Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Em que condições a suspensão multilink se mostra melhor?

Para notar a diferença o motorista precisa ter grande sensibilidade e levar o carro ao limite

Por Rodrigo Ribeiro
Atualizado em 11 Maio 2021, 13h40 - Publicado em 8 jan 2018, 19h13
Ford EcoSport 4x2 x Ford EcoSport 4x4
A suspensão traseira independente permite um maior curso, algo útil no fora-de-estrada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Meus amigos não sentem grande diferença no dia a dia ao usar uma suspensão multilink. Em que condições ela se mostra melhor na prática? – Mariano Conceição, Teresina (PI)

Ela se mostra superior em condução esportiva, mas só motoristas muito experientes podem notar a diferença em relação ao sistema por eixo de torção.

Esse conceito usa uma barra metálica que é torcida nas pontas (como o movimento que você faz com as mãos para soltar os gelos de uma forma) conforme o movimento da carroceria. Como o eixo de torção une fisicamente os dois pneus traseiros, esse sistema não consegue evitar que o movimento da roda esquerda influencie na direita.

O mesmo não ocorre no sistema multibraço (também chamado multilink), que conecta a carroceria às rodas de forma independente, por meio de diferentes braços.

Continua após a publicidade
Na suspensão por eixo de torção, o mesmo elemento elástico une as duas rodas
Na suspensão por eixo de torção o mesmo elemento elástico une as duas rodas (Divulgação/Internet)

“Essa configuração permite que o posicionamento das rodas durante o trabalho da suspensão seja mais bem controlado, mantendo o contato do pneu com o asfalto da forma mais adequada”, detalha Francisco Barbieri, engenheiro da Comissão Técnica de Dinâmica Veicular da SAE Brasil.

Na suspensão multilink, um lado é totalmente independente do outro
Na suspensão multilink, um lado é totalmente independente do outro (Divulgação/Internet)

Mas, para notar essas diferenças, o motorista precisa ter grande sensibilidade e levar o carro ao limite, como numa curva fechada em alta velocidade. Para um carro urbano, essas características já não são tão importantes.

Continua após a publicidade

“O eixo de torção tem um bom desempenho para a faixa de velocidade usual dos veículos, com um custo de desenvolvimento menor e também liberando mais espaço na parte traseira, o que permite um aumento do porta-malas, tanque de combustível e banco traseiro”, explica Francisco.

É possível, no entanto, que uma suspensão multilink não seja independente. Este é o caso do conjunto da nova Nissan Frontier. Apesar do eixo posterior ser conectado por múltiplos braços ao chassi, o eixo rígido acaba formando uma ligação fixa entre as rodas. Além de limitar a atuação do sistema, a solução da picape deve ser considerada como uma suspensão dependente (ou interdependente).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.