Clique e assine com até 75% de desconto

35 fotos incríveis mostram a produção quase artesanal do Fusca nos anos 50

Série com fotos de 70 anos atrás mostram como a produção do velho Fusca era simples e artesanal

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 5 jun 2020, 18h45 - Publicado em 7 jun 2020, 07h00
A carroceria circulava em esteiras e trilhos aéreos dentro da fábrica Reprodução/Internet

Mais de 21,5 milhões de unidades do Volkswagen Fusca foram produzidas (sem grandes mudanças) entre 1938 e 2003. O projeto encomendado pelo governo alemão (liderado por Hitler) no início dos anos 1930 tinha a missão de ser simples, funcional, confiável e tão barato quanto uma motocicleta da época.

Tudo bem que o primeiro Volkswagen não conseguiu chegar no preço-alvo, mas cumpriu muito bem as outras exigências. E, claro, tudo isso se refletiu na forma como o Fusca era produzido.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Isso fica muito claro na série de fotos a seguir, feitas na fábrica da Volkswagen em Wolfsburg entre o final dos anos 1940 e meados dos anos 1950. A essa altura, a fábrica já havia sido reconstruída pelas forças de ocupação britânicas e devolvida ao governo alemão com a produção a todo vapor.

  • Vale dizer que em 1955 esta fábrica alcançou seu primeiro milhão de unidades do Fusca produzidas. E que outras 18 fábricas ao redor do mundo também produziram o mais simpático dos Volkswagen.

    A chapa do teto era enorme e incluía as colunas frontais, traseiras e o vidro traseiro Internet/Reprodução
    O transporte das peças de estamparia era totalmente manual Internet/Reprodução
    O icônico capô após ser conformado na prensa Internet/Reprodução
    O processo de soldagem das partes da carroceria era totalmente artesanal Internet/Reprodução
    A retirada dos gabaritos da solta elétrica era na marreta Internet/Reprodução
    Hoje a aplicação de solda elétrica é automatizada em grande parte das fábricas Internet/Reprodução

    Camisas do motor: por ser refrigerado a ar, os cilindros eram peças separadas do bloco do motor Internet/Reprodução
    Carcaças do câmbio empilhadas Internet/Reprodução
    Câmbio parcialmente montado recebendo usinagem Internet/Reprodução
    Estoque de tambores de freio Internet/Reprodução
    Montagem da carroceria era feita em esteiras Divulgação/Volkswagen
    Não havia muitas máquinas para auxiliar na montagem Divulgação/Volkswagen
    Divulgação/Volkswagen
    A lataria já era tratada para ferrugem Internet/Reprodução
    Internet/Reprodução
    Correção de imperfeições da carroceria é manual até hoje, mas usa-se máquinas e há menos defeitos Internet/Reprodução
    Início do processo de pintura Internet/Reprodução
    Processo de instalação das lonas de freio Internet/Reprodução
    Suspensão dianteira do tipo braço arrastado recebendo componentes do freio, ainda a tambor Internet/Reprodução
    O momento em que a carroceria é unida ao chassi já com motor, câmbio e suspensões montados Divulgação/Volkswagen
    Divulgação/Volkswagen
    Começa o processo de instalação do chicote elétrico Divulgação/Volkswagen
    Costureira faz a forração acarpetada do interior reprodução/Internet
    Colocação da forração do teto era um processo artesanal e demorado Internet/Reprodução
    As calotinhas com o brasão da cidade de Wolfsburg Internet/Reprodução
    Internet/Reprodução
    Primeiro abastecimento antes de sair da fábrica Internet/Reprodução
    Divulgação/Volkswagen
    Divulgação/Volkswagen
    Os carros saiam da fábrica por uma rampa Divulgação/Volkswagen
    Marco das primeiras 10.000 unidades produzidas em 1946 Divulgação/Volkswagen

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de junho da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade