Clique e assine por apenas 8,90/mês

Honda Civic Si

Longe das ruas nacionais desde 2011, esportivo volta na forma de cupê

Por Ulisses Cavalcante | Fotos: Marco de Bari - Atualizado em 8 nov 2016, 18h02 - Publicado em 9 out 2014, 14h44
lancamentos

Fãs do Civic, a espera acabou. O novo Civic Si está entre nós. A estreia do modelo irá ocorrer durante o Salão do Automóvel, em São Paulo, e após a exibição o modelo estará à venda nas concessionárias. A Honda decidiu romper com a discrição do modelo descontinuado em 2011, e trouxe uma verdadeira “nave”, conforme a gíria de Facebook. Em vez do sedã, agora teremos o cupê, só com duas portas – ainda que o três-volumes esteja disponível nos Estados Unidos. Também não teremos produção local: o carro chega por aqui importado do Canadá. O preço não foi definido, mas deve ficar em torno de R$ 110000, valor suficiente para equipara-lo ao Volkswagen Golf – seu principal rival.

O motor é um 2.4 i-VTEC, conectado a uma transmissão manual de seis marchas (mesma opção do Civic vendido entre 2007 e 2011). A potência aumentou de 192 cv para 206 cavalos a 7000 rpm. A ousadia do exterior vem acompanhada de algums exageros estéticos, como a adoção de rodas 225/40 R18. Na traseira, um gigante aerofólio de série – o maior que o Civic já recebeu em toda a sua história.

Aliás, não haverá equipamentos opcionais, somente acessórios vendidos nas lojas. Completo de série, o comprador só escolherá entre as quatro cores disponíveis (laranja, vermelho, preto e branco).

Ao acelerar forte, um indicador no topo do painel sinaliza a atuação do controle variável de válvulas (i-VTEC). Quatro luzes vermelhas se acendem conforme o giro aumenta. Quando a rotação se aproxima do limite, um shift-light avisa ao motorista-piloto o momento de trocar a marcha. O som do motor se torna evidente na cabine, pois a marca caprichou no tratamento acústico. Do lado externo, é possível notar também o abafador traseiro destacado na parte inferior.

Continua após a publicidade

Na pista, o Civic Si foi de 0 a 100 km/h em 8,2 s. Não é um número ruim, mas o teste realizado com a geração anterior, em abril de 2007, registrou 7,9 segundos. Só para comparar, o Golf GTI completa a mesma prova em apenas 6,7 s. Além do turbo (o Civic é aspirado), o Volks também conta com a transmissão automatizada DSG.

Outra justificativa para o aumento no tempo é o peso: o novo Civic pesa 1359 quilos, 37 a mais que o anterior. Mas o peso extra compensa em forma de comodidade. Há câmera de ré, teto solar elétrico, piloto automático, seis airbags, sistema de som multimídia com uma tela sensível ao toque de 7 polegadas. Com esse tamanho, esse display se assemelha a um tablet.

Os engates de marcha são curtos e precisos, uma das principais qualidades do Civic. Os bancos de tecido são cobertos em dois tons, preto e vermelho, com costuras também vermelhas. No entanto, o formato concha da geração passada dava mais apoio ao corpo nas curvas.

A medição de consumo trouxe resultados medianos. Fizemos 8,9 km/l na cidade e 13,1 km/l na estrada, em quinta marcha. Utilizando a sexta, a média rodoviária aumentou para 14,3 km/l.

Publicidade