Honda Civic VTi: apetite por giro alto

Há alguns anos fora de atividade, o Civic VTi não foi extinto - ao contrário. Ainda hoje esse hot hatch pode entrar em erupção a qualquer momento

Honda Civic VTi Este visual tem duas décadas e parece atual

Este visual tem duas décadas e parece atual  (/)

O Honda Civic VTi de quinta geração se despediu do mercado há mais de 20 anos, mas o passar do tempo não extinguiu sua espécie. Ainda hoje é como um vulcão dormente, sem sinais de atividade: a qualquer momento pode entrar em erupção, surpreendendo a todos.

A aparência pacata da versão hatch escondia um esportivo feroz, dono de tecnologias incomuns à época. A quinta geração (denominada EG) exibia linhas fluidas e arredondadas – a supressão da grade frontal marcava a sobriedade do desenho e a eficiência aerodinâmica.

O baixo peso e as suspensões de braços sobrepostos nas quatro rodas resultavam em um comportamento dinâmico irrepreensível, perfeito para o lendário B16A de 1,6 litro. Esse motor tinha quatro cilindros e 16 válvulas, entregando espantosos 160 cv – quase a mesma potência de um Omega CD (dono de um 6 cilindros 3.0). Para ter uma ideia do impacto, nossos melhores esportivos eram o Gol GTI e o Kadett GSi, com motores 2 litros e não mais que 121 cv. Com a mesma cilindrada, o Uno 1.6R não passava dos 86 cv.

Honda Civic VTi O motor 1.6 de 160 cv era a alma do Civic VTi

O motor 1.6 de 160 cv era a alma do Civic VTi  (/)

O segredo estava no comando variável VTEC, com dois perfis de acionamento das válvulas de admissão e escapamento. O primeiro atuava em baixas rotações, garantindo consumo moderado e dirigibilidade dócil. O segundo perfil entrava em ação a partir das 4.500 rpm, fazendo com que o motor girasse praticamente livre até o corte de giros (a 8.200 rpm).

A dupla personalidade do motor era um atrativo: a transição do comportamento pacato do primeiro perfil para a selvageria do segundo fez a fama e a pegada do VTEC – até o ronco mudava em altas rotações.

Honda Civic VTi Interior simples e de linhas discretas, típico dos japoneses dos anos 90

Interior simples e de linhas discretas, típico dos japoneses dos anos 90  (/)

Com aceleração de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos e máxima de 211 km/h, o Civic VTi tornou-se referência em desempenho numa época em que nossos esportivos cumpriam a mesma prova de aceleração em mais de 10 segundos, sem sequer chegar aos 190 km/h. Mas a boa sensação ia além dos números: era confortável e oferecia o mesmo status de importados duas ou três vezes mais caros.A crença de que seria inquebrável foi colocada à prova em 1993, quando foi incorporado ao Longa Duração. Após 60.000 km, foi aprovado com louvor.

Moderno, o VTi pouco sentiu o peso dos anos. Fabricado em 1995, este exemplar pertence ao paulistano Flavio Ferreira e ainda hoje parece atual. “É uma verdadeira lenda dos anos 90”, diz o fã e proprietário.

Honda Civic VTi Inscrição VTEC na lateral era um anúncio de suas credenciais

Inscrição VTEC na lateral era um anúncio de suas credenciais  (/)

O Civic de sexta geração (EK) chegou por aqui em 1997. Porém, sua importação foi suspensa no mesmo ano, após o início da produção do Civic sedã, em Sumaré (SP).

Apresentada em 2000, a sétima geração não exibia o mesmo apelo: a suspensão dianteira McPherson e traseira por eixo de torção foram consideradas um retrocesso pelos puristas. E o motor K20A3 de 2 litros da versão Si rendia os mesmos 160 cv da geração anterior a baixos 6.500 rpm. Para muitos entusiastas, apenas os Civic quinta e sexta gerações merecem ser reverenciados. 

Evolução anunciada

Honda Civic Type R

O Civic VTi da geração EK serviu de base para outra lenda: o primeiro Civic Type R. Nessa versão, o hatch perdia peso e ganhava desempenho: o motor B16B rendia 185 cv a 8.200 rpm. O câmbio curto com diferencial autoblocante permitia acelerações de 0 a 100 km/h em 6,8 segundos.

Ficha Técnica – Civic VTi 1995
Motor 4 cilindros em linha de 1,6 litro, 160 cv a 7.600 rpm, 15,3 mkgf a 7.000 rpm
Câmbio manual de 5 marchas
Dimensões comprimento, 408 cm; largura, 169 cm; altura, 134 cm; entre-eixos, 257 cm; peso, 1.080 kg
Desempenho 0 a 100 km/h em 8,5 segundos, velocidade máxima de 211 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. André Pedro

    Ai fica a pergunta: Pq então a Honda cag…bou com o carro?