Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Novo programa Mover entra em vigor e acelera a descarbonização no Brasil

Programa substitui o Rota 2030 e aumenta incentivos, deixa medição de emissões de carbono mais rigorosa e promove a neoindustrialização

Por João Vitor Ferreira
2 jan 2024, 15h46

Às vésperas do ano-novo, no último dia 30, o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou a Medida Provisória que cria, oficialmente, o programa nacional de Mobilidade Verde e Inovação (Mover). O Mover substitui e amplia o Rota 2030 e estimula a modernização e a sustentabilidade na área de mobilidade e logística.

O programa criado pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços) vai redefinir metas de descarbonização e sistema de medição de emissões, passando a considerar todo o ciclo da fonte de energia utilizada, em um sistema chamado de “do poço à roda”, que será exigido juntamente com o atual “do tanque à roda”. O mover também passa a incluir “todas as modalidades de veículos capazes de reduzir danos ambientais”, ou seja, incluindo também ônibus, caminhões, componentes e até veículos levíssimos, como bicicletas e motos.

Já a partir de 2027 a medição será ainda mais ampla, passando a adotar o sistema “do berço ao túmulo” que medirá a pegada de carbono completa dos veículos no Brasil. Tomando o etanol como exemplo, as emissões de carbono serão medidas desde o plantio, passando pela colheita, processamento, transporte até chegar ao escapamento do carro, após a queima do combustível. Até os carros elétricos passarão por esse sistema, levando em consideração o processo de fabricação de suas baterias.

Posto combustível gasolina álcool diesel petrobras (7)

Como forma de incentivar a sustentabilidade, o Governo também dará incentivos às empresas, totalizando cerca de R$ 19 bilhões em créditos até o final do programa em 2030. O antigo Rota 2030 criado em 2018, teve como incentivo anual médio de R$ 1,7 bilhão.

Continua após a publicidade

A ideia é aumentar gradativamente os incentivos ao passar dos anos conforme as empresas vão se adequando às exigências do programa. Em 2024, o incentivo fiscal para quem investir na descarbonização será de R$ 3,5 bilhões, subindo para R$ 3,8 bilhões em 2025, R$ 3,9 bilhões em 2027, R$ 4 bilhões em 2028 e chegando a R$ 4,1 bilhões em 2029.

Outro incentivo será o “IPI Verde” que funcionará no sistema “bônus malus”, ou seja, de recompensa e penalização. O governo definirá, nos próximos meses, as alíquotas do IPI e a partir de indicadores como fonte de energia de propulsão, consumo energético, potência do motor, reciclabilidade e desempenho estrutural e tecnologias assistivas à direção serão definidos os descontos ou acréscimos no imposto. Em outras palavras, quem for mais sustentável pagará menos e quem poluir pagará mais.

Fábrica da GWM em Iracemápolis
Fábrica da GWM em Iracemápolis (SP) (Divulgação/GWM)

O Mover também incentivará a ‘neoindustrialização’ do Brasil, com incentivos à pesquisa e a chegada de novas indústrias. Empresas de fora que se instalarem no Brasil receberão incentivo equivalente ao imposto de importação incidente na transferência das células de produção e abatimentos no Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Continua após a publicidade

“A Medida Provisória do Mover, tão aguardado pelas empresas que estão investindo na mobilidade elétrica, e o PL da Depreciação Acelerada vão colocar o Brasil na rota das novas tecnologias”, comemora o presidente da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico), Ricardo Bastos.

Já na área de pesquisa, o Mover concederá incentivos fiscais em proporção aos investimentos em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) para as empresas que atenderem aos requisitos do programa. As empresas deverão investir entre 0,3% e 0,6% da receita em P&D e a cada real investido dará direito a créditos financeiros entre R$ 0,50 e R$ 3,20, que poderão ser usados para abater qualquer tributos administrados pela Receita Federal.

Compartilhe essa matéria via:

O governo também reduzirá o Imposto de Importação para fabricantes que importam peças e componentes sem similar nacional, desde que invistam 2% do total importado em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação em “programas prioritários” na cadeia de fornecedores. Por fim, o Mover também cria o ​​​​Fundo Nacional de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico, que será gerenciado pelo BNDES, sob coordenação do MDIC.

“Este é o primeiro fundo diretamente voltado para a inovação e modernização industrial, aproximando ainda mais o BNDES e fortalecendo a neoindustrialização que já está em curso no Brasil”, disse o vice-presidente e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin.

Continua após a publicidade

A expectativa é que esses investimentos em pesquisa sejam de R$ 300 a R$ 500 milhões por ano, superando os R$ 200 milhões anuais do Rota 2030.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.