Actros e L-1111: guiamos dois ícones dos caminhões Mercedes-Benz

Um dos modelos mais importantes da história da marca, o 1111 foi campeão de vendas da empresa e inspirou até uma série especial retrô do Actros

Épocas distintas, mesma cor: Actros Série Especial (esq.) foi inspirado no L-1111 Épocas distintas, mesma cor: Actros Série Especial (esq.) foi inspirado no L-1111

Épocas distintas, mesma cor: Actros Série Especial (esq.) foi inspirado no L-1111 (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

O L-1111 é mais do que um simples caminhão. Lançado no Brasil em 1964, ele ajudou a construir a imagem da Mercedes-Benz por aqui – a empresa havia se estabelecido no país em 1956. Em seis anos de produção, a marca vendeu 39 mil unidades.

Sua importância é tamanha que a Mercedes lançou até uma série especial do Actros baseada no 1111. Foi a deixa para dirigirmos os dois caminhões e descobrir o tamanho da evolução em 51 anos.

Caminhão foi restaurado pela própria Mercedes

Caminhão foi restaurado pela própria Mercedes (Mercedes-Benz/Divulgação)

O 1111 (ou “onze onze”, como é conhecido no mundo dos caminhoneiros) era vendido em três versões. A L tinha chassis para caminhões e três opções de entre-eixos, de 3.600 mm, 4.200 mm e 4.830 mm, com capacidade de carga de 7.405 kg, 7.375 kg e 7.290 kg, respectivamente.

L-1111 tinha motor a diesel com 121 cv

L-1111 tinha motor a diesel com 121 cv (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

O PBT (peso bruto total) era de 10.500 kg. Havia ainda as versões LK (chassis para basculante) e LS (chassis para cavalo mecânico), ambas com 3.600 mm de entre-eixos.

Aro cromado dentro do volante acionava a seta

Aro cromado dentro do volante acionava a seta (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

Conforto era uma palavra fora do vocabulário do 1111. A cabine semiavançada mal tinha espaço para os pertences de motorista e passageiros. As portas quase não tinham acabamento interno e faltava isolamento acústico na cabine.

Rodas pintadas de vermelho viraram marca registrada do modelo

Rodas pintadas de vermelho viraram marca registrada do modelo (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

Ar-condicionado e direção hidráulica eram luxos impensáveis até para a maioria dos automóveis daquela época. Era um veículo feito para trabalhar, e isso ele fazia muito bem.

Perto do 1111, o Actros parece um veículo de luxo. Além dos itens de conforto presentes nos caminhões atuais, traz diversas assistências eletrônicas.

Diferença de tamanho entre os caminhões é perceptível de longe

Diferença de tamanho entre os caminhões é perceptível de longe (Vitor Matsubara/Quatro Rodas)

Há piloto automático, assistência de frenagem de emergência e alerta de permanência em faixa – um alerta sonoro grave sai dos altos-falantes se o caminhoneiro invade a pista ao lado. Se um veículo entrar na frente do Actros, tudo bem: um sistema aciona os freios para impedir a colisão.

Feito para o trabalho

L1111 foi vendido apenas seis anos. No período, foram 39.000 unidades comercializadas

L1111 foi vendido apenas seis anos. No período, foram 39.000 unidades comercializadas (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

O L1111 das fotos foi restaurado pela própria Mercedes-Benz. O motor é um OM 321 diesel com seis cilindros, injeção indireta e aspiração natural, entregando 121 cv a 2.800 rpm.

Dirigir o 1111 não é tão difícil quanto eu imaginava. A direção não tem assistência hidráulica, mas não é excessivamente pesada. É necessário um pouco de jeito para manusear o câmbio de cinco marchas a frente e uma a ré (todas sincronizadas), mas os engates não são tão imprecisos. Delicadeza é fundamental para não cometer erros – e nem arranhar as marchas.

A marca alemã começou a produzir caminhões no Brasil em 1956

A marca alemã começou a produzir caminhões no Brasil em 1956 (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

As versões L e LK traziam freio motor acionado por uma alavanca na coluna de direção. Ele trabalha juntamente com o sistema de alimentação de combustível e utiliza a compressão do motor para reduzir a marcha, poupando os freios.

Material promocional do L-1111 na época de seu lançamento, em 1956

Material promocional do L-1111 na época de seu lançamento, em 1956 (Mercedes-Benz/Divulgação)

A cabine era do tipo semiavançada, sem cama e bem espartana, como padrão na época, totalmente diferente do conforto observado e sentido nos caminhões topo de linha da marca de hoje, como o Actros.

Quase um automóvel

Das 21 unidades, a Mercedes anunciou que uma delas já foi vendida

Das 21 unidades, a Mercedes anunciou que uma delas já foi vendida (Mercedes-Benz/Divulgação)

Apenas 21 unidades do Actros Série Especial serão vendidas pela marca, sendo 15 do 2651 6×4 e seis do 2546 6×2. Cada uma delas custa R$ 500.000 e todas trazem um motor de 13 litros com 510 cv.

Adesivo faz alusão ao lançamento do modelo na Fenatran

Adesivo faz alusão ao lançamento do modelo na Fenatran (Giovana Rampini/Divulgação)

Há outros detalhes inspirados no passado além da pintura verde, como chassis e detalhes externos pintados de vermelho e revestimento em couro bege com costuras aparentes.

Achar a posição de dirigir ideal é fácil graças aos ajustes elétricos de altura e profundidade do banco do condutor. Feito isso, basta pressionar levemente o pedal do acelerador para movimentar o monstro de quase 20 metros de comprimento com o implemento acoplado.

Cabine tem todos os comandos voltados para o caminhoneiro

Cabine tem todos os comandos voltados para o caminhoneiro (Giovana Rampini/Quatro Rodas)

A direção do Actros é extremamente leve, facilitando as manobras em espaços apertados. É fundamental checar os cinco espelhos retrovisores o tempo todo para não atingir algum veículo – ou alguém. Graças a eles dá para visualizar tudo que está ao redor (e à frente) do caminhão.

A suspensão tem calibragem priorizando o conforto, fazendo a cabine chacoalhar ao passar por irregularidades. Já a transmissão automatizada de 12 marchas remete às primeiras caixas deste tipo, dando trancos entre as trocas.

Passando as primeiras marchas, o Actros ganha embalo rapidamente, especialmente se o caminhoneiro decidir realizar as trocas no modo sequencial.

Cabine Megaspace tem área livre entre os bancos e uma confortável cama

Cabine Megaspace tem área livre entre os bancos e uma confortável cama (Mercedes-Benz/Divulgação)

A espaçosa cabine tem inúmeros porta-objetos, rádio com Bluetooth e uma confortável cama na boléia, com direito a televisor com receptor digital e cortinas para cobrir todas as janelas.

Até um climatizador foi instalado para manter a temperatura da cabine agradável sem recorrer ao ar-condicionado durante as noites.

Padronagem do revestimento dos bancos foi inspirada nos antigos caminhões da marca

Padronagem do revestimento dos bancos foi inspirada nos antigos caminhões da marca (Mercedes-Benz/Divulgação)

Actros tem motor de 13 litros com 510 cv

Actros tem motor de 13 litros com 510 cv (Mercedes-Benz/Divulgação)

Ser caminhoneiro nunca foi fácil. Mas passar um dia com Actros e L-1111 me provou como os caminhões evoluíram em seis décadas – tanto quanto a indústria automobilística, aliás. Bom para quem passa a maior parte da vida dirigindo-os pelas estradas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Chassis com S no final é usado na língua inglesa. Em português é chassi. Essa 4 Rodas anda tão ruim, na revista impressa são incontáveis erros técnicos por edição, agora parece que perderam até o manual de redação!

  2. Paula Tejandodemais

    O negócio é aproveitar que o preço do frete tá bom e o diesel barato e financiar logo dois pra largar na mão de motorista folgado que fica fazendo quebra de asa e lacrado o pé, pq fazer média não é pra ele…
    Mas é claro que isso aí vai cair na mão de dono de transportadora e não na.mao do autônomo.