Clique e assine por apenas 8,90/mês

Renault Kwid brasileiro não zerou testes de colisão

Unidades fabricadas no Brasil não foram testadas, mas não poderão receber nota máxima

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 12 jul 2017, 23h17 - Publicado em 11 jul 2017, 21h31
renault Kwid crash test do global ncap
Renault Kwid vendido na Índia ainda tem chassi instável Latin NCAP/Divulgação

Circula nas redes sociais uma notícia na qual o Renault Kwid teria recebido zero estrela (de um máximo de cinco) em um teste de colisão.

De fato, o teste ocorreu. E, de fato, o Kwid não obteve estrelas. Porém, o veículo em questão não foi fabricado no Brasil.

Na internet, o teste está sendo divulgado como se fosse do modelo brasileiro. Mas se trata do Kwid produzido na Índia para o mercado indiano.

O Renault Kwid indiano é mais simples do que o nacional Divulgação/Renault

Lá, o subcompacto da Renault começou a ser vendido há pouco mais de um ano. Por trás dos testes está o Global NCAP, órgão independente ao qual estão associados o Latin NCAP (que testa carros vendidos na América Latina) e o Euro NCAP (que está por trás dos testes de carros vendidos na Europa).

Continua após a publicidade

Essa é a história de um carro que não desiste nunca. No primeiro teste, uma unidade sem airbags nem ABS recebeu nota zero (nenhuma estrela) para a proteção dos adultos e duas estrelas para a proteção de crianças.

Além da falta de airbags, contribuiu para a nota o colapso da estrutura do habitáculo dos passageiros.

Lanternas dos carros brasileiros têm elementos internos diferentes Renault/Divulgação

Após o teste, a Renault reforçou o modelo, que foi submetido a uma nova rodada de testes de impacto. Novamente, zero estrelas. Não houve colapso da estrutura do habitáculo, mas a carroceria foi classificada como instável e sem capacidade de receber cargas adicionais.

O Global NCAP ainda disse ter encontrado reforços no lado do motorista (direito, na versão indiana), mas não no do passageiro.

Continua após a publicidade

Em seguida, outra unidade com os mesmos reforços e airbag para o motorista foi testada. E pela terceira vez, mesmo com a bolsa de ar nenhuma estrela brilhou.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=8RDpoX9caGg&w=680&h=383]

Houve alta pressão na região do tórax do motorista após a deflagração do airbag e as pernas dos passageiros da frente poderiam se chocar com as estruturas do painel.

Meses depois o Kwid indiano encarou seu quarto teste de colisão. Agora com alterações estruturais mais abrangentes, airbag e cinto com pré-tensionador para o motorista.

Continua após a publicidade

Na quarta avaliação, então, o Kwid vendido na Índia recebeu sua primeira estrela em proteção para adultos após o impacto a 64 km/h.

E o carro brasileiro?

Renault Kwid Life, que custa a partir de R$ 29.990 Divulgação/Renault

Na época da divulgação dos primeiros, a Renault do Brasil se apressou em dizer que o Kwid nacional receberia diversos reforços estruturais. O carro nacional inclusive é mais pesado: são 790 kg contra 680 kg do carro indiano.

Além disso, o modelo brasileiro terá quatro airbags (dois dianteiros e dois laterais) de série em todas as versões.

É equipamento inédito entre os compactos de entrada e que também depende de reforços nas longarinas e nas colunas B para serem instalados. Obrigatório no Brasil, freios ABS também estarão presentes. 

Continua após a publicidade
Subcompacto terá quatro airbags de série no Brasil Divulgação/Renault

O que é possível adiantar é que, quando for testado pelo Latin NCAP, o Renault Kwid brasileiro não receberá quatro ou cinco estrelas em segurança.

Para alcançar as maiores notas nos testes é necessário, além de um bom desempenho nos testes de colisão frontal, controle eletrônico de estabilidade. E o Kwid nacional não terá este equipamento nem na versão mais cara.

Para ser classificado com três estrelas, é necessário ter ao menos alerta de cinto de segurança desatado para o motorista.

Apenas com bons resultados nos testes de colisão frontal e lateral, um carro recebe no máximo duas estrelas.

Continua após a publicidade

Publicidade