Última perua generalista do Brasil, Fiat Weekend pode estar perto da morte

Novas normas que devem ser seguidas em 2020 podem deixar a produção do modelo inviável

A perua chegou a ter uma versão com câmbio de seis marchas

A perua chegou a ter uma versão com câmbio de seis marchas (Acervo/Quatro Rodas)

Nesta semana, mais uma perua deixou o mercado. Depois da chegada dos SUVs populares ao Brasil, a categoria passou a contar os dias para ver o fim de seus rivais.

A última a ser abatida foi a Volkswagen SpaceFox, lançada em 2006 e que teve o fim da produção formalizado este mês. Agora, a Fiat Weekend caminha sozinha carregando a bandeira do segmento. Mas até quando?

Lançada há 22 anos, a perua nasceu ainda carregando o nome do hatch do qual derivava. Surgindo no auge das “station wagon”, a então Palio Weekend tinha duas versões de motores, um 1.5 8v de 76 cv e um 1.6 16V de 106 cv.

As linhas mais arredondadas e o bom porta-malas atraíam as atenções e rapidamente a perua ganhou o mercado, pegando da Volkswagen Parati o topo de vendas do setor.

Em 1998, um ano depois de sua chegada, o veículo se tornou pioneiro (ao lado do Siena) ao ser equipado com câmbio de seis marchas, forma encontrada pela Fiat para aplicar o motor 1.0 na dupla.

Porém, foi no ano seguinte que a marca inovou, dando à perua uma nova versão: Adventure.

Primeira Adventure, pioneira no segmento off-road para carros populares

Primeira Adventure, pioneira no segmento off-road para carros populares (Acervo/Quatro Rodas)

A ideia de um veículo aventureiro leve com base em carro de passeio foi uma ideia revolucionária não apenas para o território nacional, mas em âmbito mundial.

A prova disso é que todas as marcas generalistas passaram a criar modelos aventureiros após a chegada da perua “fora de estrada”.

O Adventure tinha suspensão elevada, pneus de uso misto, estribos, quebra-mato e faróis de longo alcance. Itens típicos de um veículo off-road, como tração integral e reduzida, ficaram de fora das mudanças.

O século virou, e no primeiro ano muito se falava de uma nova geração da família Palio. Tanto que algumas projeções foram feitas por QUATRO RODAS para a atualização que chegou em 2001.

Desenhado pelo renomado designer italiano Giorgetto Giugiaro, o veículo manteve as linhas tradicionais mas recebeu alterações nos faróis, lanternas e grades.

Além disso, passou a ser equipado com o novo motor 1.3 Fire de 16 válvulas e 80 cv, que era mais tecnológico que os 1.0 e 1.5 disponibilizados antes pela marca até então.

Fiat palio weekend A segunda reestilização agradou pela dianteira, mas nem tanto pela traseira e suas polêmicas lanternas estendidas

A segunda reestilização agradou pela dianteira, mas nem tanto pela traseira e suas polêmicas lanternas estendidas (Divulgação/Fiat)

Passaram três anos e a Fiat mudou novamente a perua. O desenho da carroceira foi mantido, mas faróis, grades, e pára-choque dianteiro, com nova moldura preta, foram renovados. Na traseira, a tampa do porta-malas tinha ficado maior e tinha um puxador para facilitar a abertura. A lanterna também cresceu e tinha uma parte na tampa traseira.

No mesmo ano, a perua recebeu uma nova motorização. Os motores flex acabavam de chegar ao mercado e a Fiat tratou de dar ao veículo novos propulsores: 1.3 8V de 70/71 cv e 1.8 8V de 106/110 cv — este último desenvolvido e fabricado pela GM.

Além disso, a perua tinha como opcionais sensores de chuva, acendimento automático dos faróis, air bags laterais, CD player com MP3, computador de bordo e até banco do motorista com ajuste elétrico.

Em 2005, o Weekend ganha o motor 1.4 Flex de 80/81 cv e 12,2/12,4 mkgf para equipar a versão ELX. No ano seguinte, chega o motor 1.8 Flex que rendia 112/114 cv e 17,8/18,5 mkgf.

Porém apenas em 2008, na sua quarta atualização, que a Palio Weekend teve sua principal modificação. Desta vez, faróis, grade e moldura dos faróis auxiliares eram trocados, o capô ganhava vincos e as portas ganhavam novos vincos.

Na traseira, pouco mudou, a tampa seguia grande e com o puxador, as lanternas perderam o formato ‘panetone’ e ficaram finas e horizontais.

Com 22 anos de vida, a Weekend é a única perua compacta à venda no Brasil

Com 22 anos de vida, a Weekend é a única perua compacta à venda no Brasil (Fiat/Divulgação)

A grande mudança ficou com a integração do sistema Locker na linha Adventure, que era composto por um bloqueio eletrônico do diferencial limitado a até 20 km/h.

No próximo ano, a linha Palio ganhava o novo câmbio automatizado Dualogic e o Weekend tem uma nova versão lançada: Trekking 1.8 Flex.

Ainda em 2009, a Fiat inova e lança um protótipo elétrico da perua. Alimentada com uma bateria de sódio, ele tinha uma autonomia de 120 km e a recarga completa era feita em oito horas em tomadas de 220 V. Seu uso era exclusivo da Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR).

O motor gerava 20 cv e torque máximo de 5,1 mkgf, permitindo ao modelo acelerar de 0 a 60 km/h em 9 segundos, com máxima de 100 km/h. Dois anos mais tarde, o veículo participou da primeira expedição brasileira de carro 100% elétrico.

Em 2010, as versões ELX e HLX são substituídas pela Essence, que troca os motores 1.8 da GM pelos E.TorQ 1.6 16V e 1.8 16V.

A versão atual já tem data para acabar

A versão atual já tem data para acabar (Divulgação/Quatro Rodas)

Três anos depois a perua ganha sua última grande atualização. A grade frontal fica paralela a linha do capô e a tomada de ar são modificados, ganhando novas molduras para o farol de neblina. Para a versão Adventure, também houve mudança. Ao invés de duas barras na grade frontal, o veículo passou a contar com apenas uma.

Em 2015 veio a última mudança. Com o fim da produção do Palio, a perua ganha identidade própria, perdendo o nome do hatch e passando a se chamar somente “Weekend”.

O modelo não recebeu nenhuma reestilização nos últimos seis anos e convive com suas linhas desatualizadas e uma plataforma lançada em 1996.

Se a Fiat não se mover para atualizar o veículo para o ano que vem, a data final é 31 de dezembro de 2019. Isso porque, em 2020, será obrigatório que os veículos saiam de fábrica com cintos três pontos e encostos de cabeça para todos os ocupantes e pelo menos um sistema de ancoragem para cadeirinhas Isofix.

Entre os novos itens, o sistema de fixação de cadeirinhas é o que pede maior esforço e investimento. Para que seja validade, ele precisa ser aprovado em uma série de testes de colisão, o que demanda um alto investimento da fabricante para um veículo que vendeu apenas 2.552 unidades até setembro deste ano, o que se tornaria inviável.

Atualmente o veículo pode ser encontrada em duas versões. A Attractive 1.4 flex parte de R$ 67.990 e a Adventure 1.8 flex parte de R$ 85.990.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s