Clássicos: por que o Alfetta GT é um dos Alfa Romeo mais amados até hoje

Com motores de quatro, seis e oito cilindros, cupê aliou design e espaço interno para se tornar um dos modelos mais venerados da marca

Um dos desenhos mais belos de Giugiaro

Um dos desenhos mais belos de Giugiaro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Giulia Sprint GT de 1963 foi um dos mais belos carros criados por Giorgetto Giugiaro para a Alfa Romeo, mas estava longe de ser prático: o espaço era limitado a um casal e duas crianças (bem) pequenas.

Foi pensando nisso que o fabricante de Milão apresentou o versátil Alfetta GT em 1974.

Também obra de Giugiaro, o cupê trazia uma bonita carroceria de dois volumes com queda suave do teto para acomodar quatro adultos e um considerável espaço para bagagem.

Essa racionalização do espaço interno era resultado da plataforma dividida com o Alfetta Berlina, moderno sedã lançado em 1972.

O conta-giros é o único instrumento por trás do volante. Câmbio e pedais perfeitamente posicionados

O conta-giros é o único instrumento por trás do volante. Câmbio e pedais perfeitamente posicionados (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Tecnicamente, era mais refinado que o badalado Alfa Montreal: o câmbio junto ao eixo traseiro melhorava a distribuição de peso entre as rodas e o defasado eixo rígido deu lugar a um tubo DeDion acoplado a um paralelogramo de Watt.

A redução do peso não suspenso era reforçada pelos discos de freio internos, ao lado do câmbio. Já a suspensão dianteira trazia braços duplos paralelos e barra de torção.

Teto em queda suave: ótima aerodinâmica e espaço interno

Teto em queda suave: ótima aerodinâmica e espaço interno (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mas o motor tinha 20 anos de estrada: o 1.8 com duplo comando de válvulas e câmaras hemisféricas de 122 cv levava o Alfetta GT a 188 km/h. Esse motor deu lugar, em 1976, ao 1.6 de 108 cv (GT) e ao 2.0 de 122 cv (GTV 2000).

A aerodinâmica eficiente garantia boa velocidade final: 180 km/h para o GT 1.6 e 194 km/h para o GTV, que ia de 0 a 100 km/h em 9,7 s e oferecia acabamento mais requintado.

Motor de quatro cilindros

Motor de quatro cilindros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Um pedido do importador alemão levou em 1977 a divisão Autodelta a fazer 20 unidades do GTV 2.6 V8.

Usando o motor do Montreal, os 200 cv atingiam 230 km/h e um 0 a 100 km/h de 7,5 s. Melhor que o GTV 2000 L de 1978, recalibrado para 130 cv.

Em 1979, o GTV tornou-se o primeiro carro italiano com turbo: foram produzidas 400 unidades do 2000 Turbodelta, só para homologá-lo no Grupo 4 da FIA.

Com a turbina KKK, seu 2.0 chegava a 175 cv, mas o resultado nas pistas não foi satisfatório devido à baixa confiabilidade mecânica.

A segunda fase do cupê se inicia em 1980 com para-choques de plástico preto e o abandono da denominação Alfetta: o GTV 2.0 passa a ser o modelo de entrada e o GTV6 2.5 recebe o sonoro V6 com injeção eletrônica e 160 cv.

O bom torque de 21,7 mkgf a 4.000 rpm colaborava para o 0 a 100 km/h de 8,8 s e a máxima de 209 km/h.

Em teoria, há espaço para quatro adultos

Em teoria, há espaço para quatro adultos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O retorno da Alfa à F1 foi celebrado em 1981 com o GTV 2000 Grand Prix, sempre vermelho, com apêndices aerodinâmicos e rodas Campagnolo aro 15 em pneus 195/60. Dos 650 carros, 250 foram para a Itália, 200 à França e 200 ao resto da Europa.

O GTV6 teve séries memoráveis: em 1982, a Balocco e a Maratona, só para os EUA, além da Grand Prix, para Alemanha, França e Suíça.

Apesar das virtudes, o mais rápido dos GTV6 nunca foi fabricado na Itália. Isso ficou a cargo da África do Sul, que, com a Autodelta, produziu em 1984 cerca de 200 GTV6 3.0.

Destinado a corridas, o V6 Busso cresceu para 3 litros e seis carburadores para render 186 cv. O desempenho era notável: 0 a 100 km/h em 8,3 s e velocidade máxima de 225 km/h.

As últimas unidades do cupê deixaram a fábrica de Arese em 1987. Ainda hoje ele é saudado pelos puristas: foi um dos últimos Alfa com a reverenciada tração traseira, característica eliminada após a Fiat assumir o controle da marca, em 1986.

Ficha técnica – Alfa Romeo Alfetta GT 1976

  • Motor: 4 cilindros em linha, 2 litros, 116 cv a 5.500 rpm, 14,9 mkgf a 4.500 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas
  • Carroceria: cupê, 2 portas, 4 lugares
  • Dimensões: comprimento, 434 cm; largura, 166 cm; altura, 143 cm; entre-eixos, 240 cm; peso, 1.230 kg
  • Desempenho: 0 a 100 km/h: 12,2 segundos; velocidade máxima de 190 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s