Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novo A3 ainda é um Golf disfarçado de Audi. A3 Sedan aparece só em 2022

Com motores de Volkswagen Golf e configuração híbrida parcial de 48V, o hatch também tem cabine inspirada no A1 e comandos por voz

Por Joaquim Oliveira - 3 mar 2020, 16h52
Principal destaque do novo A3 é a grade dianteira hexagonal Divulgação/Audi

Na Audi, não há espaço para revoluções de estilo – menos ainda para um modelo de sucesso global, como o A3. Entretanto, somente a versão hatch (batizada Sportback) foi apresentada, enquanto o sedã deverá ficar apenas para 2022.

Vale lembrar que o A3 Sedan atual deixará de ser produzido localmente ainda em 2020, o que deixa dúvidas sobre se o três-volumes deixará temporariamente de ser oferecido (como aconteceu com o Q3) ou se passará imediatamente a ser importado.

A boa notícia é que o novo A3 Sportback será vendido no Brasil, somente importado, provavelmente a partir do ano que vem.

Modelo está 3,5 cm mais largo, com 1,82 m Divulgação/Audi

Dá para notar que o desenho evoluiu com arestas mais proeminentes e superfícies côncavas nas laterais. Essa mudança permite um jogo de luz e sombras que também se repete na traseira e no capô, que tem vincos mais profundos.

Continua após a publicidade

Entretanto, dá para dizer que o principal destaque do A3 é a nova grade hexagonal com padrão colmeia, que faz conjunto com faróis de leds – item de série na Europa. E há opção de iluminação adaptativa nas versões topo de linha.

O quarto capítulo da história do modelo conserva as proporções do antecessor, com apenas 3 cm mais no comprimento (4,34 cm) e 3,5 cm a mais na largura (1,82 m). Só que o entre-eixos manteve os mesmos 2,64 m da versão anterior.

Carroceria ganhou novos vincos Divulgação/Audi

Se não teve mudança na altura (1,43 m), os bancos foram rebaixados para aumentar a sensação de esportividade e espaço para cabeça. Já o porta-malas, que segue com capacidade de 380 l, ganhou apenas tampa com abertura elétrica.

A cabine respira modernidade com telas digitais, que têm 10,1 polegadas na central multimídia e 10,25 polegadas no quadro de instrumentos – ainda há uma opção com 12,3 polegadas, que não é de série, com mais funções disponíveis.

Continua após a publicidade
Porta-malas manteve a capacidade de antes, mas ganhou tampa elétrica Divulgação/Audi

Quase todos os comandos físicos foram substituídos nesta geração, com exceção dos botões de climatização, dos controles de tração e de estabilidade, além daqueles no volante. Ainda há reconhecimento de escrita e comandos por voz.

Com apenas uma evolução da plataforma anterior – agora batizada MQB Evo –, o A3 manteve a suspensão com arranjo McPherson à frente e eixo de torção atrás para as versões de entrada. Nas demais, ambos os eixos são independentes.

Comandos físicos foram quase todos substituídos por telas Divulgação/Audi

No mercado europeu, é possível escolher um conjunto com amortecimento variável com 10 mm menos de altura em relação ao solo. Também há uma opção Sport, com 15 mm menos de altura, para as configurações com pacote S Line.

Como antes, a assistência elétrica da direção varia em função da velocidade e, como opcional, há um conjunto que também reduz a necessidade de esterçamento. Já os freios com novo servo freio elétrico reduz o tempo de respostas.

Continua após a publicidade
Bancos estão mais baixos para aumentar a esportividade Divulgação/Audi

Além da base de Volkswagen Golf, o Audi também pegará emprestado os motores: 1.5 turbo com 150 cv de potência e 2.0 turbodiesel com 116 cv e 150 cv. Mas, pouco depois do lançamento, será a vez do 3-cilindros 1.0 turbo de 110 cv.

Ainda haverá uma versão híbrida parcial com motor 1.5 turbo a gasolina e sistema elétrico de 48V com baterias de íons de lítio. O conjunto permite reduzir o consumo de combustível em desacelerações e também em frenagens leves.

Se todas as configurações atualmente têm tração dianteira – com câmbio manual de seis marchas ou automatizado de dupla embreagem com sete marchas –, em breve haverá opções com tração integral, híbrido plug-in e até com GNV.

Não houve nenhuma mudança no entre-eixos Divulgação/Audi
Publicidade