, O Carro Preto, em português, veio do Atlantic original que era preto (divulgação/Bugatti)

Fabricado mais precisamente entre os anos de 1936 e 1938, o Atlantic teve apenas quatro exemplares produzidos.

O primeiro, dono do chassi número 57.374, foi vendido ao banqueiro inglês Victor Rothschild.

O segundo, chassi 57.453, ficou com Jean Bugatti, filho do fundador da marca Ettore Bugatti, que estava no controle dos negócios desde o início da década de 30.

O terceiro, chassi 57.473, pertenceu ao comerciante francês Jacques Holzschuh. E o quarto, 57.591, foi entregue ao colecionador inglês Brition R. B. Pope.

Três desses modelos estão atualmente nas mãos de colecionadores.

O Type 57 SC Atlantic teve apenas quatro unidades produzidas entre 1936 e 1938

O Type 57 SC Atlantic teve apenas quatro unidades produzidas entre 1936 e 1938 (divulgação/Bugatti)

O quarto carro tem uma história particularmente trágica e ao mesmo tempo curiosa. Ele foi completamente destruído em um acidente em que o motorista morreu.

Décadas depois, porém, esse Bugatti ressurgiu após passar por uma complexa restauração e hoje pertence ao estilista norte-americano Ralph Lauren, colecionador de fama reconhecida.

Em 2013, esse Bugatti venceu o famoso Concorso d’Eleganza Villa d’Este realizado em Cernobbio, às margens do Lago Como, na Itália.

O novo Bugatti herda os para-lamas volumosos e o vinco longitudinal do Atlantic original

O novo Bugatti herda os para-lamas volumosos e o vinco longitudinal do Atlantic original (divulgação/Bugatti)

O segundo modelo que tinha a cor preta – e por isso foi apelidado de La Voiture Noire – teve o paradeiro desconhecido.

Jean Bugatti usava esse carro para seu lazer e também em eventos da fábrica ou particulares que reuniam amigos do empresário, pilotos e clientes.

Seu sumiço é um mistério até mesmo para a fábrica.

Na traseira, o destaque vai para a janela bipartida e o conjunto ótico

Na traseira, o destaque vai para a janela bipartida e o conjunto ótico (divulgação/Bugatti)

Não se sabe se ele foi vendido ou se foi guardado em algum lugar desconhecido para ficar à salvo do exército alemão que invadiu a região francesa da Alsácia, onde se localiza a fábrica da Bugatti, durante os conflitos da Segunda Guerra Mundial.

A fábrica de Molshein foi sede da Bugatti desde a fundação em 1909 até o fechamento da fábrica no início dos anos de 1960, quando a marca foi vendida para a rival Hispano Suiza (que fechou em 1968).

Quando a marca foi relançada, em 1982, pelas mãos do italiano Romano Artioli, a sede da empresa foi estabelecida em Modena, na Itália.

A empresa de Artioli durou até 1995 e a marca foi comprada pela VW em 1998, que decidiu regressar a Molsheim, adquirindo também o Chateau Saint Jean, que pertenceu à família Bugatti e construindo ao lado a atual fábrica dos hipercarros.

Assim como o Atlantic dos anos 30, o novo La Voiture Noire também traz seis saídas de escapamento

Assim como o Atlantic dos anos 30, o novo La Voiture Noire também traz seis saídas de escapamento (divulgação/Bugatti)

O preço do novo La Voiture Noire apresentado em Genebra é de 11 milhões de euros o que equivale a R$ 46,97 milhões (com o euro cotado a R$ 4,27), sem impostos.

Com o prêmio da mega-sena acumulado para o concurso 2131 em R$ 80 milhões daria para comprar o novo Bugatti. Mas a única unidade produzida já foi vendida. O proprietário seria o ex-presidente do Grupo Volkswagen, Ferdinand Piech.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s