Clique e assine por apenas 8,90/mês

Correio Técnico: Por que não dá para desligar o farol do Toyota Corolla?

Peculiaridade não é exclusiva da nova geração do sedã, e está presente em outros modelos da Toyota

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 6 jan 2020, 08h00 - Publicado em 6 jan 2020, 07h00
No Corolla só há três posições para o comando dos faróis: automático, luz de posição e farol baixo Fernando Pires/Quatro Rodas

Por que o novo Corolla não tem comando para desligar o farol? – Laura Menezes, Campinas (SP)

Porque todas as versões têm sensor crepuscular e DRL. Segundo a marca, não é recomendável andar com os faróis apagados à noite, então a função que permite desligar totalmente o sistema foi removida do sedã e também do novo RAV4.

Na prática, a Toyota não vê motivo para o motorista precisar desligar os faróis de noite, e de dia as luzes diurnas são ativadas automaticamente se o ajuste estiver na opção Auto.

Na dupla é possível alternar apenas entre o modo automático, luz de posição e farol baixo. Em alguns Volkswagen, como o Virtus, há uma solução menos drástica: ao desligar a luz baixa de noite, o computador de bordo dá um aviso no painel pedindo para o motorista acionar corretamente o sistema de iluminação.

Continua após a publicidade

À prova de motorista desatento

O Virtus (e outros modelos com a atual suíte eletrônica da VW) te dá bronca se tentar andar com os faróis apagados de noite Christian Castanho/Quatro Rodas

O sistema da Toyota pode parecer radical, mas ele impede algo que tem se tornado comum: homens e mulheres que circulam à noite com os faróis completamente desligados.

Isso acontece porque muitos associam o painel de instrumentos iluminado com o farol baixo acionado. No entanto, a grande maioria dos automóveis modernos possuem iluminação do quadro automática e independente. Ou seja, as luzes internas podem ficar sempre acesas de noite, independente do farol baixo estar acionado ou não.

Soma-se à isso a iluminação intensa a curta distância que as DRL em leds proporcionam, fazendo com que o motorista pense que está com o farol aceso ou, pior, ache que pode circular dessa maneira.

Além de ser proibido, rodar entre o pôr do sol e o nascer do sol com os faróis baixos apagados dão multa de R$ 293,17 e sete pontos na CNH.

Continua após a publicidade

O mesmo vale para quem usa as luzes de neblina ao invés dos faróis baixos de noite. Como o nome indica, esse sistema é feito para situações de baixa visibilidade e é complementar à luz baixa. Os faróis de neblina e as luzes diurnas geram uma luz muito forte, porém difusa: o facho é muito mais aberto, iluminando muito para os lados e pouco para frente.

Isso faz com que outros motoristas e pedestres sejam ofuscados, e pode até ocasionar acidentes.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Publicidade