Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Android Auto e Apple Carplay são mais perigosos que álcool, diz pesquisa

Uso dos sistemas de conectividade por toques na tela retardam as reações do motorista mais que o álcool

Por Guilherme Silva 19 mar 2020, 18h21
O Apple Carplay distrai mais, aponta estudo Divulgação/Jeep

Usar os sistemas Android Auto ou Apple CarPlay no carro pode prejudicar o tempo de reação do motorista tanto quanto a ingestão de álcool, o uso de maconha ou digitar mensagens de texto enquanto dirige, segundo um estudo feito no Reino Unido.

Esses recursos distraem os condutores, que deixam de olhar para a estrada por até 16 segundos, reduzindo em até 50% o tempo necessário para reagir a uma situação de emergência.

A pesquisa foi feita pela organização independente britânica de segurança rodoviária IAM RoadSmart, em nome do Laboratório de Pesquisa do Transporte (TRL), da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e da entidade Rees Jeffreys Road Fund.

Segundo os pesquisadores, o impacto no tempo de reação dos motoristas ao usarem os controles da tela sensível ao toque desses sistemas no lugar do comando por voz foi pior que o desempenho registrado ao enviar mensagens de texto enquanto dirigiam – resultando em uma distância de parada maior, equivalente a até cinco vezes o comprimento do veículo em velocidades de estrada.

O tempo de reação dos participantes diminuiu 57% usando o Apple CarPlay por meio da tela tátil do veículo – comparado com os 12% de aumento no tempo de reação registrado quando o condutor atinge o limite de álcool no sangue permitido no Reino Unido.

De acordo com pesquisador, o fato dos sistemas de conectividade serem oferecidos pelos fabricantes dos automóveis endossa sua a segurança Christian Castanho/Quatro Rodas

As autoridades britânicas toleram até 80 miligramas (mg) de álcool para cada 100 mililitros (ml) de sangue (ou 0,35 microgramas por 100 ml de ar soprado no bafômetro). No Brasil, é proibido qualquer quantidade, por menor que seja, de álcool no sangue. Há apenas uma tolerância para registros abaixo de 0,05 mg/l no bafômetro devido a uma margem de erro do aparelho.

O estudo indicou também que a reação dos motoristas era ainda mais lenta quando eles selecionavam músicas no aplicativo Spotify, independentemente de o sistema utilizado ser Android Auto ou Apple CarPlay.

Além disso, também foi afetada a capacidade de o motorista de manter uma velocidade constante a uma distância segura do veículo da frente na faixa de rodagem da estrada.

Continua após a publicidade

A pesquisa constatou que os condutores que usam a navegação pelo Apple CarPlay se desviaram de sua posição na faixa em cerca de meio metro, enquanto os usuários do Android Auto saíram 53 centímetros da posição ideal.

“Os participantes mostraram uma redução significativa em suas velocidades médias ao concluir as tarefas de música e navegação usando o recurso de toque na tela nos dois sistemas de informação e entretenimento”, concluiu o relatório.

“Essa redução na velocidade é uma indicação clara de que os motoristas estavam respondendo a um aumento na demanda mental. No entanto, essa redução compensatória na velocidade não foi suficiente para manter o desempenho de direção”.

“Embora tenham reduzido a velocidade, os participantes foram incapazes de manter um espaço consistente em relação ao veículo da frente e incapazes de manter a posição da faixa de rodagem no mesmo padrão que o controle”.

De acordo com o artigo científico de Oscar Oviedo-Trespalacios, engenheiro especializado no estudo da segurança viária, os condutores do Reino Unido relatam que esses sistemas são “terrivelmente perturbadores”, mas consideram o uso seguro.

O artigo diz ainda que “os motoristas acreditam que o fato do sistema ser disponibilizado pelo fabricante é um endosso à sua segurança”.

Oviedo-Trespalacios disse que as distrações de 16 segundos registradas no estudo do Reino Unido foram motivo de grande preocupação, uma vez que a maioria das pesquisas indica que os motoristas não devem tirar os olhos da estrada por mais de dois segundos por vez.

“Após os dois segundos, a cada segundo adicional, sua probabilidade de provocar ou se envolver em acidentes aumenta, exponencialmente, quatro vezes”, disse o pesquisador.

Oviedo-Trespalacios ressaltou a necessidade de mais informação sobre o uso seguro desses sistemas em carros e sugeriu que os fabricantes desenvolvam dispositivos de segurança. “Existe uma solução fácil: se o carro estiver em movimento, bloqueie o sistema”.

Continua após a publicidade

Publicidade