Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

VW Polo, Virtus e T-Cross: como gerar hatch, sedã e SUV com uma mesma base

Plataformas modulares como a MQB permitem desenvolver modelos com propostas bastante distintas sem muitas alterações

Por Paulo Campo Grande 1 mar 2019, 09h00
VW T-Cross, Polo e Virtus nasceram da mesma plataforma: a MQB A0 Arte/Quatro Rodas

Grosso modo, com as atuais plataformas modulares fazer carros diferentes a partir de mesma estrutura é como desenvolver carrocerias para encaixá-las sobre uma base comum.

Mas é só grosso modo, porque cada projeto tem suas características de peso, dimensões e condições de uso próprias que requerem calibragens, reforços e ajustes específicos.

Essas diferenças entre projetos podem ser observadas na linha VW com o recém-lançado SUV T-Cross, desenvolvido a partir da mesma plataforma MQB-A0 de Polo (hatch) e Virtus (sedã).

Plataforma modular Volkswagen MQB
A plataforma reúne a base do carro mais diversos sistemas agregados, como motor e câmbio divulgação/Volkswagen

O nome MQB vem de Modularer Querbaukasten, que em alemão significa Matriz Modular Transversal. O A0 identifica uma versão de dimensões ligeiramente reduzidas em relação à MQB empregada em modelos como Golf, Tiguan e Passat.

MQB que tem como característica servir de base para modelos equipados com motores dianteiros transversais com tração dianteira. Essa plataforma é chamada modular porque divide o carro em módulos.

Plataforma VW
A MQB permite mudanças em quatro das cinco seções do projeto Divulgação/Volkswagen

No caso, são cinco partes: do para-choque ao eixo dianteiro, do eixo dianteiro aos pedais, dos pedais até o final do piso do carro, desse ponto até o eixo traseiro e do eixo traseiro até o para-choque traseiro.

E todas as partes, com exceção da segunda, do eixo dianteiro aos pedais, podem ser alteradas.

A segunda seção é fixa porque é ela que define um padrão para instalação dos principais componentes como motor, transmissão, chicote elétrico e painel de instrumentos – itens que são compartilhados.

Plataformas modulares reduzem custos e tempo investido nos projetos Reprodução/Youtube

Esse tipo de plataforma economiza muito tempo e dinheiro para as fábricas, porque, partindo dessa seção já definida, as engenharias só precisam desenvolver as partes em que os veículos se diferenciam, ao invés de iniciar um projeto inteiramente do zero.

Comparando a ficha técnica de Polo, Virtus e T-Cross, encontramos diferenças importantes.

Continua após a publicidade

O Virtus, como convém a um sedã, tem o porta-malas maior: 521 litros contra 300 do Polo e 373 do T-Cross. Também é o dono do maior comprimento, 4,48 metros, e, em razão disso, carrega maior concentração de peso na traseira.

Para ampliar a capacidade do porta-malas, VW aumentou o comprimento do sedã Christian Castanho/Quatro Rodas

O Polo, como hatch, prioriza a dirigibilidade e por isso desfruta da menor distância entre-eixos, 2,56 metros. Assim, melhor assentado, ele permite um sistema de direção mais rápido e direto.

Mas é no T-Cross que surgem as maiores diferenças em relação aos outros modelos, em razão de ele ser um SUV com características bastante distintas.

VW Polo
O hatch é mais compacto e mais leve que o o sedã e o SUV Christian Castanho/Quatro Rodas

Começa pela altura da carroceria, porque SUVs têm suspensões mais altas e oferecem posição de dirigir elevada.

Por conta disso, o motor do T-Cross foi instalado em posição superior, os bancos foram elevados por uma espécie de platô colocado sobre o piso original da plataforma e o painel subiu junto com a linha de cintura do carro.

Na comparação com seus irmãos, o T-Cross tem 1,570 mm de altura, enquanto o Virtus mede 1.472 mm e o Polo, 1.468 mm.

Por conta das mudanças na carroceria (e na estrutura), o T-Cross ficou mais pesado (o 1.4 TSI pesa 1.292 kg, enquanto o Polo 1.0 TSI pesa 1.147 kg).

Ainda assim, é um bom peso para um SUV compacto, apesar do uso de aços de ultra alta resistência em boa parte da carroceria e até moldados a quente em partes como colunas A e B, arco do teto e parte do túnel central.

Centro de gravidade elevado obrigou VW a enrijecer a suspensão Divulgação/Volkswagen

Ainda assim, a diferença de peso obrigou a fábrica a redimensionar o sistema de freios, por exemplo. E não foi só isso.

Além de mais pesado, por ser mais alto, O T-Cross tem o seu centro de gravidade em uma posição mais elevada, o que exigiu uma calibragem mais firme para as molas e os amortecedores da suspensão, a fim de diminuir a rolagem da carroceria nas curvas – e até evitar maiores riscos de capotamento.

Cada projeto tem suas próprias características de comportamento dinâmico Divulgação/Volkswagen

A calibragem de sistemas depende de como a fábrica quer que o carro se comporte: que seja mais confortável, mais esportivo. Mas, independentemente disso, há limites que cada veículo impõe, em razão de suas características.

Como se vê, apesar de ter diminuído muito o trabalho de desenvolvimento, a plataforma modular não libera as fábricas para produzirem simplesmente belas carrocerias diferentes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

ou

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês