Clique e assine por apenas 5,90/mês

Antes da fusão: marcas da FCA e Renault já fizeram carro uma da outra

Acordos de produção já produziram modelos italianos com visual francês e até sedãs russos de origem Fiat

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 29 Maio 2019, 13h43 - Publicado em 29 Maio 2019, 12h50
Montagem/Quatro Rodas/Divulgação/Renault/Fiat

A recente proposta da fusão da FCA com o Grupo Renault gerou repercussão imediata no setor automotivo, que logo começou a especular quais seriam os futuros produtos do que seria a terceira maior fabricante de carros do mundo.

No passado, porém, as marcas que foram as duas gigantes já trocaram figurinhas (e carros) para entrar em novos mercados ou mesmo para dar início a uma história mais do que duradoura.

QUATRO RODAS levantou dois casos do passado curiosos. Um, de quando os italianos recorreram aos franceses, e o retorno disso.

Meia margherita, meia champignon

Não é montagem: o Dauphine já foi feito pela Alfa Romeo Reprodução/Internet

Licenciado no Brasil pela Willys, o Dauphine era a resposta francesa ao sucesso do Volkswagen Fusca. Por aqui o sedã ficou conhecido tanto pela robustez do “Teimoso” quanto pelo jocoso apelido de Leite em Pó Glória (desmancha sem bater).

E, três anos depois da estreia do modelo no Brasil, a Alfa Romeo comprou os direitos de produção do Dauphine com a Renault, fabricando o sedã na região de Milão.

O logotipo aproveita o formato do original e ganhava uma coroa com o nome Alfa Romeo no topo Reprodução/Internet

O resultado era idêntico ao modelo fabricado em São Bernardo do Campo. O Alfa Romeo Dauphine manteve o motor de quatro cilindros de 850 cm³, e sua única alteração visual era o logotipo, uma mistura do símbolo da marca francesa com a italiana.

Em tempo: é verdade que a Alfa Romeo só passou a ser parte do grupo Fiat na década de 80. Mas vamos considerar isso uma licença poética, pois somente depois a Renault foi perceber que ela própria também estava fabricando carros italianos…

Continua após a publicidade

Novela russa

Laika, 2101 (ou 02, 03…), pode chamar do que quiser. Mas no fundo, ainda é um Fiat 124 Vauxford/Wikipedia

Quando se pensa em Lada, há 50% de chance certo que a primeira imagem que você tem na cabeça seja um Laika  — a outra metade pensará no Niva.

Enquanto o SUV teve boa parte do projeto feito pelos próprios russos, o icônico sedã é derivado do Fiat 124. O três-volumes italiano fez tanto sucesso na Europa do pós-guerra que logo o governo soviético fez um acordo com a marca para que ela ajudasse na construção de uma fábrica e produção do modelo do lado de lá da cortina de ferro.

A unidade fabril da Lada existe até hoje e foi responsável pela entrada do 124 — rebatizado Lada 2101 — na então União Soviética. O sedã foi fabricado com poucas alterações até 2012, mesmo ano em que a Renault fez a aquisição de metade da Avtovaz.

E nem dá pra falar que a Renault foi a primeira a flertar com os italianos. O 124 também foi feito sob licença na Índia, com motor Nissan e uma versão esportiva preparada pela… Peugeot!

Colaborou Felipe Bitu

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade