Terceiro mundo: nove carros que são mais completos lá fora que no Brasil

Com motores defasados, plataforma simplificada e menos itens de segurança, há modelos nacionais bem piores que as versões estrangeiras

Quase iguais no visual, nossos modelos perdem na lista de equipamentos

Quase iguais no visual, nossos modelos perdem na lista de equipamentos (Arte/Quatro Rodas)

Responda rápido: carros vendidos em outros países são mais equipados que no Brasil? Se você disse sim, saiba que não é apenas impressão. Separamos nove exemplos que comprovam isso.

Para facilitar as coisas, basta você clicar em cima de cada foto. Primeiro, você verá o modelo vendido no nosso país. Na segunda imagem, mostramos como esse mesmo carro é vendido lá fora.

 

O Ford Ka, por exemplo, tem ar-condicionado digital, start-stop, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis e até airbags nos cintos de segurança traseiros no mercado europeu.

Importado da Índia – enquanto o nosso é feito em Camaçari (BA) –, o hatch comercializado no Velho Continente tem bancos com aquecimento, monitoramento de pressão dos pneus

Enquanto nosso modelo é feito em Camaçari (BA), por lá, o hatch é importado da Índia. Entre as peculiaridades, eles têm bancos com aquecimento e retrovisores com rebatimento elétrico.

O Nissan Kicks é outro que, apesar de ter chegado antes por aqui, é mais recheado em outros países. No EUA, o SUV tem apoio de braço, ajuste lombar e airbag de joelho para motorista.

O refinamento do modelo norte-americano (feito em Aguascalientes, no México) também fica claro nos faróis com projetores e na potência extra: são 123 cv, contra 114 cv do nosso.

O Renault Captur brasileiro está para o SUV europeu como gato para leão. Ou seja, pouco mais que o emblema. Isso porque, enquanto lá divide base com o Clio, aqui, utiliza de Duster.

Se por um lado o nacional é mais espaçoso, o “original” dá uma surra de equipamentos:  há assistente automático de estacionamento, alerta de ponto cego e controle de estabilidade.

Também há outros itens indisponíveis para o Brasil, como faróis totalmente de leds, sensor de pressão dos pneus, retrovisores com rebatimento elétrico e sistema de som da marca Bose.

O Jeep Renegade é outro desalinhado em relação à Europa. Com a última reestilização, o SUV ganhou novos faróis, mas faltaram os para-choques mais esportivos e as lanternas de leds.

Além de controle de velocidade adaptativo, alerta de ponto cego, sensor de estacionamento dianteiro e banco do motorista elétrico, o modelo de lá recebeu motores mais modernos.

Por aqui, só temos o 1.8 flex com fama de beberrão, além de 2.0 turbodiesel. Mas em outros países o modelo tem três opções: 1.0 com 120 cv, 1.3 com 150 cv e 1.3 turbo com 180 cv. No Brasil, o Renegade flex só vai virar turbo no segundo semestre de 2020.

Nosso Polo chegou recentemente ao mercado. Mas nem isso livrou o hatch do depenamento: faltam controle de velocidade adaptativo, frenagem de emergência e airbags de cortina.

Achou pouco? Apenas no quesito segurança, os clientes europeus também têm detector de pedestres, alerta de ponto cego, aviso de colisão iminente e sensor de pressão dos pneus.

Quanto à comodidade, por lá o hatch tem ar-condicionado de duas zonas, limitador de velocidade, faróis de leds, teto solar panorâmico e assistente automático de estacionamento.

Já mostramos que o SUV T-Cross também está mais completo quando oferecido ao consumidor europeu.

O Honda HR-V também está na lista dos modelos mais simples no Brasil. Por aqui, faltam teto solar panorâmico, controle de velocidade adaptativo e até reconhecimento de placas.

E a versão europeia tem frenagem de emergência, sensores dianteiros e traseiros, partida por botão, alerta de mudança involuntária de faixa e apoio de braço central na segunda fileira.

No Citroën C4 Cactus, os brasileiros até saem em vantagem: só nós temos vidros traseiros que descem. Nos outros países, os passageiros da segunda fileira têm que se virar com vidros basculantes.

Entretanto, não contamos com assistente automático de estacionamento, teto solar panorâmico, alerta de pontos cegos, reconhecimento de placas nem alerta de mudança involuntária de faixa.

Além disso, o painel do SUV feito em Porto Real (RJ) é diferente, tendo sido adaptado do antigo C3 Picasso. Ah, também não recebemos por aqui os eficientes amortecedores progressivos hidráulicos disponíveis na Europa.

E os modelos feitos nos Brasil, porém, melhores em outros países? A Chevrolet Montana tem motor 1.4 flex de 99 cv, enquanto no México (onde se chama Tornado), é 1.8 com 106 cv.

Por fim, o Fiat Mobi é fabricado no Brasil e exportado à Argentina. E ainda que o hatch seja visualmente igual nos dois países, apenas nossos vizinhos têm sistema de fixação Isofix.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Marcelo Farago Zanlorenzi

    Uma correção, o C4 Cactus nacional pode ter sim o alerta de mudança involuntária de faixa, na versão THP Shine Pack.