Clássicos: Ford Galaxie 500, o maior carro já produzido no Brasil

Grande e luxuoso, o Galaxie 500 continua sendo referência em conforto e rodar suave, 40 anos após o fim de sua produção

É o único full-size produzido no Brasil

É o único full-size produzido no Brasil (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Primeira indústria automobilística instalada no país, a Ford Motor Company Brasil Ltda. iniciou suas atividades há pouco mais de 100 anos, dedicando-se à montagem de veículos importados em kits.

Foram necessários quase 50 anos de operação para que o fabricante de Dearborn oferecesse seu primeiro automóvel nacional: o imponente Galaxie 500.

A ideia só amadureceu no governo Juscelino Kubitschek, em 1956, com o Grupo Executivo da Indústria Auto- mobilística (Geia).

Em 1958, a Ford fundia seu primeiro motor V8, em Osasco (SP), e pouco tempo depois apresentou o projeto de nacionalização do modelo Custom 300 1959, que só não prosperou devido a uma série de entraves burocráticos do Geia.

As linhas básicas do modelo americano de 1966 foram mantidas o Galaxie nacional até 1975

As linhas básicas do modelo americano de 1966 foram mantidas o Galaxie nacional até 1975 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O alinhamento ideológico e a simpatia do governo militar por investimentos estrangeiros viabilizaram a produção nacional do Galaxie 500.

A primeira aparição oficial do novo Ford ocorreu no longínquo 26 de novembro de 1966, data em que o marechal Castelo Branco conduziu oficialmente a abertura do quinto Salão do Automóvel de São Paulo.

Nenhum lançamento foi tão importante: tanto o Chrysler Esplanada quanto o Willys Itamaraty Executivo eram variações requentadas de projetos defasados.

Com 5,33 metros de comprimento, 2 metros de largura e 3 metros de entre-eixos, o Galaxie 500 foi um choque imensurável em um público acostumado à escola europeia representada por VW Fusca e Willys Gordini.

No lugar das pequenas calotas centrais, havia a opção de calotas integrais de alumínio polido

No lugar das pequenas calotas centrais, havia a opção de calotas integrais de alumínio polido (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Com índice de nacionalização acima dos 97%, o primeiro Galaxie 500 deixou a fábrica paulistana do bairro do Ipiranga em 16 de fevereiro de 1967, poucos dias antes da cerimônia oficial, apresentada pelo gerente geral John C. Goulden.

Entre as autoridades civis e militares, destacou-se o governador Abreu Sodré ao volante de um Galaxie 500 bege Terra.

Foi o primeiro automóvel nacional a oferecer o conforto da direção hidráulica: por trás do enorme volante estava o charmoso velocímetro em escala horizontal e a alavanca do câmbio de três marchas.

Os V8 de 4,6 litros e 164 cv impulsionava bem seus 1.780 kg, contidos por freios assistidos a tambor nas quatro rodas, sempre pintadas na cor da carroceria.

O motor V8 bloco Y de 4,8 litros

O motor V8 bloco Y de 4,8 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Além do bege Terra, havia mais sete tonalidades: vermelho Marte, verde Netuno, preto Sideral, cinza Cósmico, azul Infinito, azul Ágena e branco Glacial.

Conhecida como “saia e blusa”, a opção da pintura em dois tons trazia a capota sempre pintada de branco Glacial. No lugar das pequenas calotas centrais, havia a opção de calotas integrais de alumínio polido.

Ar-condicionado era um os opcionais mais desejados

Ar-condicionado era um os opcionais mais desejados (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os bancos inteiriços de vinil acomodavam seis ocupantes e foram oferecidos nas cores preto, bege, azul ou vermelho.

A transmissão automática Ford-O-Matic seria oferecida apenas em 1969 na luxuosa versão LTD e logo disponibilizada para o Galaxie 500, sempre acoplada a um novo V8 de 4,8 litros e 190 cv. O ar-condicionado era outro opcional bem-vindo.

O modelo 1970 foi marcado pela chegada do Galaxie, que perdeu o sufixo “500” e uma série de comodidades para encarar os recém-chegados Chevrolet Opala e Dodge Dart.

Em 1971, o LTD virou LTD Landau, com vidro traseiro de menores dimensões e a coluna traseira decorada por um adorno que simulava a dobradiça da capota de uma carruagem.

O porta-malas que leva 700 litros

O porta-malas que leva 700 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Freios a disco foram adotados em 1972 e as lanternas trapezoidais surgiram no ano seguinte. A primeira e última mudança significativa veio em 1976: faróis na posição horizontal inseridos na grade e piscas deslocados para as extremidades.

A traseira ganhou lanternas de seis luzes, com a ré no para-choque, e o V8 passou a ser o Windsor de 5 litros e 199 cv, o mesmo do Maverick.

Pneus radiais, para-brisa laminado e cintos de segurança retráteis estiveram entre os últimos melhoramentos do Galaxie 500, cuja produção foi encerrada em 1979.

O irmão mais requintado, LTD, foi descontinuado em 1981 e o topo de linha, Landau, em 1983: continuam invictos em espaço interno e conforto de rodagem até os dias atuais.

Ford Galaxie 500
Motor: Longit., V8, 4.785 cm3, 16V, comando de válvulas simples no bloco, carburador duplo; 190 cv a 4.600 rpm; 37 mkgf a 2.600 rpm
Câmbio:  Manual de 3 marchas, tração traseira
Dimensões:  Comprimento, 533 cm; largura, 200 cm; altura, 146 cm; entre-eixos, 302 cm; peso, 1.780 kg
Pneus: 7.75 x 15
Desempenho: Aceleração de 0 a 100 km/h em 13 segundos e velocidade máxima de 160 km/h (Números da QUATRO RODAS de Novembro de 1970)
Consumo: 3,7 km/l a 5,8 km/l na cidade e 6,7 km/l a 100 km/h (Números da QUATRO RODAS de Novembro de 1970)
Preço: Cr$ 52.147 (jan/72) – Atualizado: R$ 249.700 (IGP-DI/FGV)

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Marcelo Nunes

    Algumas destas reportagens especiais são até irritantes de ler por causa da quantidade de erros. Parece que simplesmente nem leem as edições antigas da própria Quatro Rodas antes de escrever. Mas esta foi uma agradável exceção. Matéria precisa , clara e bem escrita. Só peca em uma legenda, a do porta malas. O Galaxie jamais teve um volume de 500 litros para bagagens. Aí sim faltou ler as revistas antigas.