Oficina cria hot rods enferrujados de até R$ 100 mil com base de Fusca

Única oficina especializada em volksrods do país, a BadBug constrói carros que insultam os fãs de Fusca, mas são puro sucesso

Erick Martins é o dono e a alma da Escuderia BadBug

Erick Martins é o dono e a alma da Escuderia BadBug (Fernando Pires/Quatro Rodas)

A cultura custom nunca esteve tão em alta no Brasil como agora. Surgida nos anos 50 na Califórnia, é definida pela personalização.

Nos carros, começou com os hot rods (modelos americanos dos anos 30 e 40 transformados), que ganharam a vertente chamada volksrods, construídos a partir do Fusca.

E ninguém entende mais disso do que Erick Martins, dono da Escuderia BadBug, única oficina do Brasil dedicada só aos volksrods. “Comecei fazendo os meus próprios carros. Os amigos gostaram e vieram as primeiras encomendas.

“É um trabalho artesanal, que costuma demorar meses”, diz Martins

“É um trabalho artesanal, que costuma demorar meses”, diz Martins (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Aí nasceu a oficina”, relembra Erick Martins, 46 anos, proprietário da empresa que já conta com 13 anos de estrada e produz uma média de seis veículos por ano. “É um trabalho artesanal, que costuma demorar meses.”

Com tanto tempo investido nos carros, os projetos não são baratos. “Os mais caros podem passar dos R$ 100.000, dependendo da complexidade. Mas um projeto simples de volksrod sai em média R$ 15.000”, diz.

O volksrod V8 com motor dianteiro e tração traseira é a estrela da oficina

O volksrod V8 com motor dianteiro e tração traseira é a estrela da oficina (Fernando Pires/Quatro Rodas)

A transformação consiste em retirar os para-lamas dianteiros e esticar o entre-eixos. Neste caso, o eixo dianteiro é deslocado para frente, criando uma estética que remete aos hot rods americanos.

A Escuderia BadBug se especializou tanto nesse processo que até desenvolveu seu próprio alongador (chamado de front head), peça que é aparafusada entre chassi e suspensão, para avançar o eixo dianteiro em cerca de 30 cm.

Outra modificação essencial é rebaixar o teto, onde carroceria e portas são cortadas e depois soldadas, para criar um visual mais agressivo.

O cliente pode escolher entre várias opções de acabamento, porém o sucesso na BadBug é o rat rod, que cria um visual mal acabado, com jeitão de ferrugem ao ponto de causar arrepios nos fãs mais puristas do Fusca.

Interior quase inacabado (vale até o assoalho vazado) define bem o estilo rat rod

Interior quase inacabado (vale até o assoalho vazado) define bem o estilo rat rod (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Erick diz que não usa produtos químicos. “Eu deixo as peças enferrujarem naturalmente, ao ar livre, o que às vezes pode levar meses”, explica.

Mas isso não é sinônimo de carro estragado ou sem condições. “O que mais acontece na oficina é negarmos o Fusca que o cliente traz para iniciar um projeto”, conta Erick.

“As pessoas acham que o rat rod é um carro podre, mas na verdade os nossos projetos são totalmente íntegros e legalizados para andar nas ruas”, conta Erick.

Picape volksrod: caçamba feita à mão com caixa falsa para cobrir o motor original

Picape volksrod: caçamba feita à mão com caixa falsa para cobrir o motor original (Fernando Pires/Quatro Rodas)

“Devido a uma parceria com o Automóvel Clube do Brasil, Denatran e Contran, hoje oferecemos toda a assessoria técnica para regularizar a documentação de veículos modificados.”

É isso que permite legalizar loucuras como um volksrod com motor V8 de um Dodge Charger R/T instalado na dianteira de um Fusca, mas com tração traseira. “Esse ficou tão legal que não vendi.”

Além de reconstruir automóveis, a BadBug organiza cursos e workshops dedicados à cultura hot rod. Eles atendem à demanda do público interessado. Primeiro uma pesquisa online determina o tema mais pedido.

A partir daí, as turmas são montadas e cada unidade é ministrada pela BadBug ou por um profissional convidado.

Os cursos contemplam mecânica básica, tipos de soldagem, acabamentos como pinstriping (decoração da carroceria com listras fininhas) e até rebaixamento de teto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s