Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Renault sorteia carro 0 km que pode ter sido repintado fora da fábrica

Sandero R.S. de concurso usa cor exclusiva que não existe na gama do compacto; Marca não comenta

Por Rodrigo Ribeiro 1 nov 2018, 18h49
Série especial foi criada para campanha Divulgação/Renault

A Renault atendeu ao pedido de muito entusiasta da marca (e de sua linha de esportivos) e finalmente preparou um Sandero R.S. pintado no icônico amarelo Sirius. Só tem um problema: ele pode não ter sido feito pela Renault.

Mas antes, uma rápida explicação. Essa cor é marca registrada da Renault Sport, divisão de performance e competição da marca francesa.

Renault Mégane RS Cup
O Amarelo Sirius é a cor oficial da Renault Sport Marco de Bari/Quatro Rodas

Apesar do Sandero R.S. ser considerado um modelo legítimo da divisão — prejudicando, inclusive, sua venda em outros mercados —, até hoje esse tom não é oferecido no Brasil.

Por conta do interesse dos entusiastas e a possibilidade de oferecer um carro exclusivo, a empresa preparou dois Sandero R.S. pintados no chamativo tom amarelo. Os veículos serão sorteados em uma campanha estrelada pela cantora Anitta.

A cor também é usada na equipe de Fórmula 1 da Renault Divulgação/Renault

E aí entra o problema. Normalmente a linha de montagem de uma fábrica pinta centenas de carros em sequência, usando majoritariamente robôs específicos para isso.

Esse sistema garante uma qualidade de pintura quase perfeita, mas tem um dificultador. Trocar a cor exige que todo o fluido das máquinas seja removido para fazer a mudança do tom.

Teste de pintura 2-tone do nissan kicks
A pintura da linha de montagem usa robôs para pintar centenas de carros em sequência Divulgação

O custo desse processo varia, mas pode ultrapassar os US$ 10 mil a cada troca. Por isso as fábricas evitam ao máximo as mudanças de tinta, pintando centenas de carros em um só tom antes de fazer a alteração.

Continua após a publicidade

Pelo mesmo motivo, fazer o ajuste para pintar somente dois carros não justifica o custo das alterações, além de incluir, no caso do amarelo Sirius, a importação do tom, que não é usado em outros modelos no Brasil.

Automóvel sendo pintado em cabine de pintura com pressão positiva
Mesmo feita em oficinas profissionais, pintura feita fora da linha de montagem não se equipara à de fábrica Acervo/Quatro Rodas

A solução para isso é pintar o carro fora da linha de montagem, em uma estufa de pintura convencional. O procedimento é praxe para esses carros — a GM fez isso para pintar de laranja alguns Vectra GT que foram usados em fotos de divulgação e empréstimos à imprensa.

O único senão é que esse tipo de pintura, por melhor que seja, raramente consegue se equiparar ao nível do feito pelos robôs, capazes de aplicar camadas de tinta da espessura de um fio de cabelo.

Uma oficina de São Paulo pintou alguns Vectra GT na cor laranja especificamente para o lançamento do hatch Divulgação/Chevrolet

Além disso, como também é inviável produzir um carro sem pintura, esses veículos que serão repintados têm que ter a carroceria lixada e preparada para receber a nova cor.

Questionada, a Renault não negou — e nem confirmou — se os Sandero R.S. foram pintados fora da linha de montagem.

Especialistas da área que pediram para não serem identificados, porém, afirmaram ser improvável que os modelos tenham sido pintados na fábrica. “Não faz sentido, financeiramente. Eu mesmo já pintei carros com tons exclusivos para montadoras por conta disso”, falou o dono de uma funilaria de São Paulo.

  • Original de fábrica ou não, ao menos vai dar pra conferir o visual do Sandero R.S. “da Anitta” de perto: o modelo será uma das estrelas da Renault no Salão do Automóvel de São Paulo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade