Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Traços culturais que marcavam os carros de diferentes países

Modos e maneiras são uma questão de berço

Por Da Redação 17 Maio 2017, 15h47

A globalização dos projetos de carros fez com que muitas das características próprias de cada país fabricante se tornassem coisas do passado. Algumas, porém, persistem por aí. Confira:

Limpador CVT

arquivo/Quatro Rodas

Carros americanos e alguns japoneses (como o Nissan 350Z acima) possuem diversas opções de velocidades no limpador de para-brisa, num botão giratório. Os europeus sempre tiveram duas ou três velocidades (para selecionar, mova a alavanca na vertical), e recentemente adotaram temporizador variável.

 

Cabeça aberta

arquivo/Ford

Carros com tradição em Le Mans eram feitos para sair depressa – o piloto largava a pé, e tinha de entrar e ligar o carro. Parte do teto do Ford GT 40 era integrada à porta, para se entrar em pé e então sentar. O problema era quando chovia: impossível não molhar o interior ao abri-las.

 

Suor nas mãos

arquivo/Quatro Rodas

Carros europeus tinham as saídas de ar voltadas para as mãos do motorista, para aquecê-las no frio, como no primeiro Focus. Nos Estados Unidos (com um clima igual ao europeu), as saídas privilegiavam o uso do ar-condicionado, evitando as mãos e priorizando a cabine.

 

Macacão

arquivo/Quatro Rodas

Esportivos italianos clássicos, como o Alfa Romeo Giulia, possuem coluna de direção curta, com o volante próximo do painel, e pedaleira próxima do assento. Pedem motoristas com braços longos e pernas curtas, conhecida como “a posição de dirigir de um símio”.

 

Torradeira

reprodução/Internet

Os franceses sempre apostaram em soluções criativas de interior. Os primeiros Citroën CX tinham os controles de ventilação entre os bancos. Depois, o espaço acabou ocupado por um toca-fitas virado para cima (como uma torradeira). Ainda hoje, vários Renault saem de fábrica com botões estranhamente localizados embaixo do freio de mão.

Continua após a publicidade

 

Servido à francesa

arquivo/Quatro Rodas

Os franceses (sempre eles) também acham mais prático pôr o estepe sob o carro, numa bandeja. No caso do Gordini, ele ainda por cima ficava na dianteira. Carros de origem alemã com estepe fora, como a antiga Zafira (um projeto Opel), são raridade.

 

Reflexo Cultural

arquivo/Quatro Rodas

Os japoneses costumavam ter retrovisor externo encapsulado, com uma moldura de borracha nas laterais para proteger contra impactos e corrosão. E traziam a camada de metal refletivo na parte de trás do vidro, como os europeus – e não na parte da frente, como fazem os americanos.

 

O sol nasce para todos

arquivo/Quatro Rodas

Carro de origem francesa, como o C4 Pallas, tinham para-sol de plástico soprado. Os alemães não gostavam disso (pois pode machucar a cabeça de quem bater na beirada dele), então preferem de isopor. Os americanos utilizavam o de papelão, que faz a mesma coisa e é mais barato.

 

Selo de exportação

Divulgação/Volkswagen

Lente do farol, refletor e lâmpada vinham num conjunto selado, que era trocado inteiro – a salvo de poeira ou umidade. O “sealed beam” (que aqui virou celibim) foi obrigatório nos EUA de 1941 a 1984. Até o Fox, nosso Voyage exportação, foi adaptado.

 

Saída pela direita

arquivo/Quatro Rodas

Projetos da Inglaterra e do Japão (como o Honda City) trazem o cano de escapamento do lado direito. Assim, nesses países de mão-inglesa, a fumaça fica longe dos pedestres. E, para evitar incêndio, o bocal de abastecimento fica do lado oposto, à esquerda.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade