Clique e assine por apenas 5,90/mês

Salão de Genebra não terá modelos ao lado dos carros

Tendência é mundial e há outros eventos abolindo mulheres em roupas insinuantes nas exposições

Por Giovana Rampini - Atualizado em 6 mar 2018, 11h31 - Publicado em 6 mar 2018, 10h46
Mulheres bonitas e carros esportivos: uma fórmula antiquada Acervo/Quatro Rodas

O mundo está mudando. E não é por menos, movimentos como #MeToo e Time`s Up que denunciam assédio em Hollywood chamam a atenção para algo pungente nos dias de hoje: o papel da mulher na sociedade.

O mundo automotivo não fica de fora. Medidas que começaram em 2017 pretendem estreitar a relação da nova geração com a imagem de quem produz e vende carro.

Dessa vez foi o Salão de Genebra que decidiu não usar mais modelos para ficarem junto aos veículos. Quem visitar a mostra na Suíça só irá ver carros.

Modelos com vestidos curtos: isso está no passado Rafael Cusato/Quatro Rodas

Coincidência, ou não, o Salão de Genebra deste ano começa dia 8 de março, dia Internacional da Mulher.

Renault, Peugeot, Fiat, Nissan, Lexus e SsangYong já anunciaram que não terão modelos com pouca roupa em seus estandes.

Em vez de garotas a fim de chamar a atenção para o produto, homens e mulheres serão escolhidos por seus conhecimentos técnicos e irão explicar sobre os automóveis expostos.

Gatas do Salão 2012 - parte 2
Prática de colocar modelos em roupas insinuantes começou a ser mal vista Silvio Gioia/Quatro Rodas

Sobre a escolha das vestimentas, nada de muita pele a mostra. Trajes desportivos ganharam preferência.

Tal decisão não foi imposta pela organização. Ficando a critério de cada marca a troca das modelos.

Continua após a publicidade

Toyota, Alfa Romeo, Maserati e Jeep, inclusive, continuaram com as modelos, porém mais vestidos e de ambos os sexos também. 

Nova era para a fórmula 1

F1
As Grid Girls também foram extintas das práticas esportivas Reprodução/Internet

Mudanças significativas também ocorreram no maior evento automotivo mundial.

As famosas modelos que carregam os guarda-chuvas dos pilotos e davam as bandeirada de largada também foram extintas a partir deste ano. Segundo Sean Bratches, diretor de operações comerciais da F1, a marca não acredita que tal prática seja apropriada ou relevante para a Fórmula 1. 

“Embora a prática de empregar as grid girls foi usada pelos grandes prêmios da Fórmula 1 por décadas, sentimos que esse costume não ressoa com nossos valores como marca e claramente estão em desacordo com as normas sociais modernas”, declarou Sean em nota oficial. 

A marca passa por transformações desde 2017, logo após a Liberty Media adquirir a F1.

As Grid Girls há 64 anos fazem parte da tradição do evento. Na edição deste ano as belas mulheres serão substituídas por crianças.

Segundo o presidente da FIA, Jean Todt, “Estamos satisfeitos em trazer esse sonho um pouco mais perto, dando aos futuros campeões do nosso esporte a oportunidade de ficar ao lado de seus heróis até o início da corrida.

Para a FIA, é uma excelente iniciativa para desenvolver o automobilismo em todo o mundo”

Continua após a publicidade
Publicidade