Ford sabia de falhas do câmbio Powershift antes de lançar Fiesta e Focus

Documentos divulgados por jornal americano mostram que engenheiros relataram falhas na caixa, mas marca ainda assim decidiu lançar os modelos

Ford Fiesta Titanium Ford Fiesta

Ford Fiesta (Divulgação/Ford)

O jornal Free Press, sediado em Detroit (Estados Unidos), publicou na última semana uma reportagem que mostra, a partir de documentos obtidos pela publicação, que a Ford tinha ciência dos problemas relacionados do câmbio Powershift mesmo antes de colocar à venda as penúltimas gerações do compacto Fiesta e do médio Focus.

A empresa lançou os modelos ao mercado em 2010 e 2011, respectivamente, nos EUA. Desde então se tornaram comuns reclamações a respeito de rápido desgaste interno da caixa, além de aceleração repentina, lentidão nas trocas de marchas e trepidações.

O jornal americano analisou 72 arquivos (somando e-mails, documentos internos e judiciais), e constatou que mesmo após os avisos dos advogados da empresa, engenheiros e gerentes, a Ford se recusou a fazer mudanças na caixa DPS6 (código interno), fornecido pela Getrag (empresa especializada em sistemas de transmissão e que tem a Ford como uma das proprietárias).

Além disso, as concessionárias eram orientadas a dizer aos clientes que eventualmente fizessem alguma reclamação que os carros funcionavam normalmente.

Hoje rodam pelas vias americanas cerca de 1,5 milhão de veículos da marca com o câmbio Powershift. A Ford acumula ações coletivas nos EUA, que alegam que os clientes foram defraudados e apesar das negações da Ford, há também ações coletivas na Austrália e Tailândia.

A origem do problema

Em agosto de 2010, seis meses antes do lançamento da nova geração do Focus nos EUA, o engenheiro de desenvolvimento de produtos, Tom Langeland, enviou um e-mail interno relatando que o câmbio Powershift apresentava uma “desagradável trepidação”.

Outro correio eletrônico, enviado por Craig Renneker, diretor de engenharia de transmissão, para Richard Bonifas, gerente de atendimento ao cliente da fábrica da marca em Dearborn, Michigan, recomendava que unidades do Focus fossem encaminhadas às concessionárias mesmo assim, independentemente das falhas detectadas:

“Os veículos Focus equipados com a transmissão DPS6 podem sofrer uma trepidação no arranque ou enquanto reduzem [a velocidade] até parar. Vamos enviar os veículos aos concessionários com o nível de trepidação que temos atualmente e continuar os nossos esforços para uma resolução o mais rápido possível. Essa é apenas a minha opinião e não é popular.”

Os documentos também mostram que os advogados da Ford disseram aos engenheiros, ainda em 2008, que estavam preocupados com a segurança da tecnologia de dupla embreagem, devido a problemas de uso com a caixa DSG, da Volkswagen, na Europa.

Apurações internas da Ford e reclamações da NHTSA (Administração Nacional de Segurança no Trânsito dos EUA) mostram que muitos veículos equipados com DPS6 exibiram problemas imediatamente após serem comercializados.

Novo Ford Focus Ford Focus

Ford Focus (divulgação/Quatro Rodas)

Negação

Apesar dos avisos, a Ford insistiu em lançar os modelos com o Powershift, para em seguida pesquisar soluções a fim de aprimorá-lo.

Em 2012, a fabricante realizou uma análise confidencial e reconheceu que tomou atalhos para economizar dinheiro, comprometendo os protocolos de qualidade instituídos pelo então presidente-executivo, Alan Mulally.

No documento, também foi dito que “as transmissões seriam eliminadas e uma tecnologia diferente seria usada no futuro”. Entretanto, somente nos últimos dois anos os modelos começaram a trocar a caixa Powershift por sistemas automáticos com conversor de torque.

Isto porque, também em 2012, o engenheiro de sistemas, Tom Hamm, enviou um e-mail interno que dizia: “Não há conserto [para a caixa DPS6] neste momento. Temos uma força-tarefa trabalhando no problema, mas eles não identificaram nenhuma correção”.

Em 2014, a Ford recusou uma investigação formal sobre o tema, alegando que os “veículos nos quais o DPS6 foi instalado eram e permanecem seguros”, pois a direção é hidráulica e as outras funções do carro continuavam a trabalhar e, assim, não havia riscos de acidente. Por isso, nunca a fabricante realizou um recall global a respeito do tema.

Ainda assim, ações coletivas em diversos países estão em andamento, forçando a Ford a fechar acordos de reparo gratuito e extensão de garantia da caixa.

No Brasil, por exemplo, a Ford reconheceu as falhas do sistema e estendeu a garantia dos modelos envolvidos de três para cinco anos ou 160 mil quilômetros rodados.

Segundo um relatório interno de 2016, os gastos da Ford até 2020 “relacionados à qualidade” da caixa DPS6 poderão chegar a US$ 3 bilhões.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s