Diversão por até R$ 35 mil

Pelo preço de um popular 0 km, veja opções de modelos usados bons de dirigir

usado usado

usado (/)

Com 35 mil reais em mãos você pode levar um modelo de entrada para a sua garagem. Mas… se você é daqueles que tem o prazer ao dirigir como uma prioridade, com essa verba é possível encontrar veículos o mercado de usados mais prazerosos e divertidos de dirigir (e, muitas vezes, com cavalos adicionais debaixo do capô), se comparado a um modelo 1.0 novo. Pensando nesses entusiastas, elaboramos a lista a seguir.

Não custa lembrar que adquirir um automóvel usado demanda boa dose de atenção e algumas precauções específicas – aqui você pode encontrar algumas dicas. Sendo um automóvel de procedência e bem cuidado, ele pode demandar, durante alguns anos, apenas trocas de óleo e manutenções periódicas.

Abaixo, a nossa seleção de sugestões:

BMW 328i (1997 a 2000) – A partir de R$ 27.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 28.671,00 a R$ 36.120,00

Para os entusiastas pela configuração de motor dianteiro e tração traseira, é possível colocar na garagem uma BMW 328i 1999 por a partir de R$ 27.000. Seu motor 2.8 24V seis cilindros em linha é capaz de gerar 193 cavalos de potência e 25,5 mkgf de torque, além de ronco grave e encorpado — característica que serve como um estimulante para quem aprecia esportividade ao conduzir.

O 328i não é o mais rápido entre os modelos da BMW, mas pode ser considerado uma barganha nas relações custo/desempenho e também custo/diversão de dirigir, pelo valor de mercado atual. Além do bom desempenho, a dirigibilidade em função da tração traseira e da carroceria bem equilibrada são marcantes.

Chevrolet Astra Advantage (2011) – A partir de R$ 25.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 28.833

astra.jpeg astra.jpeg

astra.jpeg (/)

A última edição do Chevrolet Astra não era voltada para a esportividade, enquanto seu interior também já sentia consideravelmente o peso da idade quando deixou a linha de produção em 2011. Mas, por outro lado, o três volumes da GM oferece características notavelmente positivas para quem aprecia digiri.

O nível de conforto, assim como o espaço interno e área do porta-malas do Chevrolet agrada, assim como o nível de equipamentos. O Astra também é estável, mas o destaque vai para o motor 2.0 8V, capaz de produzir 140 cv e 19,7 mkgf de torque quando abastecido com etanol, e 133 cv e 18,9 mkgf com gasolina.

Na prática, além do funcionamento suave e linear, as acelerações e retomadas são boas, se levarmos em conta a idade do projeto. Somando essas características com a fama que a Chevrolet tem de construir modelos duradouros, o Astra Advantage torna-se uma opção válida nesse quesito. Não é o mais rápido em aceleração ou curvas, mas é notavelmente melhor que um modelo popular nesses quesitos.

Fiat Marea Turbo (2002 a 2007) – R$ 23.000 a R$ 33.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 19.694 a R$ 30.125

marea-turbo.jpeg marea-turbo.jpeg

marea-turbo.jpeg (/)

Quando o assunto é “prazer ao dirigir por até R$ 35.000”, o Fiat Marea Turbo não poderia ficar fora da lista. Seu motor 2.0 20V cinco cilindros emite um distinto ronco grave e encorpado, e a turbina começa a mostra força vigorosa (para um veículo original da época) pouco antes das 3.000 rpm, durante as acelerações plenas. É um veículo divertido de conduzir, confortável, com boa lista de itens de série e porta-malas satisfatório.

Popularmente, o Fiat Marea sofre com a reputação de não ser um veículo confiável. Essa é uma questão complexa, uma vez que há “dois lados” para tudo. A manutenção do modelo, por exemplo, não é das mais acessíveis, e a engenharia da marca italiana não facilitou a vida dos mecânicos com o espaço apertado no cofre do motor — tornando a tarefa de trocar a correia dentada, por exemplo, um pesadelo para os mecânicos e o bolso do consumidor.

O outro lado da moeda é que, mais de uma década à trás, o consumidor brasileiro, de um modo geral, era menos preocupado com revisões e troca de óleo do veículo, bem como se importava menos com a qualidade do combustível que abastecia seus automóveis — o que invariavelmente facilitava a danificação do motor.

Fiat Punto T-Jet (2011 até os dias atuais) – A partir de R$ 34.000

Preço da Tabela Fipe: a partir de R$ 42.340,00

punto-tjet.jpeg punto-tjet.jpeg

punto-tjet.jpeg (/)

Um Fiat Punto T-Jet 2011 já pode ser encontrado por cerca de R$ 34.000 no mercado, e é uma boa opção para quem procura um carro moderno, bem equipado e divertido de dirigir. O maior destaque do hatch encontra-se no comportamento dinâmico: o conjunto de chassi, suspensão e direção tem ótimo acerto, tornando-o muito agradável de dirigir. Para completar, a posição de dirigir e a empunhadura do volante são ótimos.

Em termos de praticidade, o Punto oferece espaço suficiente na dianteira, mas deixa a desejar no banco traseiro e na área do porta-malas.

O motor 1.4 16V T-Jet é bom em médios giros, mas falta um pouco de força em baixas rotações. Os 152 cv e 21,1 mkgf de torque produzidos pela unidade sobrealimentada é o equivalente ao que um propulsor 2.0 16V aspirado convencional gera atualmente. Isso significa que essa versão esportiva do Punto é esperta, mas não chega a surpreender nas acelerações ou retomadas. É uma ótima alternativa.

Ford Focus GLX (2009 a 2013) – A partir de R$ 31.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 32.322 a R$ 44.247

ford-focus.jpeg ford-focus.jpeg

ford-focus.jpeg (/)

Assim como o Chevrolet Astra Advantage, o Ford Focus GLX foi concebido para ser versátil e prático para o dia-a-dia, mas também tem características que agradam os motorista que apreciam dirigir. O maior destaque do hatch médio é a sua suspensão, com ótimo acerto entre conforto e estabilidade. A dirigibilidade é o seu maior destaque, seguida pela boa posição de dirigir.

Inicialmente o motor Duratec 2.0 16V do Focus aceitava somente gasolina como combustível, e disponibilizava até 145 cv e 18,9 mkgf de força. Quando passou a aceitar gasolina e etanol, os dados de desempenho mudaram para 143 cv e 18,8 mkgf e 148 cv e 19,5 mkgf, respectivamente. O motor não é dos mais fortes em baixas rotações, mas agrada em altos e médios giros.

Ford Ka 1.6 (2011): de R$ 19.000 a R$ 23.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 20.916

Desde que foi lançado no Brasil, em 1997, o Ford Ka se destacou pela dirigibilidade, embora o design delicado sugerisse e comportamento tranquilo. Com entre-eixos curto, suspensão bem ajustada e baixo peso, o compacto realiza curvas com notável destreza. Na segunda geração, o Ka foi vendido com a opção do motor 1.6 Zetec Rocam até 2011. E é essa a melhor opção para adquirir, levando em conta o custo/diversão.

Por valor que varia entre R$ 19.000 e R$ 23.000, o Ka 1.6 2011 gera 108 cv e15,3 mkgf de torque com etanol ou 102 cv e 14,6 mkgf quando gasolina ocupa o reservatório de combustível. O desempenho não é surpreendente, mas o baixo peso (968 kg) e a suspensão bem acertada o tornam um veículo muito prazeroso de dirigir. Tudo por um custo consideravelmente baixo.

Honda Civic VTi (1993 a 1998) – de R$ 28.000 a R$ 35.000

Preço da Tabela Fipe: 16.283 a R$ 27.606

honda-civic-vti-3-620x386.jpeg honda-civic-vti-3-620×386.jpeg

honda-civic-vti-3-620×386.jpeg (/)

A tabela Fipe divulga preço médio entre R$ 16.283 e R$ 27.606 para as versões 1993 e 1997, respectivamente, do Honda Civic VTI. Mas, na prática, o hatch pode ser encontrado no mercado por entre R$ 22.000 a R$ 35.000. E é fácil a supervalorização desse clássico modelo da marca japonesa.

Embora a posição de dirigir e o design interno do já evidenciem a idade do projeto, poucos hatch são capazes de oferecer experiência ao dirigir tão instigantes quanto o Civic VTi. A agilidade para realizar mudanças de direção surpreende, os freios são bons para a idade do projeto, e o motor 1.6 16V VTEC impressiona até mesmo nos dias de hoje: mesmo aspirado, são 160 cv a 7.600 rpm, 15,3 mkgf a 7.000 rpm na versão que começou a ser vendida no Brasil, em 1993.

Embora o torque gerado pelo propulsor possa ser considerado baixo, perante os motores soberalimentados atuais, as relações de marcha do câmbio do Honda são curtas, ajudando a oferecer retomadas boas. Mas essa linha de motores foi desenvolvida para trabalhar em altas rotações. É próximo do limite de giros, nas 8.200 rpm, que o hatch torna-se um carro extremamente instigante e divertido de dirigir. É um dos modelos mais divertidos que podem ser adquiridos com até R$ 35.000.

Volkswagen Golf GTI (1998 a 2005) – de R$ 20.000 a R$ 34.000

Preço da Tabela Fipe: 19.152 a R$ 22.342

00166109_8a4h2c0h4b.jpeg 00166109_8a4h2c0h4b.jpeg

00166109_8a4h2c0h4b.jpeg (/)

Se comparado ao Honda Civic VTi, a quarta geração do Volkswagen Golf GTI pode ser considerada menos instigante de dirigir: seu motor trabalha muito mais silenciosamente e ele não muda de “personalidade” conforme suas revoluções aumentam — o que não é um ponto positivo ou negativo, e sim uma característica de projeto. Mas a força do motor 1.8 20V turbo colocará um sorriso nos motoristas mais preocupados em acelerar rápido e atingir altas velocidades.

A quarta geração do Golf GTi começou a ser vendido no Brasil em 1998. Inicialmente, seu motor sobrealimentado gerava 150 cv e 21,4 mkgf de torque, rendimento que posteriormente passou para (mais divertidos) 180 cv e 24,5 mkgf . A ótima dose de força em baixíssimas rotações o torna um carro ágil e prazeroso de dirigir, especialmente nas retomadas. O ótimo acerto da suspensão também agrada pelo bom nível de conforto e estabilidade em curvas.

A quarta geração do Golf GTI pode ser encontrada no mercado por entre R$ 20.000 e R$ 34.000. Além do bom desempenho e equilíbrio dinâmico, seu destaque vai para a ótima posição de dirigir, acabamento e design interno, além de boa lista de itens de série.

Volkswagen Jetta 2.5 (2006) – A partir de R$ 32.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 35.607 a R$ 60.426

00698432_3b1d7b0h5g.jpeg 00698432_3b1d7b0h5g.jpeg

00698432_3b1d7b0h5g.jpeg (/)

O Volkswagen Jetta oferece uma série de características que evidenciam a sua tendência à esportividade, a começar pelo design, com linhas agressivas. Na cabine, os bancos apoiam bem o corpo, a posição de dirigir é ótima, assim como a empunhadura do volante e a leitura do painel de instrumentos.

Ao dirigir, nota-se que, apesar da direção hidráulica, o volante tem peso médio, e que a suspensão é firme, privilegiando a dirigibilidade do sedã. O câmbio automático de seis marchas responde bem quando as trocas são solicitadas, os freios passam segurança, e o motor 2.5 cinco cilindros agrada pela quantidade de força em retomadas, bem como o ronco distinto. É um veículo muito bem equilibrado.

Subaru Forester 2.0 Turbo (2001) – A partir de R$ 27.000

Preço da Tabela Fipe: R$ 26.014

01000132_4h4i3c6c3f.jpeg 01000132_4h4i3c6c3f.jpeg

01000132_4h4i3c6c3f.jpeg (/)

Câmbio manual, tração integral, motor 2.0 turbo de 177 cv e 25 mkgf de torque, e espaço de sobra para viajar com a família. Esse é o Subaru Forester 2.0 Turbo 2001, modelo desenvolvido para ser prático e trafegar sem dificuldades por terrenos com baixo nível de aderência, sempre com ótimo desempenho quando exigido.

Além do sistema de tração integral, o equilíbrio do Forester é uma característica notável. E, quando em marcha, o ronco do motor boxer é agradável pelo tom grave. A seu favor, ainda conta a boa reputação de durabilidade da marca. Trata-se de uma boa opção para quem tem família e necessita de espaço, mas não quer deixar de se divertir ao volante.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s