Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Correio Técnico: caminhão pode usar óleo de cozinha como combustível?

Leitor de QUATRO RODAS questiona a possibilidade após ver um vídeo na internet

Por Rodrigo Ribeiro 4 dez 2018, 14h44
Os motores a diesel estão cada vez mais “sensíveis” Acervo/Quatro Rodas

Na greve dos caminhoneiros, vi modelos antigos com motor a diesel usando óleo de cozinha como combustível. Como isso é possível? Vinicius de Andrade Rossello, São Paulo (SP)

Porque alguns veículos antigos a diesel são mais tolerantes com certos combustíveis menos ortodoxos. “Isso pode ocorrer em motores equipados com câmaras de pré-combustão, que são menos eficientes do que os conjuntos modernos”, explica Francisco Nigro, engenheiro e conselheiro da SAE Brasil.

Mas tentar algo parecido em um modelo atual é garantia de prejuízo. “Como o óleo de cozinha é mais grosso, ele pode até travar as partes móveis do motor, além de danificar os bicos injetores de alta pressão”, conclui Nigro.

Caminhões mais antigos têm maior tolerância a combustíveis alternativos Acervo/Quatro Rodas

Os veículos atuais a diesel são tão sensíveis que mesmo o uso de combustível com mais enxofre (os antigos S500 e S50) podem danificá-los. Isso acontece porque a queima desse diesel gera mais material particulado, que pode entupir o filtro de partículas que equipa os modelos.

Continua após a publicidade

As novas tecnologias para reduzir emissões, como a injeção de Arla 32, também exige o uso do diesel de alta qualidade, chamado de S10. Apesar de ser mais caro, ele é mais eficiente e permite uma melhora no consumo de combustível do veículo.

Diferentão

O motor a diesel dispensa a vela de ignição Acerva/Quatro Rodas

O motor a diesel trabalha com altíssimas taxas de compressão, com relação por vezes superior a 15:1. Isso permite que a mistura ar-combustível entre em combustão sem a necessidade da centelha de uma vela.

Só que isso exige componentes reforçados para lidar com a maior energia provocada pela explosão, tornando as peças mais pesadas e limitando a rotação máxima do motor.

Outra característica do diesel é que ele também tem propriedades lubrificantes. Por isso motores deste ciclo exigem uma série de adaptações para queimar outros combustíveis.

Caminhões a etanol, como os que a Scania desenvolveu no Brasil para aplicações específicas, usam aditivos junto ao biocombustível para que o motor originalmente projetado para o diesel possa funcionar normalmente.

Continua após a publicidade

Publicidade