Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Como no passado, carros seminovos estão custando mais que os zero-km

Parece impossível, mas esta não é a primeira vez que um usado vale mais que um novo no Brasil

Por Gabriel Monteiro Atualizado em 28 abr 2021, 00h14 - Publicado em 28 abr 2021, 08h00
As picapes, com destaque para a Fiat Strada, valorizaram bem
As picapes, com destaque para a Fiat Strada, valorizaram bem Fernando Pires/Quatro Rodas

O mercado brasileiro está na contramão do consenso de que automóveis são bens passivos e sujeitos à desvalorização. A atual situação do setor automotivo no país gera hoje um fenômeno esperado, mas nem por isso menos inusitado: seminovos com preços maiores que modelos zero-km.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

Um levantamento da KBB Brasil apontou que, dos dez carros mais vendidos em fevereiro, metade apresenta média de variação positiva para seminovos. O grande destaque vai para os modelos Fiat Strada (3,37%), Volkswagen T-Cross (2,87%) e Chevrolet Onix Plus (2,43%).

Como anunciado anteriormente, o fenômeno é relativamente simples de compreender e segue um dos conceitos mais antigos e disseminados no mercado financeiro: a lei da oferta e da procura.

Falta de insumos, queda no volume produzido, filas de espera nas lojas em alguns casos e até o reposicionamento de modelos, com a redução de equipamentos, fazem com que a oferta de seminovos se valorize.

Continua após a publicidade
  • Só no mês de abril, sete fabricantes anunciaram a paralisação total ou parcial de suas produções, motivadas pela falta de peças e pelas novas medidas restritivas. Dentre elas, Fiat, Toyota, Volkswagen, Chevrolet e Renault. Aliada aos ínfimos estoques, que no começo do mês contemplam apenas 18 dias de vendas, cria-se um ambiente perfeito para o mercado paralelo de usados.

    Um dos segmentos que mais chamaram a atenção foi o das picapes (de todos os tamanhos). Dos 11 modelos analisados pela KBB, sete possuem variação positiva dos preços, que podem chegar aos 3,51% (Strada).

    O movimento chama a atenção por historicamente o público desses produtos se posicionar em um setor menos afetado pela crise (agronegócio). Mesmo com os altos preços, a demanda continua muito grande. Com a taxa Selic cravada nos 2,75% ao ano, é uma boa ideia dar uma olhada na garagem em busca de um investimento mais rentável.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa Quatro Rodas 744 Abril 2021

    Continua após a publicidade
    Publicidade