Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Correio Técnico: Por que nem todo carro com xenônio tem lavador do farol?

Sistema complementar é obrigatório caso o carro atinja alguns índices de performance luminosa

Por Rodrigo Ribeiro Atualizado em 3 jan 2022, 10h12 - Publicado em 4 set 2019, 07h00
O lavador dos faróis é obrigatório a partir de uma determinada potência
O lavador dos faróis é obrigatório a partir de uma determinada potência Christian Castanho/Quatro Rodas

Já me disseram que a legislação só permite faróis de xenônio vinculados com lavadores. Então como a FCA conseguiu colocar essas lâmpadas no Renegade e Compass sem usar limpadores? – Flavio Fraga, por e-mail

Porque o farol baixo desses carros tem fluxo luminoso inferior a 2.000 lúmens.

Segundo a resolução 227/07 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), somente veículos cuja luz baixa supera esse índice devem ser equipados com o sistema de lavagem automático.

Essa regra é inspirada na legislação europeia, onde a neve nos faróis é um problema grave em veículos equipados com luzes mais fortes.

Não à toa, o reservatório de água desses modelos fica próximo a partes quentes do motor, para manter o líquido aquecido e facilitar o derretimento do gelo nos faróis e no para-brisa.

Com a tecnologia de led, entretanto, a tendência é que os lavadores automáticos percam ainda mais espaço, já que os veículos como Civic Touring conseguem se enquadrar na categoria abaixo dos 2.000 lúmens.

Continua após a publicidade

Selou

Os carros europeus vendidos nos EUA tinham que adotar faróis exclusivos
Os carros europeus vendidos nos EUA tinham que adotar faróis exclusivos Christian Castanho/Quatro Rodas

Não é de agora que a legislação afeta as luzes dos automóveis. Um dos casos mais notórios foi os sealed beam (faróis selados, em inglês) norte-americanos.

No século passado as leis dos EUA exigiam que os veículos usassem apenas esse tipo de equipamento, com apenas dois tipos de formato (retangular ou circular) e durou de 1940 a 1984.

Essa exigência gerou diferentes dificuldades para as fabricantes europeias, que precisaram adaptar o design de seus carros para receberem os faróis padronizados dos Estados Unidos.

Não que agora os carros vendidos na terra do Tio Sam sejam iguais aos outros.

Por lá ainda há peculiaridades em relação às luzes de direção. Na traseira devem ser da cor vermelha e podem usar a mesma lâmpada de freio, enquanto na dianteira a cor obrigatória é o âmbar.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês