Clique e assine por apenas 5,90/mês

Usados: primeiro VW Tiguan era um Golf SUV, mas tem manutenção cara

Bem quisto no mercado, o utilitário esportivo alemão agrada pela tocada esportiva, mas requer atenção na hora da compra

Por Felipe Bitu - Atualizado em 29 set 2020, 21h28 - Publicado em 29 set 2020, 07h00
Tiguan tem acabamento de qualidade, no padrão alemão Acervo/Quatro Rodas

O Tiguan representa com exatidão a crença popular de que a primeira impressão é a que fica: o SUV da VW tornou-se sonho de consumo desde a sua apresentação, em 2009, com virtudes de sobra para encarar concorrentes como Land Rover Freelander e Volvo XC60.

Baseado no VW Golf de quinta geração, o Tiguan tem no motor EA888 uma boa justificativa para seu sucesso: turbo e injeção direta rendem 28,5 kgfm de torque a apenas 1.700 rpm.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

Os 200 cv são distribuídos para as quatro rodas através do câmbio automático Tiptronic de seis marchas e do sistema de tração 4Motion. A resposta ao pedal do acelerador é imediata: ele vai de 0 a 100 km/h em 8,5 s e alcança a máxima de 207 km/h.

Sua dirigibilidade é favorecida pela suspensão independente nas quatro rodas e pela presença de controle eletrônico de estabilidade.

Compacto, oferece bom espaço para quatro adultos em razão dos 2,6 metros entre os eixos. Seus 4,42 metros de comprimento facilitam a condução urbana, mas acabam por limitar sua vocação familiar, pois o porta-malas comporta só 360 litros.

Compacto, Tiguan vai bem nos trechos urbanos, mas oferece pouco espaço interno Acervo/Quatro Rodas

Também agrada pelo nível de equipamentos e segurança: seis airbags, computador de bordo, piloto automático, volante multifuncional, limpador de para-brisa automático, sensor de estacionamento, ar-condicionado bizona, sensores de monitoramento da pressão dos pneus e rodas de 17 polegadas com pneus 235/55.

O acabamento interno é de boa qualidade. O teto solar panorâmico é um dos opcionais mais valorizados, bem como ajustes elétricos para o banco do motorista, faróis autodirecionais com lâmpadas de xenônio e rodas de 18 polegadas.

O sistema automático de estacionamento Park Assist chegou em 2010. Reestilizado, o modelo 2012 acrescentou: detector de fadiga e o sistema Kessy de acesso e partida do motor sem chave.

O pacote estético R-Line foi oferecido no modelo 2013 e agregava para-choques exclusivos, aerofólio, bancos e emblemas personalizados.

Fique atento apenas à versão 1.4 TSI, importada somente no modelo 2017: ela perdeu a tração integral, o assistente de estacionamento e faróis de xenônio. O motor é o 1.4 turbo de injeção direta com 150 cv e 25,5 kgfm acoplado a um câmbio DSG, que requer cuidados na hora da compra.

No geral, um dos poucos defeitos do Tiguan é o elevado custo de manutenção praticado na rede autorizada, situação que levou muitos proprietários a procurar oficinas independentes. Sempre considere a procedência e o histórico de manutenções antes de fechar negócio.

Onde o bicho pega

Cabeçote – Como em todo automóvel com motor com injeção direta, o Tiguan costuma apresentar carbonização nas válvulas de admissão, provocada pelo alto teor de enxofre da gasolina brasileira. Ruídos metálicos na partida a frio indicam problemas no pistão tensionador da corrente que aciona os comandos.

Tração 4Motion – A tração integral depende do estado geral do sistema Haldex: a substituição do fluido do diferencial traseiro e do seu filtro específico deve ser feito a cada 60.000 km.

Continua após a publicidade

Câmbio DSG – Por ser banhada a óleo, a transmissão DQ250 requer a troca do fluido a cada 60.000 km. A substituição custa em torno de R$ 2.000 e é essencial para o funcionamento correto da versão com motor 1.4 TSI.

Adulteração da ECU – Muito comum nos motores 1.4 TSI e 2.0 TSI, o remapeamento da central eletrônica eleva a pressão de trabalho do turbo para aumentar torque, potência e a incidência de problemas. Evite unidades com esse tipo de modificação.

Teto solar – Obstrução nos drenos de escoamento provocam falhas na vedação e infiltrações facilmente detectadas por manchas na persiana e no forro do teto. Sinais de oxidação e estalos na abertura e fechamento indicam que o componente precisa de uma revisão completa.

A voz do dono

Nome: Leandro G. dos Santos
Idade: 34 anos
Profissão: empresário
Cidade: Guarulhos (SP)

O que eu adoro

“A maior virtude é a dirigibilidade: nem parece utilitário em função da aderência gerada pela tração integral. O motor EA888 tem grande reserva de torque e potência. Destaque para o acabamento e o teto solar panorâmico.”

O que eu odeio

“Falta espaço no banco traseiro e no porta-malas. Componentes como bobinas e bombas de água e combustível pedem manutenção frequente. Os valores de peças e mão de obra são elevados.”

Preço médio dos usados (tabela KBB Brasil)

TIGUAN 2.0 TSI 4MOTION

  • 2010: 42.947
  • 2011: 46.313
  • 2012: 52.474
  • 2013: 58.910
  • 2014: 64.972
  • 2015: 74.867
  • 2016: 89.707
  • 2017: –

TIGUAN 1.4 TSI 4MOTION

  • 2010: –
  • 2011: –
  • 2012: –
  • 2013: –
  • 2014: –
  • 2015: –
  • 2016: –
  • 2017: 82.440

Preço das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque dianteiro 4.068 2.945
Farol (cada lado) 3.204 1.991
Pastilhas de freio (jogo dianteiro) 565 390
Disco de freio (o par) 1.550 980
Amortecedores (o jogo) 5.332 2.900

Nós dissemos

Acervo/Quatro Rodas

Maio de 2009

“Equipado com ESP e a avançada tração integral 4Motion, a estabilidade é seu ponto forte. Ao volante, a impressão é de estar dirigindo um veículo de menor porte. (…) O câmbio Tiptronic de seis marchas também ajuda. (…) crava os 100 km por hora em 8,5 segundos e alcança 207 km por hora segundo a fábrica.”

Pense também em um…

Acervo/Quatro Rodas

Subaru Forester 2.0 XT Turbo 

Bem mais divertido, vai de 0 a 100 km/h em 7,8 segundos graças ao motor boxer de 2 litros com turbo e injeção direta. Seus 240 cv são entregues de forma ainda mais suave e linear, mérito da transmissão. Um de seus poucos defeitos é o valor ainda mais alto de peças e serviços.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade