Clique e assine por apenas 8,90/mês

Um em cada quatro Toyota Corolla vendidos no Brasil é híbrido

Dados da consultoria Jato Dynamics apontam que versão híbrida flex já se aproxima de 25% na participação das vendas do sedã médio

Por Leonardo Felix - 20 mar 2020, 07h00
Corolla Altis Hybrid Premium Fernando Pires/Quatro Rodas

Quando a Toyota lançou a 12ª geração do Corolla no Brasil, apostava muito nas vendas da versão intermediária XEI.

A configuração Altis Hybrid, responsável por estrear o inovador motor 1.8 híbrido flex, vinha sendo tratada praticamente como uma opção de nicho, recebendo a dedicação de apenas 5% da produção em Indaiatuba (SP).

O Corolla XEI é, de fato, o mais vendido da gama, concentrando aproximadamente metade dos emplacamentos mês a mês.

Entretanto, o Altis Hybrid e sua derivação um pouco mais equipada, Altis Hybrid Premium, surpreendem desde o princípio como a segunda configuração mais procurada, acumulando quase 25% ou um quarto de todas as vendas.

Alta demanda da versão híbrida superou as expectativas da Toyota Fernando Pires/Quatro Rodas

Levantamento obtido por QUATRO RODAS junto à consultoria Jato Dynamics aponta que, em fevereiro de 2020, dos 4.510 Corolla zero-quilômetro colocados nas ruas, 1.099 eram híbridos, o equivalente a 24,36%.

O XEI acumulou 2.257 vendas, exatos 50,04%, enquanto GLI e Altis 2.0 obtiveram, respectivamente, fatias de 13,52% e 12,06%.

Continua após a publicidade

Essas três últimas configurações são empurradas pelo motor 2.0 Dynamic Force, um quatro-cilindros naturalmente aspirado de 177 cv com injeção variável entre direta e indireta.

Emblema traseira entrega que essa é a versão com motorização híbrida Fernando Pires/Quatro Rodas

O desempenho do Corolla Altis Hybrid já havia sido excelente nos meses de novembro (23,87%) e dezembro (23,75%) de 2019, mas caíra para 16,2% em janeiro, muito provavelmente por questões ligadas à capacidade produtiva.

É preciso lembrar que o conjunto híbrido flex de 122 cv vem importado do Japão, o que limita a oferta da versão.

Por isso mesmo, especialmente em tempos de cotação do dólar flertando com os R$ 5, é muito difícil que o percentual aumente nos próximos meses.

Ainda assim, desde o lançamento a versão vem gerando muito interesse entre os consumidores, a ponto de provocar uma fila de espera de quatro meses e ter até as vendas suspensas no fim de setembro, devido à escassez de estoque.

Continua após a publicidade
Publicidade