O curso de R$ 20 mil que te ensina a dar drift no gelo a bordo de um Audi

Encaramos o desafio de fazer curvas de lado numa RS 4 Avant sobre um lago congelado. E garantimos: é muito mais difícil (e divertido) do que você está vendo

Um errinho aqui, outro ali, a trilha se apaga e o traçado muda a cada volta

Um errinho aqui, outro ali, a trilha se apaga e o traçado muda a cada volta (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

“Freie antes da curva, freie antes da curva!” O instrutor não parava de repetir a frase pelo walkie-talkie. É quase um mantra que ouvimos o curso inteiro. Mas ninguém respeita. E a toda hora vejo um carro mergulhando sem dó em um monte de neve.

Toda a teoria de pilotagem que eu tenho na cabeça não funciona muito bem nesse cenário: estou dirigindo sobre um lago congelado, encarando uma manhã de -17 graus Celsius, bem no norte da Suécia, em Arvidsjaur.

Pistas criadas sobre um lago com 3 km de comprimento

Pistas criadas sobre um lago com 3 km de comprimento (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

A apenas 110 km do Círculo Polar Ártico, a cidadezinha de 4.600 habitantes só tem duas coisas a oferecer: frio e gelo. Por isso as montadoras vêm para cá desde 1967 para testar seus veículos em condições extremas.

E nada é mais extremo que a habilidade necessária para domar os esportivos do Ice Experience, um curso que a Audi oferece todos os anos no implacável inverno sueco, onde temperaturas de -35 graus são frequentes.

Sobre o gelo, é muito fácil passar reto pela curva

Sobre o gelo, é muito fácil passar reto pela curva (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

Que bom que todos estamos dirigindo este ano a nova RS 4 Avant, com seu V6 2.9 biturbo de 450 cv. Mas, neste jogo, potência não é garantia de rapidez. O segredo é controle e sensibilidade.

Na verdade, a dica é uma só: prestar atenção no instrutor e aprender rapidinho o “scandinavian flick”, manobra criada por pilotos de rali na Escandinávia dos anos 60 para fazer curvas fechadas em pisos de baixíssima aderência.

Funciona assim: ao se aproximar de uma curva à direita, você tira o pé do acelerador de repente (pode até ajudar com um toquinho no freio), gira um pouco o volante para a esquerda e depois gira forte para a direita, apontando para a tangente da curva.

Isso vai desequilibrar o carro e soltar a traseira. Nesse momento, fique atento para fazer o contraesterço – virando o volante para fora da traçado – e acelerar devagar e progressivamente, para contornar a curva meio de lado.

Com treino, nem do acelerador vai precisar. Mas acredite: é mais difícil do que parece.

 (Divulgação/Audi)

Nas primeiras tentativas, entrei rápido demais e segui em frente como uma locomotiva. Nas outras, estercei pouco para o lado oposto. Enfim, tem de praticar bastante. E foi o que fiz nesses dois dias e meio de treinamento do Ice Experience.

Em geral, são dois alunos por veículo, mas minha turma contou com a sorte de ter um RS 4 para cada um. Ou seja, dirigimos até cansar. Mais de seis horas por dia.

Só não vá achando que você sempre melhora com o passar do tempo. A pilotagem no gelo é bem traiçoeira. Demanda concentração o tempo todo. Basta ganhar confiança demais e lá vai o carro para fora do circuito escavado no lago congelado.

O excesso de branco acaba levando o aluno a cometer erros

O excesso de branco acaba levando o aluno a cometer erros (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

Se isso acontecer, relaxe. Nada mais libertador e emocionante do que extrapolar na manobra, bater forte num monte de neve e – uau! – perceber que a lataria do seu Audi de R$ 547.000 não sofreu nem um amassado.

Mas isso estimula você a passar do limite mais e mais vezes.

Exagerou? Pode chamar o trator pelo rádio para arrancá-lo da neve fofa, pois nem o sistema Quattro de tração 4×4 dos Audi vai desenterrá-lo. Só se prepare para ver um pedaço de para-choque ou spoiler ser arrancado.

Claro que o excesso de derrapadas só ocorre porque temos de desligar os controles de estabilidade e tração ao entrar no campo de provas. Sem isso, o carro pode ser mais lento nas provas, mas raramente sairia dos trilhos.

O que também piora o rendimento é o cenário eternamente branco, especialmente quando o tempo está bom, pois o visual da pista congelada se mistura com as laterais com pouca neve acumulada.

Tudo é muito parecido e, após várias voltas no circuito, o piloto perde a referência do horizonte, não sabe em que parte do traçado está e não distingue as curvas. Para piorar, a neve derrete aos poucos e a cada passagem a aderência já mudou.

Alegria: só tinhaRS 4 Avant na frota do curso

Alegria: só tinhaRS 4 Avant na frota do curso (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

Essa confusão – e uma boa dose de barbeiragem nos dez carros cheios de potência – deixa a pista uma bagunça no fim da tarde. É tanta gente atolando que o caminho vai sumindo.

Nada que o trator não resolva de manhã: a máquina cava a neve para reabrir os 7 km de pistas lisas que se interligam, prontinhas para o novo dia de treino.

Os veículos também são revisados, abastecidos (de 60 a 70 litros por dia devido ao consumo forçado perto de 4 km/l) e, às vezes, consertados com silver tape, para pôr um ou outro para-choque no lugar.

Pneus de neve usam cravos de metal

Pneus de neve usam cravos de metal (Johannes Holmuld/Quatro Rodas)

Fique tranquilo, pois tudo está no pacote de R$ 19.990 do curso (inclui seguro, hotel e voos entre Estocolmo e Arvidsjaur), que só está disponível de janeiro a março, quando o gelo do lago atinge até 1 metro de espessura, mais que suficiente para sustentar nossa frota – 20 cm já suportariam um automóvel.

Difícil de suportar mesmo é a ansiedade de acelerar na imensidão branca o Audi que vai de 0 a 100 km/h em 4,1 s.

Lembro do instrutor: freie antes da curva e puxe a direção para um lado. Eu giro logo para o outro, a traseira se solta, acelero com calma e a perua começa a escorregar.

Controlo a derrapada contraesterçando e pisando mais forte. A traseira quer fugir e o carro entra de lado. Encho mais o turbo do motor e – enfim! – comemoro o drifting controlado curva adentro. Nossa, deu até um calorzão agora.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s