Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Identificação de veículos deve começar em 2013

Carros receberão chip que possibilitará leitura de informações

Por Vitor Matsubara Atualizado em 9 nov 2016, 12h05 - Publicado em 3 out 2012, 21h00
tecnologia

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) anunciou nesta quarta-feira, 3 de outubro, que vai iniciar o processo de identificação automática de veículos – conhecido como Siniav – a partir de janeiro de 2013. Seu principal objetivo é facilitar o controle e a fiscalização do tráfego nas ruas e estradas brasileiras, através do monitoramento de cada veículo em tempo real.

Seu funcionamento se dá a partir de um sistema de radiofrequência, que prevê a emissão de sinais por antenas espalhadas pelas cidades e rodovias. Estes sinais serão captados por um pequeno chip que integra a placa eletrônica a ser instalada em veículos de passeio, motocicletas e carretas. “É uma espécie de tag eletrônico, que ao ser acionado, enviará dados do veículo às antenas que, por sua vez, enviarão as informações para as centrais de processamento, que verificarão a situação do veículo analisado”, afirmou o coordenador de Microinformática do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Henrique Miguel.

Ainda de acordo com Miguel, a tecnologia possibilitará localizar um carro furtado e associá-lo ao proprietário, facilitando a recuperação do veículo e evitando a clonagem. Será possível também fiscalizar a velocidade média dos automóveis e a circulação em locais e horários em que ela for proibida. Com o Siniav, o Denatran também poderá conferir dados relativos aos veículos e às obrigações do proprietário, como o licenciamento anual e o pagamento de impostos e de multas. Até mesmo a cobrança em pedágios deve ser eliminada por conta do novo chip, já que o valor poderá ser debitado posteriormente, como acontece no sistema Sem Parar usado nas estradas paulistas.

A implantação do Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos deve ser concluída até 30 de junho de 2014. O desenvolvimento da tecnologia foi financiado pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e das Cidades e envolve investimentos de aproximadamente 5 milhões de reais.

Continua após a publicidade
Publicidade