Clique e assine por apenas 8,90/mês

Usar Waze poderá render multa de US$ 200 nos EUA

Prefeitura da cidade de Leonia irá restringir o acesso de motoristas que usam aplicativos para fugir dos engarrafamentos

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 10 jan 2018, 14h19 - Publicado em 3 jan 2018, 14h56
Quem gosta de usar o Waze terá que ficar atento com a rota dada caso esteja nos arredores de Nova York Divulgação/Internet

Aplicativos como o Waze tornaram-se populares nas grandes cidades por desviarem os motoristas dos engarrafamentos. Mas eles também estão provocando um efeito colateral: o aumento do trânsito em bairros pequenos e ruas vicinais.

Na cidade de Leonia, em Nova Jersey (Estados Unidos), a situação ficou tão séria que a prefeitura tomou uma medida drástica: banir os automóveis de outras cidades no horário de pico.

A proibição vale das 6h às 10h e das 16h às 21h, períodos em que milhares de motoristas vêm e vão de outras cidades até Nova York, usando rotas que passam próximas a Leonia. Quem burlar a restrição terá que pagar uma multa de US$ 200 – mais de R$ 650 com o dólar a R$ 3,25.

O tráfego na cidade só será permitido a veículos com um selo amarelo, que será distribuído aos moradores de Leonia, pendurado no retrovisor.

Trânsito pesado: clássico caso de uso severo
Os aplicativos indicam a rota menos engarrafada – o que pode incluir ruas vicinais até então desconhecidas para motoristas de outras regiões Carlos Hauck/Quatro Rodas

A medida polêmica já está colecionando questionamentos. Um deles é como será feito o controle dos visitantes, que têm como destino a cidade de Leonia mas não possuem autorização especial.

Ainda há a questão legal de uma cidade restringir completamente o acesso a veículos de fora, apesar das prefeituras nos EUA terem autoridade máxima sobre as vias de sua jurisdição.

Os moradores se defendem alegando que, além do tráfego intenso, os veículos que buscam rotas alternativas frequentemente dirigem em velocidades incompatíveis com a via, ameaçando a segurança dos moradores.

Já os usuários do Waze e de outros aplicativos similares alegam possuir o direito de usar qualquer via pública e que diminuem os engarrafamentos ao abrirem mão de rotas congestionadas.

Continua após a publicidade
Publicidade