Clique e assine com até 75% de desconto

Bugatti Veyron: trocar os turbos é mais caro que uma picape diesel zero km

Há peças compartilhadas com Volkswagen Golf GTi e Audi A3, mas manutenção pode sair pelo preço de um carro novo

Por Henrique Rodriguez 14 dez 2018, 14h08
Bugatti Veyron Grand Sport Vitesse
Manter um dos carros mais rápidos do mundo é extremamente dispendioso Divulgação/Bugatti

O Bugatti Veyron foi o carro mais rápido e complexo do seu tempo. Produzido entre 2005 e 2015, o superesportivo tem motor de 16 cilindros em W 8.0 com 64 válvulas e quatro turbos, além de 10 radiadores para refrigerar o conjunto. Manter tudo isso em ordem tem custo bem elevado. 

Já sabíamos que trocar os 16 litros de óleo Castrol 10W60 custa US$ 21.000 e um jogo quatro pneus sai por US$ 30.000 – e esses Michelin só duram 4.000 km.

Agora, a Road and Track teve acesso a um documento da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) que relaciona o custo de alguns reparos do Veyron. 

Motor 16.4 do Bugatti Veyron Divulgação/Bugatti

Por exemplo, a troca dos quatro turbocompressores custa US$ 43.600 – R$ 169.176 em conversão direta, quase o preço de uma Frontier XE 4×4, que custa R$ 172.880. São US$ 6.400 por turbo e US$ 9.000 de mão de obra para cada par. Trocar o tanque de combustível, que tem 100 litros de capacidade, custa US$ 42.000: US$ 20.000 da peça e US$ 22.000 da mão de obra.

Os US$ 3.400 pedidos pelas duas bombas de combustível nem soam tão caros. A linha de combustível por si só custa US$ 1.300 por lado, mais US$ 7.200 de mão de obra. 

Continua após a publicidade

As peças do motor pelas quais o ar passa têm custo elevado. São US$ 7.800 pelas três partes que compõem o coletor de admissão e US$ 9.000 por cada um dos dois intercoolers (mais US$ 2.200 pela mão de obra da troca). Com esses US$ 16.800 – ou R$ 65.187 – é possível comprar um VW Polo Comfortline 200 TSI

Conjunto mecânico do Veyron é extremamente complexo Divulgação/Bugatti

O sensor de massa de ar (MAF) – compartilhado com os motores W12 e 5 cilindros do grupo Volkswagen – custa US$ 200. Já o sensor de pressão de ar é compartilhado com os Golf GTI e Audi A3, e custa US$ 20. O problema é que a troca de qualquer um deles exige a desmontagem de toda a traseira, o que soma mais US$ 1.800 só de mão de obra. 

Há peças mais baratas, com o sensor que identifica a posição do virabrequim. Compartilhado com Jetta e Golf, custa módicos US$ 9. O Veyron usa quatro e o serviço de troca sai por US$ 7.200.

Bugatti Veyron Grand Sport Vitesse
Alguns serviços exigem a desmontagem de toda a carroceria traseira divulgação/Bugatti

O mais surpreendente é que o módulo da injeção do motor, um item que assombra muita gente, não é caro. O sistema Bosch ME9.1 com calibração customizada custa US$ 550 (R$ 2.134). Em compensação, o módulo que gerencia o câmbio automatizado de sete marchas exclusivo do Veyron custa US$ 9.000. 

  • Há uma forma de se preocupar menos com isso. A Bugatti oferece um plano de garantia estendida de 15 anos – chamado Loyalty Maintenance Program – que inclui até garantia das condições mecânicas na revenda por um ano. Mas custa cerca de US$ 50.000 (R$ 190.000) por mês. Não é barato, mas evita imprevistos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade