Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Restauração de carro antigo demanda muita tecnologia e passa de R$ 100.000

Técnicas manuais dão lugar a soluções digitais para procura e produção de peças que não são mais fabricadas

Por Rodrigo Ribeiro 31 jul 2019, 17h00
Restaurações completas exigem a total desmontagem do carro A.M. Marcelo/Divulgação

Se no início da vida os carros passam por diferentes processos tecnológicos, em seu renascimento — ou melhor, restauração — o processo é inverso, com muito trabalho artesanal.

Mas, nos últimos anos, recursos de última geração têm facilitado e até barateado o processo de recuperação de um veículo.

“As impressoras 3D permitem que a gente produza peças que não existem mais no mercado”, conta José Manuel Veludo, gerente de oficina da paulistana A.M. Marcelo.

As diferentes variações desse equipamento permitem a criação desde pequenos componentes plásticos até grandes partes metálicas.

Documentos de época ajudam a descobrir a especificação original de cada veículo A.M. Marcelo/Divulgação

Outro equipamento que faz a diferença em restaurações parciais, que mantém parte do veículo original, é o colorímetro. Ele usa feixes de luz para detectar a cor exata do carro, que não necessariamente é igual ao tom dele de quando novo.

Isso permite que a pintura de uma parte mais deteriorada da carroceria tenha o mesmo tom do conjunto restante.

Equipamentos ópticos possibilitam acertar o tom exato da pintura existente no veículo A.M. Marcelo/Divulgação

O compartilhamento de arquivos e métodos na internet agiliza a restauração.

Continua após a publicidade

Muitos mecânicos ou mesmo os proprietários dividem dificuldades e soluções na restauração, evitando que se perca tempo com um problema já solucionado por outras pessoas.

Restaurado demais

Mesmo com novos recursos, muitos processos ainda são manuais A.M. Marcelo/Divulgação

O acesso a fotos e documentos antigos permite que o veículo retorne à condição original e reduz as chances dele ser excessivamente restaurado.

Esse termo é dado para carros que ganham itens e características que não existiam em sua versão original.

Uma recuperação completa pode levar mais de três anos A.M. Marcelo/Divulgação

Isso vai desde peças cromadas que não existiam até pinturas completas. O Fusca com carroceria em duas cores é um exemplo disso: lindo na foto, mas historicamente errado.

Outra alteração bastante corriqueira é a transformação de uma versão comum do veículo em uma rara, como os Karmann-Ghia cortados para se transformarem em conversíveis.

O Chevrolet americano 1958 é o único sem restauração de toda a coleção
Manter veículos “no estado”, restaurando o mínimo possível, também é uma tendência. Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

“Com essas novas tecnologias ganhamos um tempo precioso na restauração, mas ainda há partes do processo que são demoradas e artesanais”, conta Veludo.

O especialista conta que uma restauração completa pode levar de alguns meses a mais de três anos, dependendo do veículo e do estado de conservação.

  • O custo também varia, podendo partir de R$ 20.000 a mais de R$ 100.000. A maior economia de dinheiro com os novos equipamentos é no tempo menor de mão de obra, tornando a restauração um pouco mais acessível — ou menos cara.

    Continua após a publicidade
    Publicidade