Relembre as versões mais legais da família Palio

Gama da Fiat deu origem a inovações mecânicas, esportivos e carrocerias inéditas no mundo

 (Montagem/Divulgação/Quatro Rodas/Fiat)

A concorrência acirrada e a chegada de novos modelos dentro da marca levaram ao fim da produção do Fiat Palio no Brasil após quase 22 anos.

O hatch vinha caindo nas vendas há dois anos, mas o lançamento de Mobi, Argo e a próxima geração do Uno selaram o futuro do modelo.

Ao longo dessas mais de duas décadas, o Palio chegou a ser o mais vendido do Brasil e deu origem a versões exclusivas, modelos esportivos e uma série de derivações que foram pioneiras mundiais. Conheça alguns desses modelos a seguir:

Palio 1.6 16V (1996)

Apesar da suspensão excessivamente macia, o Palio 1.6 16V empolgava

Apesar da suspensão excessivamente macia, o Palio 1.6 16V empolgava (Divulgação/Fiat)

A versão mas potente do primeiro Palio se destacava por seu desempenho acima da média: o motor a gasolina gerava 106 cv e 15,1 mkgf, números bons até hoje para um hatch compacto.

O modelo também foi primeiro do segmento a disponibilizar ABS e airbag duplo como opcional.

Palio Weekend Adventure (1999)

Palio Adventure 1999 A linha Adventure fez tanto sucesso que foi estendida a outros três modelos

A linha Adventure fez tanto sucesso que foi estendida a outros três modelos (Divulgação/Fiat)

Há quase vinte anos a Fiat teve uma ideia que revolucionaria o mercado nacional – e, depois, mundial: fazer uma versão aventureira leve a partir de um carro de passeio.

Com suspensão elevada, pneus de uso misto, estribos, quebra-mato e faróis de milha (longo alcance), a Weekend Adventure abriu um precedente inédito e foi um sucesso de vendas.

Atualmente quase todas as fabricantes generalistas contam com uma versão aventureira na gama.

Strada Cabine Dupla (2009)

O que é, o que é? Não comporta quatro adultos com conforto, tem caçamba pequena, mas é um sucesso de vendas

O que é, o que é? Não comporta quatro adultos com conforto, tem caçamba pequena, mas é um sucesso de vendas (Divulgação/Fiat)

A picape do Palio é um exemplo dos tempos em que a Fiat se antecipava ao mercado como ninguém.

A Strada podia ter cabine simples, estendida, câmbio robotizado e até versão Adventure. Mas nada supera a inovação da cabine dupla, lançada há quase dez anos.

A inusitada configuração fez muito conservador torcer o nariz, mas o crescimento nas vendas – a versão chegou a passar dos 50% de participação dentro da gama – fez com que a concorrência fosse atrás.

A Strada Cabine Dupla foi tão bem aceita que ganhou uma versão com três portas e é ofertada até na versão inicial da picape.

Palio 1.8R (2005)

Fiat Palio Com motor 1.8, o Palio R tinha visual que remetia aos clássicos esportivos da marca

Com motor 1.8, o Palio R tinha visual que remetia aos clássicos esportivos da marca (divulgação/)

A icônica terminologia “R”, que já havia batizado duas versões nervosas do Uno, chegou ao Palio para nomear a versão mais esportiva do hatch. O 1.8R usava um motor fabricado pela GM e chegava aos 115 cv.

O modelo não era esportivo só no nome, e tinha pneus mais largos (185/60, ante o 165/70 usado nas outras versões), suspensão mais baixa e firme e diferencial encurtado para melhorar as arrancadas.

O desempenho, porém, não era surpreendente: em nossos testes da época, o 0 a 100 km/h com etanol foi cumprido em 11,1 segundos – com gasolina, o número pulava para 11,3 segundos.

Strada Sporting (2010)

A versão Sporting também foi disponibilizada no Siena e na Idea

A versão Sporting também foi disponibilizada no Siena e na Idea (Divulgação/Fiat)

Os americanos têm a Raptor, nós tivemos a Strada Sporting. Assim como o Palio 1.8R, a versão esportiva da picape tinha mudanças mecânicas, com suspensão mais dura e diferencial encurtado.

O visual também mudava, com uma profusão de apliques plásticos espalhados pela carroceria, faróis escurecidos e os cintos de segurança vermelhos usados em outros modelos esportivos da Fiat.

O estilo não convenceu e a Strada Sporting saiu de linha um ano após seu lançamento.

Siena Tetrafuel (2007)

A adaptação acontecia na fábrica, mas executada por uma empresa terceirizada

A adaptação acontecia na fábrica, mas executada por uma empresa terceirizada (Divulgação/Fiat)

A conversão dos carros para GNV disparou na virada do século, antes da expansão dos motores flex.

Mesmo assim, não havia nenhum modelo movido a gás adaptado de fábrica. Aí a Fiat teve a sacada de oferecer, de uma só vez, um sedã com motor 1.4 flexível e convertido para rodar também com GNV.

Por tabela, a equipe de marketing aproveitou o fato de a injeção eletrônica já estar programada para o veículo rodar em outros países da América Latina (que não usam gasolina misturada com etanol) e batizou a novidade de Siena Tetrafuel.

O quatro do nome se referente à quantidade de combustíveis que o carro podia usar: gasolina brasileira, etanol, GNV e gasolina pura – ainda que essa última não seja vendida no país.

O modelo fez relativo sucesso, sobretudo com motoristas profissionais, e durou duas gerações e quase dez anos, saindo de linha em 2016.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. iberan santos

    É uma pena que a fiat ira deixar de de fabricar o Pálio ,é um veiculo muito bom e econômico