Clique e assine com até 75% de desconto

I-Motion, Easytronic, Dualogic: câmbio automatizado está extinto no Brasil

Transmissão que surgiu como alternativa barata, foi engolida pelos automáticos convencionais mais robustos e confortáveis

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 22 out 2020, 00h16 - Publicado em 22 out 2020, 08h00
Câmbio GSR deu adeus ao mercado em favor dos automáticos Divulgação/Fiat

Acabou. Como bem notou o parceiro Autos Segredos, com o fim da oferta do Fiat Cronos Drive 1.3 GSR não há mais carros novos com câmbio automatizado de uma embreagem no Brasil. Foram extintos.

Dualogic, GSR, I-Motion, Easy´R, Easytronic… Os nomes foram muitos, mas a proposta era a mesma: tentar oferecer o mesmo conforto de um câmbio automático, mas a um custo muito menor. Nenhum deles conseguiu.

2404_up_08.jpg
Câmbio automatizado I-Motion equipou os Volks das famílias Gol, Polo, Fox e Up! divulgação/Volkswagen

O custo, de fato, chegava a ser mais de 50% menor que o de um automático. E isso só era possível porque, na prática, eram câmbios manuais (mais baratos e menos complexos que os automáticos) com sistema eletro-hidráulico ou apenas elétrico acoplado a ele para executar as trocas de marcha e o acionamento da embreagem.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 5.90

A teoria dizia que o câmbio automatizado evitaria as arranhadas e outras falhas humanas, e a prática revelava, também, menor consumo de combustível. Contudo, o tempo de troca de marcha maior, reações lentas, trancos e patinadas da embreagem impediram que eles alcançassem o nível de conforto de um automático.

Câmbio automatizado Easytronic do Agile podia ser comandado por borboletas (que não existem nos atuais atutomáticos da marca) divulgação/Chevrolet

Isso e as reclamações recorrentes quanto à durabilidade levaram o sistema de embreagem única a ficar queimado no mercado. E isso também pesou para eles terem sido erradicados por aqui.

Marcas de luxo, como Audi (R-tronic) e Mercedes-Benz (softouch), já ofereciam esse tipo de tecnologia, mas foi em 2007 que a invasão em modelos mais acessíveis no Brasil começou pelo Chevrolet Meriva (Easytronic). No início do ano seguinte, estreou no Fiat Stilo (Dualogic) e, em seguida, no VW Polo (I-Motion).

Continua após a publicidade
  • E foi justamente a Chevrolet a primeira a abandonar o sistema, em 2014, quando o Agile saiu de linha. Até mesmo porque foi ela quem iniciou a popularização do câmbio automático de seis marchas, que dois anos antes já estava disponível até no Onix.

    Renault Logan Easy´R
    Câmbio Easy´R, da Renault Marco de Bari/Quatro Rodas

    Isso se repetiu nos outros fabricantes. A Volkswagen, que abandonou o I-Motion em 2019 nos Fox e Up!, agora está concentrada no câmbio automático de seis marchas, presente até mesmo em Gol e Voyage.

    Com o fim das opções com câmbio GSR (ex-Dualogic) de cinco marchas, a Fiat também segue com automático de seis marchas combinado ao motor 1.8 E.TorQ. O motor 1.3 receberá, no ano que vem, a opção de câmbio automático CVT.

    A mais ousada nesse movimento foi a Renault. Tinha câmbio automático de quatro marchas em Sandero e Logan. Trocou pelo automatizado Easy´R e no ano passado trocou ele pelo CVT.

    Com tantas opções de câmbio automático – todos muito bons, diga-se – o custo deles acabou baixando, seja pelo custo ou para manter a competitividade. Tanto que nos últimos tempos o custo estava muito parecido com o de um automatizado. Muito piores, acabaram deixando de fazer sentido. E se vão sem deixar saudade.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade