Correio Técnico: dá para instalar airbags e ABS em carro antigo?

Sistemas de segurança exigem readequações complexas na eletrônica e até no acabamento do veículo

Bancos de veludo e ar quente eram itens da versão de exportação Na Kombi é impossível incluir bolsas infláveis no minúsculo painel

Na Kombi é impossível incluir bolsas infláveis no minúsculo painel (Christian Castanho/Quatro Rodas)

É possível instalar freios ABS e/ou airbags em carros sem os sistemas? – Gabriel Ferreira Veloso, São Luís (MA)

Depende do veículo, mas o custo da adaptação dificilmente justificará a modificação. Em modelos que já oferecem o sistema em outras versões, a adição fica mais fácil, porém envolve a troca de componentes como circuito de freio, chicote e até painel.

Isso porque muitos modelos escondem a bolsa inflável do passageiro sob o console, que possui uma cobertura especial para permitir a abertura correta do airbag.

O airbag do passageiro geralmente rasga o painel quando é acionado

O airbag do passageiro geralmente rasga o painel quando é acionado (Reprodução/Internet)

Isso faz com que a troca dos airbags em alguns carros vá de R$ 3.000 a até R$ 20.000, dependendo do modelo. Carros equipados com bolsas adicionais, do tipo cortina, lateral e joelho, possuem custos ainda mais elevados na hora da reposição.

Já carros que nunca previram esses equipamentos, como a Volkswagen Kombi, não conseguem receber itens como airbag, que exigem um estudo cuidadoso da deformação da cabine, velocidade da explosão e até o volume que a bolsa terá quando expandida.

Os airbags laterais são embutidos dentro da estrutura dos bancos ou no acabamento das portas

Os airbags laterais são embutidos dentro da estrutura dos bancos ou no acabamento das portas (Divulgação/Renault)

Se for instalado incorretamente, o airbag pode machucar ainda mais os passageiros, ao invés de protegê-los. Por isso, inclusive, é obrigatório desligar a bolsa frontal do passageiro quando se transporta uma cadeirinha no assento dianteiro.

Freio é menos difícil

O ABS usa um módulo eletrônico, bomba hidráulica e sensores de velocidade

O ABS usa um módulo eletrônico, bomba hidráulica e sensores de velocidade (Divulgação/Mercedes-Benz)

A inclusão do ABS é um pouco menos complicada, mas ainda assim exigiria uma boa mão de obra.

Primeiro, seria preciso avaliar se o cofre do motor possui espaço para a tubulação do sistema e a bomba do ABS.

Além disso, cada roda precisa receber um sensor de velocidade individual, que é conectado à central eletrônica do freio antitravamento.

Nos carros atuais, no entanto, uma central eletrônica reúne as informações de diferentes sistemas, como injeção eletrônica, airbags e ABS em uma só peça.

Por um lado isso permite a inclusão de recursos extras, como o controle de tração M-ABS do Up! TSI. No entanto, isso torna quase impossível a adição de novos equipamentos em carros que não saíram da fábrica com eles.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Thanks , I’ve juust been searching for information aboսt thіs subject f᧐r
    ages and yours is the bext I’νе found out till now. Ᏼut, whɑt concеrning the conclusion?
    Αre you certain ɑbout the source?