Em que condições a suspensão multilink se mostra melhor?

Para notar a diferença o motorista precisa ter grande sensibilidade e levar o carro ao limite

Ford EcoSport 4x2 x Ford EcoSport 4x4 A suspensão traseira independente permite um maior curso, algo útil no fora-de-estrada

A suspensão traseira independente permite um maior curso, algo útil no fora-de-estrada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Meus amigos não sentem grande diferença no dia a dia ao usar uma suspensão multilink. Em que condições ela se mostra melhor na prática? – Mariano Conceição, Teresina (PI)

Ela se mostra superior em condução esportiva, mas só motoristas muito experientes podem notar a diferença em relação ao sistema por eixo de torção.

Esse conceito usa uma barra metálica que é torcida nas pontas (como o movimento que você faz com as mãos para soltar os gelos de uma forma) conforme o movimento da carroceria. Como o eixo de torção une fisicamente os dois pneus traseiros, esse sistema não consegue evitar que o movimento da roda esquerda influencie na direita.

O mesmo não ocorre no sistema multibraço (também chamado multilink), que conecta a carroceria às rodas de forma independente, por meio de diferentes braços.

Na suspensão por eixo de torção, o mesmo elemento elástico une as duas rodas Na suspensão por eixo de torção o mesmo elemento elástico une as duas rodas

Na suspensão por eixo de torção o mesmo elemento elástico une as duas rodas (Divulgação/Internet)

“Essa configuração permite que o posicionamento das rodas durante o trabalho da suspensão seja mais bem controlado, mantendo o contato do pneu com o asfalto da forma mais adequada”, detalha Francisco Barbieri, engenheiro da Comissão Técnica de Dinâmica Veicular da SAE Brasil.

Na suspensão multilink, um lado é totalmente independente do outro Na suspensão multilink, um lado é totalmente independente do outro

Na suspensão multilink, um lado é totalmente independente do outro (Divulgação/Internet)

Mas, para notar essas diferenças, o motorista precisa ter grande sensibilidade e levar o carro ao limite, como numa curva fechada em alta velocidade. Para um carro urbano, essas características já não são tão importantes.

“O eixo de torção tem um bom desempenho para a faixa de velocidade usual dos veículos, com um custo de desenvolvimento menor e também liberando mais espaço na parte traseira, o que permite um aumento do porta-malas, tanque de combustível e banco traseiro”, explica Francisco.

É possível, no entanto, que uma suspensão multilink não seja independente. Este é o caso do conjunto da nova Nissan Frontier. Apesar do eixo posterior ser conectado por múltiplos braços ao chassi, o eixo rígido acaba formando uma ligação fixa entre as rodas. Além de limitar a atuação do sistema, a solução da picape deve ser considerada como uma suspensão dependente (ou interdependente).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Discordo amplamente do especialista! A suspensão independente se percebe suas qualidades em qualquer rua esburaca brasileira. Entre num Golf com suspensão independente e na versão brasileira capada. O Focus é sinônimo de conforto por causa da sua suspensão independente, assim como o Jeep Renegade e Compass, esses últimos ainda levam conforto até para estradas mais radicais.
    Eixo de torção é pra trouxa que não sabe o que é qualidade e cai em pegadinha de marketing de montadora tupiniquim.

  2. Concordo plenamente com o Pedro Prado. Especialista em que? Corte e Costura?

    Possuo 2 veículos com suspensões Independentes nas 4 Rodas. sendo um deles MultiLink.
    Totalmente fraudulenta que somente um piloto ou levando o veículo ao limite para perceber a diferença entre uma suspensão dignamente esportiva independente e uma porcaria patética de eixo de torção.

    Deveriam AVALIAR as opiniões ridículas destes “tais” especialistas em baboseiras. O comportamento do veículo não se faz somente “esportivo” e sim de controle muito mais afinado que a tranqueira do eixo de torção, sem contar o conforto e dirigibilidade em âmbito geral.

    Brasileiro deveria ter vergonha na cara e parar de comprar estas carroças amaldiçoadas vendidas por aqui a peso de ouro, mas muitos não resistem a ostentar um veículo novo ou semi-novo acompanhado de um carnê de 60 prestações no porta-luvas valendo 5 veículos iguais ao que comprou para esconder depois do oficial de justiça quando perceber que não suportará pagar a tolice.

  3. Ricardo Brito

    Eu também tenho que discordar… Eu tive um Focus com multilink e o meu carro atual não tem… Minha filha sentada de parte de trás percebeu a troca do carro no dia… Em ruas com calçamento irregular o balanço lateral na parte traseira do carro é completamente diferente, muito mais confortável na multilink.