Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Região nordeste tem as piores estradas e concentra acidentes de trânsito

Segundo levantamento, apenas 8,5% das rodovias brasileiras estão em perfeito estado de conservação, dado que corrobora o número de acidentes

Por Guilherme Fontana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
8 fev 2023, 19h58

Segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), além de variáveis como falhas humanas e mecânicas, problemas de infraestrutura estão entre as principais causas de insegurança viária e a solução para esse problema depende de muito trabalho e investimento.

Nos cálculos da CNT, seriam necessários R$ 94,9 bilhões para recuperação, sendo R$ 72,2 bilhões para ações emergenciais, divididos entre restauração e reconstrução. Para manutenção, ficariam os R$ 22,7 bilhões restantes. A chegada dos novos governos traz esperança nesse sentido, porque tanto na administração federal quanto nas estaduais, há planos de retomadas das obras. As prioridades anunciadas são educação e saúde. Mas segurança viária também é importante.

Dados mais recentes da CNT indicam que, apenas em 2021, 64.452 acidentes foram registrados nas rodovias federais. Um crescimento de 1,5% em relação a 2020. Destes, 52.762 resultaram em vítimas, com 5.391 vidas perdidas. Dos mais de 64.000 acidentes, 60,2% (ou 31.796) foram por colisão, enquanto o segundo lugar ficou para saída de pista (com 15,6%) e  o terceiro para capotamento ou tombamento (em 12% dos casos).

Compartilhe essa matéria via:

Esse levantamento não detalha o que motivou os acidentes, mas outros dados da CNT permitem relacionar números de ocorrências (acidentes com ou sem vítimas) ao estado das vias. Isso porque, de acordo com a entidade, apenas 8,5% das rodovias brasileiras estão em ótimo estado geral, enquanto 40,7% têm estado “regular”.

Continua após a publicidade

A maior parte das vias, 50,8%, apresenta asfalto desgastado, 35% têm trincas ou remendos e 0,6% estão destruídas – mesmo que 94,3% sejam consideradas adequadas para rolamento. Além de representar o pior em 16 anos de pesquisa, o resultado mostra o lento avanço no número de trechos pavimentados, que subiu apenas 5,3% de 2011 a 2022.

rodovia
Rodovia no Acre: pista simples, erosão na pista e sinalização desgastada (CNT/Divulgação)

A CNT pesquisa as condições das estradas observando características como geometria das pistas (falhas de projeto ou adequação de capacidade) e o estado geral de conservação, bem como a sinalização (inexistente ou incorreta) e a pavimentação.

“Placas em posição errada, faixas inexistentes, curvas acentuadas com problemas de superelevação, falta de placas de advertência antes das curvas e de dispositivos auxiliares de contenção, ausência de placas de limite de velocidade e falta de acostamento são alguns dos fatores que podem contribuir significativamente para que acidentes ocorram”, explica Bruno Batista, diretor executivo da CNT. 

De acordo com a entidade, as estradas brasileiras têm, em sua maioria, placas legíveis (92,7%), mas nenhuma proteção em áreas perigosas (46,1%). A maioria é de pista simples com mão dupla (85,1%), tem perfil ondulado (55%) e não tem faixas adicionais (70,4%). Os acostamentos inexistem em 74,4% delas.

Continua após a publicidade

 

Quando classificadas por regiões, as rodovias com piores condições ficam no Norte e Nordeste do Brasil – as melhores, em contrapartida, estão no Sul e Sudeste. Não por acaso, segundo a CNT, o Nordeste tem a maior quantidade de acidentes proporcionalmente a sua população e malha viária. Em 2021, foram 11.012 acidentes com vítimas, que levaram a 1.675 óbitos. O Norte teve 2.901 acidentes, número também alto, considerando sua população de aproximadamente 18 milhões de pessoas e a menor quantidade de rodovias do país (13.901 km), sendo a maioria delas sob gestão pública e com classificação “regular” e “ruim”. Nenhuma tem classificação “ótimo”. No Sudeste, por outro lado, os 16.483 acidentes com vítimas é pouco diante dos mais de 90 milhões de habitantes e dos 27.386 km de extensão de rodovias.

A confederação promoveu um ranking que checou as condições de 510 rodovias, em 104.632 km, sendo 69.405 km de estradas federais, 35.227 km estaduais, 82.576 públicas e 22.056 concedidas. As dez melhores do país se concentram nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, quase todas concedidas. O Nordeste aparece com o 10º lugar, com a BR-101, entre as cidades de Mataraca (PB) e Caaporã (PB), que tem gestão pública. O título de melhor rodovia do Brasil fica para a Cândido Portinari (SP-334), entre os municípios de Cristais Paulistas e Ribeirão Preto (SP). Na outra ponta, Norte e Nordeste dominam com as piores rodovias, como já adiantava a divisão por regiões, e todas têm gestão pública. A Rodovia Torquato Tapajós ou Deputado Vital de Mendonça (AM-010), entre os municípios de Manaus e Itacoatiara, no Amazonas, tem classificação “péssima”.   

As 10 melhores do Brasil*

Posição Rodovia Estado Região Gestão Classificação
1o SP-334 SP Sudeste Concedida Ótimo
2o SP-332 SP Sudeste Concedida Ótimo
3o BR-050 MG Sudeste Concedida Ótimo
4o BR-050 GO Centro-Oeste Concedida Ótimo
5o SP-300 SP Sudeste Concedida Ótimo
6o BR-365 MG Sudeste Concedida Ótimo
7o BR-290 RS Sul Concedida Ótimo
8o SP-147 SP Sudeste Concedida Ótimo
9o SP-348 SP Sudeste Concedida Ótimo
10o BR-101 PB Nordeste Pública Ótimo

 

As 10 piores estradas do Brasil*

Posição Rodovia Estado Região Gestão Classificação
510o AM-010 AM Norte Pública Péssimo
509o BA-142 BA Nordeste Pública Péssimo
508o PE-096 PE Nordeste Pública Péssimo
507o PE-545 PE Nordeste Pública Péssimo
506o MA-034 MA Nordeste Pública Péssimo
505o PI-141 PI Nordeste Pública Péssimo
504o AC-010 AC Norte Pública Péssimo
503o GO-142 GO Centro-Oeste Pública Péssimo
502o PB-400 PB Nordeste Pública Péssimo
501o PB-386 PB Nordeste Pública Péssimo

* a Confederação Nacional do transporte (CNT) pesquisou e Ranqueou 510 rodovias do país

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.