A curiosa sensação de dirigir um Jaguar E-Type convertido a elétrico

Impressões: E-Type Zero, versão elétrica do clássico "carro mais bonito do mundo", foi estrela de casamento real britânico e será vendido em 2020

À exceção do motor, versão de 1968 manteve motor original

À exceção do motor, versão de 1968 manteve motor original (Divulgação/Jaguar)

Ao fim do casamento real do príncipe Harry e de Meghan Markle, em maio de 2018, o mundo dos apaixonados por automóvel entrou em alvoroço quando o casal deixou o cerimônia no Castelo de Windsor em um Jaguar E-Type 1968.

O que dividiu opiniões foi o fato de o carro – que foi considerado por Enzo Ferrari como o mais bonito do mundo – ter sido convertido para rodar com eletricidade.

Os fãs mais puristas chegaram até a falar de blasfêmia reclamando da destruição de propriedade cultural e patrimônio histórico na primeira aparição do Jaguar E-Type Zero.

Mais do que uma bela jogada de marketing, a Jaguar planeja começar a vender o modelo a partir do ano que vem. Enquanto isso, a empresa já abriu uma linha de montagem para fazer a transformação de modelos antigos.

Falta de escapamento denuncia: este carro não queima combustível

Falta de escapamento denuncia: este carro não queima combustível (Divulgação/Jaguar)

“O mercado dos automóveis clássicos está mudando e há mais jovens que querem dirigir carros clássicos e muitos já não aceitam falhas como os fãs do passado”, explica Tim Hannig, diretor da Jaguar Land Rover Classic.

“Além disso, está chegando o dia em que os veículos movidos com motores de combustão não poderão entrar em certas cidades. O melhor é que o futuro destas obras de arte sobre rodas esteja garantido.”

Para muitos essa conversão do esportivo original para um 100% elétrico (feita em Coventry, sede da Jaguar) é compreensível e até lógica.

“Nós reconstruímos este E-Type de maneira que ele pode voltar às suas características originais a qualquer momento porque todos os novos componentes ocupam o mesmo espaço dos que foram substituídos”, explica Hannig, que também é um grande conhecedor e apaixonado por clássicos.

E-Type elétrico foi usado no casamento do príncipe Harry

E-Type elétrico foi usado no casamento do príncipe Harry (Divulgação/Jaguar)

A conversão propriamente dita custa cerca de 70.000 libras (R$ 353.000) e demora umas 80 horas para ser concluída, assumindo que o cliente leva seu antigo E-Type para a sala de operação e que o veículo esteja em boas condições de saúde.

Mas também será possível comprar um E-Type existente na coleção Jaguar Classic e pedir a transformação. Mas neste caso a conta nunca será inferior a 300.000 libras (R$ 1,5 milhão).

“A transformação não muda a estrutura do E-Type porque é uma solução de simples montagem usando a tecnologia do Jaguar i-Pace e do híbrido plug-in Range Rover.”

Porta-malas é igual ao de um E-Type comum, mas esconde o sistema elétrico sob o piso

Porta-malas é igual ao de um E-Type comum, mas esconde o sistema elétrico sob o piso (Divulgação/Jaguar)

O Jaguar E-Type original esteve em produção entre 1961 e 1974, inicialmente apenas com motor de 6 cilindros em linha de 3,8 e 4,2 litros, mas na parte final de seu tempo de produção a marca britânica instalou um motor V12 de 5,3 litros com quase 280 cv.

No entanto, especialmente nos Estados Unidos, houve várias derivações da E-Type que ao longo das décadas não só receberam uma transmissão automática como também passaram a se mover com motor V8 da Ford ou da General Motors.

Tim Hannig e sua equipe da divisão de clássicos da Jaguar Land Rover querem converter esses modelos para usar eletricidade independentemente de serem Roadsters ou Coupés.

“A essência do carro, no entanto, não deve mudar e a versão elétrica deve ter pelo menos o mesmo desempenho que o carro original, afirma. Se esse desafio pode ser alcançado com um motor elétrico, ainda há muitas dúvidas.

Sob o capô, o motor elétrico que veio do I-Pace

Sob o capô, o motor elétrico que veio do I-Pace (Divulgação/Jaguar)

Os primeiros indicadores são favoráveis, já que o peso vazio do Jaguar E-Type Zero é de cerca de 1,3 tonelada (46 kg mais leve que o original), portanto não muito diferente do automóvel a gasolina.

Quando abrimos o enorme capô, vemos uma peça de alta tecnologia dentro de formas classicamente sinuosas. Há tampas modernas escondendo a eletrônica fornecida pelo Jaguar i-Pace e Range Rover P400.

No E-Type Zero, o motor elétrico (atrás da bateria e onde o câmbio costuma ser instalado) rende 300 cv e 45,9 mkgf, sendo alimentado por uma bateria de lítio de 40 kWh.

Ela ocupa exatamente o espaço do motor de 6 cilindros retirado e é suficiente para permitir uma autonomia máxima de 273 km, mas sempre dependendo do estilo de condução.

Onde era o bocal do tanque agora está o plugue de recarga

Onde era o bocal do tanque agora está o plugue de recarga (Divulgação/Jaguar)

E os números de desempenho? Bem, no 0 a 100 km/h – tradicionalmente um ponto forte dos carros elétricos – a nova versão leva uma vantagem com 5,5 s (melhor que os 6,4s do 6-cilindros 4.2 de 268 cv).

Na velocidade máxima, a situação se inverte: em vez de 242 km/h alcançados pelo E-Type a gasolina, o elétrico não passa de 180 km/h.

Claro que seria possível atingir velocidade superior, mas ele é limitado para não prejudicar demais a autonomia, um critério mais relevante em um elétrico que propriamente a velocidade máxima.

Fibra de carbono e telas digitais mostram que, por dentro, este E-Type também é diferente

Fibra de carbono e telas digitais mostram que, por dentro, este E-Type também é diferente (Divulgação/Jaguar)

Ao volante, o E-Type Zero mistura qualidades conhecidas com outras totalmente novas. A entrada e a saída continuam sendo desconfortáveis, como no modelo original, e as pessoas altas (com mais de 1,85 m) continuam com o topo da cabeça acima do para-brisa. Porém, a Jaguar gosta de frisar que isso não é um defeito, mas é um traço de personalidade.

Em vez do familiar quadro de instrumentos físicos e acabamentos cromados, o motorista olha para um painel de alta tecnologia feito de carbono.

Por trás do volante de madeira existem instrumentos digitais indicando a velocidade, recuperação de energia e autonomia remanescente.

“Se o cliente preferir, ele pode manter a apresentação do painel clássico”, explica Hannig. “Mas o conta-giros precisa ser substituído por um computador de bordo com as informações adequadas à natureza deste tipo de modelo.”

Em vez de câmbio, seletor para avançar marcha, dar ré ou estacionar

Em vez de câmbio, seletor para avançar marcha, dar ré ou estacionar (Divulgação/Jaguar)

Esta versão experimental oferece ainda mais, porque, além dos dois marcadores digitais em frente do motorista há, ao centro, quatro teclas e uma grande tela multifuncional que agrega navegação, sistema de som e outras funções – você pode até instalar um ar-condicionado e controlá-lo por meio da tela sensível ao toque.

Há também uma base de recarga sem fio para celulares e um botão giratório para selecionar as posições D e R ou a P, apesar de o carro não ter um câmbio tradicional.

No interior faltam ainda outros elementos que nos lembrem o carro original – exceto pelo freio de mão de alavanca cromada.

Essas teclas no painel também são coisa de carro novo

Essas teclas no painel também são coisa de carro novo (Divulgação/Jaguar)

Do lado de fora a propulsão elétrica só é reconhecida pela ausência de saídas de escape, a não ser que alguém repare que há uma tomada elétrica repousando sob a tampa originalmente concebida para servir de acesso ao tanque de combustível.

Com uma vista magnífica do Pacífico, começa nosso test-drive em Monterey, na Califórnia. Pressiono o pequeno pedal do acelerador e o carro reage com a urgência habitual típica dos elétricos, que entregam toda sua força desde o primeiro momento.

Mas é muito estranho não ter a companhia da trilha sonora enfaticamente produzida por 6 ou 12 câmaras de combustão trabalhando.

O fato de que esse esportivo não foi equipado com assistência de direção não incomoda e até ajuda a conectar o motorista com as sensações de dirigir um autêntico automóvel clássico. A Jaguar, porém, afirma que os veículos dos futuros clientes terão um pouco de assistência.

Exterior é preservado em todos os detalhes

Exterior é preservado em todos os detalhes (Divulgação/Jaguar)

Os freios são da segunda geração da E-Type, embora a frenagem pareça ser totalmente diferente, porque falta a ação de retenção gerada pelo motor de 6 cilindros no processo.

A suspensão manteve a sua arquitetura e geometria, algo possível porque o modelo tem praticamente o mesmo peso e a mesma distribuição de massas entre a frente e a traseira.

Nesse caso, a opção de permanecer o mais próximo possível do Jaguar original deve ser comemorada.

Alguns vão gostar da ausência de ruído, que permite que o E-Type Zero rode pelos pedestres quase desapercebido.

Depois, quando eles o veem passando, as opiniões vão se dividindo entre aqueles que se sentem quase ofendidos com o transplante e outros muito apaixonados pela ideia de converter o ícone da Jaguar à modernidade ambiental.

Rodas raiadas ajudam a preservar o ar clássico do elétrico

Rodas raiadas ajudam a preservar o ar clássico do elétrico (Divulgação/Jaguar)

A Jaguar Classic Works não sabe exatamente quantos E-Type serão convertidos em versões elétricas, mas o processo não será exclusivo deste modelo.

Como o conjunto bateria/motor elétrico ocupa exatamente o mesmo espaço do antigo motor a gasolina/transmissão, qualquer Jaguar que utilize o motor XK de 6 cilindros (produzido entre 1949 e 1992) poderia ser transformado para usar eletricidade, como é o caso do XK120, do MK2 ou do XJ6.

E também sempre haverá a possibilidade de retornar às origens se houver arrependimentos. Mas, de uma forma ou de outra, ele continuará sendo “o carro mais bonito da história”. Afinal, Enzo Ferrari sabia do que estava falando.

Veredicto

Goste-se ou não da mudança de natureza deste Jaguar, o E-Type Zero tem a proeza de unir dois mundos que até então pareciam inconciliáveis: carros clássicos e veículos elétricos. E isso, por si só, já é um grande feito.

Ficha técnica

  • Preço: estimado em 300.000 libras (R$ 1,5 milhão) ou 70.000 libras (R$ 353.000) se for dono de um E-Type original e quiser apenas fazer a conversão
  • Motor: elétrico, diant.; 300 cv; 45,9 mkgf
  • Bateria: 40 kWh, autonomia de 273 km
  • Câmbio: 1 marcha à frente, tração traseira
  • Suspensão: independente nas 4 rodas, com triângulos e barra de torção (diant.) e braço radial (tras.)
  • Freios: sem assistência; 11,3 m (diâmetro de giro)
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 5,5 s; velocidade máxima limitada a 180 km/h (dados de fábrica)
  • Dimensões: comprimento, 445,3 cm; largura, 165,7 cm; altura, 118,1 cm; entre-eixos, 243,8 cm; peso, 1.302 kg
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s