Clique e assine por apenas 8,90/mês

Por que salões de automóveis em todo o mundo estão sob ameaça de extinção

Não é só o Salão do Automóvel de São Paulo que anda ameaçado. Mostras do mundo todo – incluindo as mais tradicionais – também podem estar perto do fim

Por Péricles Malheiros - 10 mar 2020, 07h00
Salões em crise: a hora é de se reinventar Acervo/Quatro Rodas

Coincidência, desconexão com a clientela ou efeito manada de debandada? O ano começou jogando um balde de água gelada no Salão do Automóvel.

O anúncio da desistência de participação da Toyota e da BMW foi um duro golpe, mas o êxodo foi deflagrado com a saída da Chevrolet – marca que mais vende carros no Brasil e que tradicionalmente participa da mostra com um dos maiores estandes. Depois da gigante americana, Honda, Hyundai e Kia engrossaram o movimento.

O argumento oficial das marcas é quase sempre o mesmo: custos proibitivos e formato obsoleto. E não é só no Brasil. Salões do mundo todo vêm sofrendo um esvaziamento radical.

No Salão de Frankfurt de 2019, por exemplo, ficaram de fora marcas importantes do mercado europeu, como GM, FCA, Nissan, Toyota e Ferrari – na edição anterior, em 2017, já haviam saído Mitsubishi e Volvo.

Continua após a publicidade

O golpe foi sentido e o que já se sabe é que a edição de 2021 não acontecerá mais em Frankfurt – Berlim, Hamburgo e Munique disputam o direito de sediar o evento.

Os organizadores dos salões de Frankfurt e de São Paulo têm algo em comum, além do medo do sepultamento definitivo de seus eventos: a obrigação de se reinventarem para atender as fábricas.

Contatada, a Reed Exhibitions Alcantara Machado, responsável pelo Salão do Automóvel de São Paulo, disse que segue em conversações com todas as marcas, inclusive as que já oficializaram sua desistência e que múltiplas e novas possibilidades são permanentemente avaliadas.

Ainda segundo a empresa, nada impede, por exemplo, que fabricantes sem estandes montados no salão tenham ativações conceitualmente novas e altamente interativas com o público em espaços externos ao pavilhão.

Continua após a publicidade

Essa flexibilização não é à toa. Uníssonas, as marcas reclamam dos altos custos.

“Além do preço exorbitante do espaço, cobra-se muito dinheiro por qualquer demanda. Se você precisar mudar um ponto de iluminação, pedir um serviço extra de limpeza ou ampliar a área com ar-condicionado, é preciso usar o caríssimo serviço da organizadora, disse uma fonte ligada a uma das marcas que anunciaram a desistência.”

A migração do público consumidor de automóveis para salões de tecnologia, como o CES (Consumer Electronics Show), realizado anualmente em Las Vegas, nos Estados Unidos, é outro ponto de fuga das montadoras. Será o fim dos salões?

Publicidade