Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Top ten: os recalls mais estranhos

Teia de aranha, emblema trocado, adesivo sem cola: já teve cada recall por aí...

Por Da Redação
Atualizado em 26 abr 2017, 17h12 - Publicado em 26 abr 2017, 17h09

Atendimento personalizado

(divulgação/Koenigsegg)

Em 2014, a GM foi responsável pelo maior número de carros envolvidos em recalls nos EUA – quase 29 milhões de veículos. Já a Koenigsegg notabilizou-se pelo oposto: chamou por lá só uma unidade, um Agera modelo 2012. E o defeito nem era tão grave assim: o monitor de pressão dos pneus demorava a indicar um dos sensores.

Cinto muito

(divulgação/Chevrolet)

Ao importar o M100, a Effa Motors trouxe alguns com cinto traseiro diagonal. Como a lei brasileira exige o de três pontos, em 2010 convocaram 900 carros para checar: ela nem sabia quais estavam irregulares.

Continua após a publicidade

Essa não colou

(divulgação/Chevrolet)
Em 2013, a GM chamou 18.941 Camaro só por causa de um adesivo que podia descolar do para-sol. Tudo porque nele há um aviso de risco de o airbag inflar se o usuário não seguir as recomendações da marca.
Trocando as bolas
(divulgação/Honda)
Fazer um recall apenas porque o emblema está do lado direito em vez do esquerdo? Esse foi o caso da Honda Odyssey 2013. A alegação: poderia dar a entender que a minivan americana já foi batida ou repintada.

Freio fantasma

(divulgação/Renault)

Na Inglaterra, Peugeot, Citroën e Renault fizeram em 2011 um recall de freio devido a uma adaptação malfeita: ao realocar a direção na direita, o passageiro poderia frear o carro se pressionasse o piso com força.

Partida autonôma

(divulgação/Subaru)

Subaru XV, Legacy, Outback e Impreza (2010 e 2013) equipados com sistema de partida remota ligavam sozinhos se a chave caísse no chão. Não deu outra: chamaram mais de 47.000 carros para o conserto.

Continua após a publicidade

Mulher no comando? Nunca!

(divulgação/BMW)

Nos anos 90, a BMW convocou um recall dos sedãs da Série 5 para trocar a voz feminina do GPS por uma masculina. A razão era o mais puro sexismo: os alemães se negavam a receber ordens de direção de uma mulher.

Fogueira das vaidades

(divulgação/Volkswagen)

A Volkswagen americana teve de trocar o sistema de aquecimento dos bancos dianteiros de 94.000 Jetta porque eles aqueciam demais: causaram um total de 287 queimaduras e até 500 incêndios.

Carro do homem-aranha

(Toyota/Divulgação)

Nos EUA, o condensador de ar-condicionado dos Toyota atraía aranhas por ficar em local escuro e úmido. Assim, havia risco de a teia bloquear o tubo de drenagem e acumular água no módulo que podia acionar o airbag.

Continua após a publicidade

Esqueceram de mim

(divulgação/Chevrolet)

Em 2011, o recall do Chevrolet Sonic só ocorreu porque um cliente americano ouviu um ruído estranho nas rodas. Motivo? Descobriu-se depois que 4.873 unidades saíram da fábrica sem pastilhas de freio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.