Fórum Direções 2017: estamos na era da gratificação instantânea

Presidente do Grupo Abril, Walter Longo, defende que mundo conectado se tornou mais efêmero e é necessário correr para não sair do lugar

Em sua palestra, Longo afirma que não basta utilizarmos as armas digitais, as empresas precisam ter alma digital Em sua palestra, Longo afirma que não basta utilizarmos as armas digitais, as empresas precisam ter alma digital

Em sua palestra, Longo afirma que não basta utilizarmos as armas digitais, as empresas precisam ter alma digital (Bio Foto/Quatro Rodas)

Na palestra de abertura do Fórum Direções QUATRO RODAS, o presidente do Grupo Abril, Walter Longo, falou sobre as mudanças que o mundo digital impõe às empresas, e deu exemplos de organizações que conseguiram se adaptar aos novos tempos.

Promovido nesta terça-feira (19), é a quarta vez que Quatro Rodas reúne alguns dos principais executivos do setor automotivo e de outras áreas ligadas à tecnologia e inovação.

Para a apresentação inicial, Longo afirmou que não basta utilizarmos as armas digitais. As empresas precisam ter alma digital.

Ou seja, estabelecer o zeitgeist – ações motivadas por ideais e crenças em um determinado momento. Para isso, são necessárias diversas transformações de comportamento, com mudanças na estrutura – incluindo o abandono de organizações hierárquicas tradicionais. E a troca de custos fixos por custos variáveis, diz o executivo.

Entre as mudanças citadas pelo presidente do Grupo Abril, Longo fala da efemeridade das relações. “O mundo conectado se tornou mais efêmero. Precisamos correr para não sair do lugar”, diz Walter Longo.

Mesmo entre empresas conectadas e ligadas às últimas tendências de comportamento, marcas surgem e desaparecem em ondas, sendo substituídas por novas “bolas da vez”.

“Estamos na era da gratificação instantânea. Esse é o nome do jogo”, afirma. “Um exemplo de indústria que entendeu bem essa nova realidade é a da moda. As “fast fashion” são coleções que não seguem mais as estações, como outono/inverno. A cada 15 dias há produtos novos”. Esse tipo de ação aumenta a exclusividade e atrai novos públicos.

Para exemplificar a necessidade de gratificação instantânea, a sociedade da efemeridade, Longo citou uma ação do Google, que entrega em até um dia os produtos que o cliente compra em determinadas lojas associadas. Como resposta, a Amazon apresentou um serviço de delivery que leva os produtos ao cliente em até uma hora.

Longo defende que os produtos evoluíram muito nas últimas décadas, principalmente os automóveis, porém os gestores não mudaram a forma de administrar. Ainda operam de forma analógica. Os pontos de venda (concessionários) não evoluíram na mesma medida que os veículos se modificaram.

A quarta edição do Fórum Direções debateu o futuro da indústria A quarta edição do Fórum Direções debateu o futuro da indústria

A quarta edição do Fórum Direções debateu o futuro da indústria (Bio Foto/Quatro Rodas)

Carros deveriam passar por upgrades em vez de revisões

Até pouco tempo, os produtos nasciam e morriam fazendo a mesma coisa. Agora eles evoluem durante a sua vida útil, adquirindo novas funções. O automóvel também poderia adquirir novos atributos no decorrer do tempo.

As revisões deveriam ser upgrades. Ou seja, levar evoluções ao cliente. Isso faria com que visitas às concessionárias se tornassem ótimas experiências. “A gente deveria estar indo a uma concessionária da mesma forma que vamos a uma Apple Store”, diz.

Segundo o presidente, quando o cliente compra um carro, ele estabelece uma relação com a marca. E se for cultivada, com um bom atendimento da rede de concessionarias, pode ser longa e prazerosa.

As mulheres deveriam assumir mais os cargos de liderança

De acordo com Longo, as mulheres estão mais aptas que os homens para protagonizar nesse ambiente digital. “Os homens são analógicos e mulheres digitais. Eles se dão melhor no ambiente competitivo e elas tem mais senso de comunidade, de trabalho em equipe”, afirma.

Temos que abrir a gestão das grandes empresas para mulheres se quisermos passar por essa nova realidade digital.

Walter Longo: as mulheres estão mais aptas para protagonizar nesse ambiente digital Walter Longo: as mulheres estão mais aptas para protagonizar nesse ambiente digital

Walter Longo: as mulheres estão mais aptas para protagonizar nesse ambiente digital (Bio Foto/Quatro Rodas)

As empresas deveriam se inspirar no circo para adotar modelos de gestão

“Não existe nenhuma organização tão adaptável ao mercado quanto ao circo. Afinal quando o público já não corresponde a expectativa, o circo muda de cidade e também de espetáculo”, diz Longo.

Segundo ele, devemos mexer em time que está ganhando. E essa é a essência de como atuar de maneira efêmera. “Um bom exemplo dessa gestão é o Cirque du Soleil, que leva um espetáculo diferente a cada cidade. Em cada temporada, volta com um show diferente, ainda que o anterior permaneça atraindo público. É a ânsia pela novidade que move essa nova sociedade e quem souber surpreender o seu público crescerá muito”, finaliza Longo.

 (./Quatro Rodas)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s