Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Região nordeste tem as piores estradas e concentra acidentes de trânsito

Segundo levantamento, apenas 8,5% das rodovias brasileiras estão em perfeito estado de conservação, dado que corrobora o número de acidentes

Por Guilherme Fontana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
8 fev 2023, 19h58

Segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), além de variáveis como falhas humanas e mecânicas, problemas de infraestrutura estão entre as principais causas de insegurança viária e a solução para esse problema depende de muito trabalho e investimento.

Nos cálculos da CNT, seriam necessários R$ 94,9 bilhões para recuperação, sendo R$ 72,2 bilhões para ações emergenciais, divididos entre restauração e reconstrução. Para manutenção, ficariam os R$ 22,7 bilhões restantes. A chegada dos novos governos traz esperança nesse sentido, porque tanto na administração federal quanto nas estaduais, há planos de retomadas das obras. As prioridades anunciadas são educação e saúde. Mas segurança viária também é importante.

Dados mais recentes da CNT indicam que, apenas em 2021, 64.452 acidentes foram registrados nas rodovias federais. Um crescimento de 1,5% em relação a 2020. Destes, 52.762 resultaram em vítimas, com 5.391 vidas perdidas. Dos mais de 64.000 acidentes, 60,2% (ou 31.796) foram por colisão, enquanto o segundo lugar ficou para saída de pista (com 15,6%) e  o terceiro para capotamento ou tombamento (em 12% dos casos).

Compartilhe essa matéria via:

Esse levantamento não detalha o que motivou os acidentes, mas outros dados da CNT permitem relacionar números de ocorrências (acidentes com ou sem vítimas) ao estado das vias. Isso porque, de acordo com a entidade, apenas 8,5% das rodovias brasileiras estão em ótimo estado geral, enquanto 40,7% têm estado “regular”.

Continua após a publicidade

A maior parte das vias, 50,8%, apresenta asfalto desgastado, 35% têm trincas ou remendos e 0,6% estão destruídas – mesmo que 94,3% sejam consideradas adequadas para rolamento. Além de representar o pior em 16 anos de pesquisa, o resultado mostra o lento avanço no número de trechos pavimentados, que subiu apenas 5,3% de 2011 a 2022.

rodovia
Rodovia no Acre: pista simples, erosão na pista e sinalização desgastada (CNT/Divulgação)

A CNT pesquisa as condições das estradas observando características como geometria das pistas (falhas de projeto ou adequação de capacidade) e o estado geral de conservação, bem como a sinalização (inexistente ou incorreta) e a pavimentação.

“Placas em posição errada, faixas inexistentes, curvas acentuadas com problemas de superelevação, falta de placas de advertência antes das curvas e de dispositivos auxiliares de contenção, ausência de placas de limite de velocidade e falta de acostamento são alguns dos fatores que podem contribuir significativamente para que acidentes ocorram”, explica Bruno Batista, diretor executivo da CNT. 

De acordo com a entidade, as estradas brasileiras têm, em sua maioria, placas legíveis (92,7%), mas nenhuma proteção em áreas perigosas (46,1%). A maioria é de pista simples com mão dupla (85,1%), tem perfil ondulado (55%) e não tem faixas adicionais (70,4%). Os acostamentos inexistem em 74,4% delas.

Continua após a publicidade

 

Quando classificadas por regiões, as rodovias com piores condições ficam no Norte e Nordeste do Brasil – as melhores, em contrapartida, estão no Sul e Sudeste. Não por acaso, segundo a CNT, o Nordeste tem a maior quantidade de acidentes proporcionalmente a sua população e malha viária. Em 2021, foram 11.012 acidentes com vítimas, que levaram a 1.675 óbitos. O Norte teve 2.901 acidentes, número também alto, considerando sua população de aproximadamente 18 milhões de pessoas e a menor quantidade de rodovias do país (13.901 km), sendo a maioria delas sob gestão pública e com classificação “regular” e “ruim”. Nenhuma tem classificação “ótimo”. No Sudeste, por outro lado, os 16.483 acidentes com vítimas é pouco diante dos mais de 90 milhões de habitantes e dos 27.386 km de extensão de rodovias.

A confederação promoveu um ranking que checou as condições de 510 rodovias, em 104.632 km, sendo 69.405 km de estradas federais, 35.227 km estaduais, 82.576 públicas e 22.056 concedidas. As dez melhores do país se concentram nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, quase todas concedidas. O Nordeste aparece com o 10º lugar, com a BR-101, entre as cidades de Mataraca (PB) e Caaporã (PB), que tem gestão pública. O título de melhor rodovia do Brasil fica para a Cândido Portinari (SP-334), entre os municípios de Cristais Paulistas e Ribeirão Preto (SP). Na outra ponta, Norte e Nordeste dominam com as piores rodovias, como já adiantava a divisão por regiões, e todas têm gestão pública. A Rodovia Torquato Tapajós ou Deputado Vital de Mendonça (AM-010), entre os municípios de Manaus e Itacoatiara, no Amazonas, tem classificação “péssima”.   

As 10 melhores do Brasil*

Posição Rodovia Estado Região Gestão Classificação
1o SP-334 SP Sudeste Concedida Ótimo
2o SP-332 SP Sudeste Concedida Ótimo
3o BR-050 MG Sudeste Concedida Ótimo
4o BR-050 GO Centro-Oeste Concedida Ótimo
5o SP-300 SP Sudeste Concedida Ótimo
6o BR-365 MG Sudeste Concedida Ótimo
7o BR-290 RS Sul Concedida Ótimo
8o SP-147 SP Sudeste Concedida Ótimo
9o SP-348 SP Sudeste Concedida Ótimo
10o BR-101 PB Nordeste Pública Ótimo

 

As 10 piores estradas do Brasil*

Posição Rodovia Estado Região Gestão Classificação
510o AM-010 AM Norte Pública Péssimo
509o BA-142 BA Nordeste Pública Péssimo
508o PE-096 PE Nordeste Pública Péssimo
507o PE-545 PE Nordeste Pública Péssimo
506o MA-034 MA Nordeste Pública Péssimo
505o PI-141 PI Nordeste Pública Péssimo
504o AC-010 AC Norte Pública Péssimo
503o GO-142 GO Centro-Oeste Pública Péssimo
502o PB-400 PB Nordeste Pública Péssimo
501o PB-386 PB Nordeste Pública Péssimo

* a Confederação Nacional do transporte (CNT) pesquisou e Ranqueou 510 rodovias do país

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.