CEO da Lotus recorre de multa para evitar pontos na habilitação

Executivo foi pego rodando a 163 km/h em um local cuja máxima era de 112 km/h. Multa chegou a quase R$ 4 mil

Gales alegou que precisava testar os esportivos da Lotus

Gales alegou que precisava testar os esportivos da Lotus (Lotus/Divulgação)

Um presidente de uma fábrica de carros precisa testar os produtos de sua companhia, certo? Essa, pelo menos, foi a desculpa que o presidente da Lotus, Jean-Marc Gales, deu após ser flagrado andando a mais de 160 km/h. Em uma via pública. Onde o limite era 112 km/h.

E, para piorar, não foi a primeira e nem a segunda vez que o executivo foi pego acelerando na mesma estrada.

Além da multa de £ 100 (equivalente a R$ 447, pela cotação do dia 26/01/2018), o executivo ficou mais próximo de perder sua habilitação. Isso porque, como no Brasil, a Inglaterra também usa um sistema de pontuação para motoristas.

Só que lá o limite é bem mais baixo: quem chegar a 12 pontos ou mais terá sua habilitação suspensa por, no mínimo, seis meses. Com oito pontos no prontuário e outros três da nova multa por velocidade, Gales ficaria a apenas um ponto da punição mais severa.

A solução foi contratar um advogado para recorrer da multa. Por meio dele, o executivo argumentou que precisava testar os carros da empresa, mas sabia que uma via pública não era o local adequado para isso.

As autoridades, então, optaram por não adicionar mais pontos à habilitação de Gales em troca de uma multa bem maior (£ 832, ou R$ 3.721) e uma suspensão de seu direito de dirigir por trinta dias.

No Brasil Gales não teria tantos problemas. Por aqui a lei permite que veículos de propriedade de empresas (como os usados por muitos executivos) não tenham a pontuação das multas repassadas aos seus condutores. Para isso, basta apenas pagar uma nova multa de igual valor pela não-identificação do condutor.

Uma mudança na legislação, no entanto, faz com que essa infração adicional seja multiplicada pelo número de multas tomadas pelo mesmo automóvel, o que pode ajudar a diminuir o abuso desse tipo de veículo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s