Cooperativas de seguro: um negócio entre amigos

Cooperativas oferecem seguros até 70% mais baratos do que as seguradoras tradicionais. Mas tome cuidado com os riscos

Cooperativas de seguro

Já pensou em dividir o custo do seguro do carro com desconhecidos? Pois essa é a proposta de cooperativas ou associações  que oferecem a “proteção veicular”.

Funciona assim: o cooperado paga uma taxa de adesão (que varia de R$ 350 a R$ 400) e a mensalidade para custear a operação e, quando houver acidente ou roubo, nesse mês o valor desse sinistro será dividido entre os associados. Por isso, a parcela mensal varia de preço. Segundo as cooperativas, um sinistro causará um aumento na parcela de, no máximo, 10%.

Atualmente estima-se que há no Brasil mais de 2 milhões de coope­rados divididos em cerca de 500 associações espalhadas pelo país. A maioria está concentrada em Minas Gerais, onde surgiu a modalidade. “Há 15 anos, nascia em Betim a primeira cooperativa de proteção veicular, que reunia caminhoneiros que não podiam pagar o seguro”, conta o advogado Renato Assis, que representa a maioria desses grupos.

De acordo com Assis, as associações não têm fins lucrativos e existem principalmente para atender os rejeitados pelas seguradoras. “O perfil dos nossos clientes é, em sua maioria, de excluídos, como os mais jovens, com até 25 anos, os que têm automóveis com mais de dez anos de uso ou mesmo aqueles que estão com o nome negativado”, explica Assis.

É o caso de Guilherme Miranda, de 24 anos, que optou pela cooperativa após saber que o valor do seguro do seu Fiat Palio 2008 havia ficado em R$ 2.000. Hoje ele paga a uma associação cerca de R$ 1.200 (R$ 100 reais por mês). “Para mim, compensou muito. Quando precisei de assistência e reboque, fui atendido prontamente”, afirma Miranda.

O mineiro Vitor Messias, 28 anos, proprietário de uma Fiat Strada 2009, também não tem reclamações dessa nova modalidade de seguro. “Tive dois sinistros com envolvimento de terceiros e tudo foi resolvido com rapidez e agilidade. Sou cliente há quatro anos e pretendo continuar”, conta Messias.

O fim do perfil

Além do baixo preço, outra vantagem que atrai os consumidores para as cooperativas é o fato de elas não exigirem nenhuma análise de perfil. O preço é composto apenas pelo valor do veículo na tabela Fipe. “Todas, sem exceção, trabalham assim, principalmente para atrair os recusados pelas seguradoras”, explica Assis.

“A nossa intenção não é concorrer com as grandes seguradoras, mas sim ser uma alternativa para os cidadãos que têm perfis não aceitos por elas.” Em nossa apuração de preços (veja tabela mais abaixo), tivemos essa experiência de ter um perfil recusado.

QUATRO RODAS simulou a contratação da apólice com o seguinte perfil: homem, 20 anos, estudante e morador de São Paulo. Dos seis modelos apurados, o Honda HR-V foi recusado por duas das três seguradoras, enquanto todas as cooperativas o aceitaram. Além disso, BMW 320i, Golf TSI e S10 2.8 diesel tiveram preços proibitivos: média de R$ 16.090, R$ 14.290 eR$ 19.840, respectivamente.

O custo do risco

Aderir à “proteção veicular”, porém, exige cuidados. Não é difícil encontrar reclamações em relação a algumas associações. O corretor de seguros Ivan Coutinho relata que muitos de seus clientes descontentes com as cooperativas acabam voltando para as seguradoras.

“Há vários casos assim. Os mais comuns são consertos malfeitos, demora no reparo, pagamento de roubo sem respeitar o valor da tabela Fipe e até a falta de pagamento”, diz. Já no levantamento do Procon, as principais reclamações feitas são os serviços não entregues ou feitos pela metade, mesmo quando o associado tem todos os boletos em dia.

Segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep), as associações ou cooperativas que atuam nesse ramo estão agindo à margem da lei, já que não há nenhum agente fiscalizador para esse setor.

A Proteste, associação de defesa do consumidor, também é crítica. “Como não há um órgão que fiscaliza e regulamenta as associações, elas não seguem nenhuma regra e muitas vezes o associado é prejudicado”, diz Gisele Rodrigues, técnica da Proteste.

Ela destaca que nenhuma delas tem reserva de recursos, como é exigida das seguradoras. “Num acidente de grandes proporções, que afete vários carros cooperados, há um grande risco de um prejuízo generalizado.”

O defensor das cooperativas Renato Assis lembra que, como em todo setor, sempre há empresas que não agem de forma adequada e merecem ser punidas. Ele confirma que a atividade não é fiscalizada pela Susep, já que as empresas não são seguradoras, mas é pelo Ministério Público.

Segundo a Proteste, caso o consumidor opte por aderir a essa modalidade de seguro, é importante tomar certos cuidados, como conferir reclamações junto ao Procon ou em sites de defesa do consumidor, como o Reclame Aqui, e escolher as associações com mais tempo de mercado e com no mínimo 500 associados.

O custo da segurança (perfil: homem, 20 anos, estudante, São Paulo)
Gol 1.6 Uno 1.0 Evo Golf 1.4 TSI HR-V 1.8 EXL S10 LS 2.8 CTDI BMW 320i
SEGURADORAS
Bradesco R$ 3.257 R$ 2.461 recusado recusado R$ 5.673 R$ 10.753
Itaú Seguros R$ 7.998 R$ 6.888 R$ 14.431 recusado R$ 19.988 recusado
Porto Seguro R$ 7.744 R$ 6.642 R$ 14.155 R$ 15.764 R$ 19.697 R$ 21.432
COOPERATIVAS
Auto Visa Rio * R$ 2.748 R$ 2.228 R$ 4.188 R$ 4.668 R$ 8.628 R$ 5.868 ***
AGPV do Brasil * R$ 1.920 R$ 1.920 R$ 3.360 R$ 3.960 R$ 4.560 R$ 7.500
APM Brasil * R$ 1.992 R$ 1.992 R$ 3.360 R$ 2.664 recusado ** recusado **

* o valor é a soma de 12 mensalidades

** a APM Brasil não aceita modelos acima de R$ 100.000

*** A Auto Visa Rio só indeniza até R$ 100.000

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Sebastião Motard

    Cooperativa não é seguradora, não tem autorização pra isso. Vamos pensar no seguinte : uma chuva torrencial com inundações e 30 carros são dados como “perda total”. Carrinhos populares na faixa de 30 mil reais… NOVECENTOS MIL de prejuizo. Associação com 200 AMIGOS… vão rachar R$ 4.500,00 cada um? Sem contar que os preços cotados pela reportagem mostram o pior perfil existente, quantos jovens de 20 anos compram S10 ou Golf GTI? Muito tendenciosa a reportagem na minha opinião.

  2. vanderson araujo

    Uma vergonha essa reportagem! Incentivar o consumidor a comprar esse tipo de “seguro” é a mesma coisa de comprar gato por lebre e ter certeza disso. Tanto que a reportagem conversou com o Advogado das Cooperativas, pois, deve ser a pessoa que mais recebe por eles de tanto processo que tem nas costas. Espero que os leitores dessa revista não caiam nessa.

  3. Marcos Castro

    AINDA BEM QUE O BRASILEIRO É CRIATIVO. ESSA MODALIDADE DE SEGUROS NADA MAIS É DO QUE UMA FORMA DE CONSEGUIR DRIBLAR A EXTORSÃO QUE SOFREMOS NA HORA DE CONTRATAR UM SEGURO PARA UM CARRO QUE A DURAS PENAS CONSEGUI A ADQUIRIR. ME TORNEI CLIENTE DESTE TIPO DE PROTEÇÃO VEICULAR A PARTIR DA INDICAÇÃO DE UM AMIGO QUE JÁ TAMBÉM ERA. POSSO GARANTIR AOS SRS. QUE NUNCA OUVI NENHUMA RECLAMAÇÃO DE NENHUM CLIENTE DESTE SEGMENTO. NA VERDADE, JÁ OUVI MUITO MAIS RECLAMAÇÕES DAS SEGURADORAS TRADICIONAIS COMO ITAÚ, BRADESCO, TOKIO MARINE, MINAS BRASIL, ETC. ETC., ETC. POSSO GARANTIR QUE ESTAS RESPONDEM POR UM NUMERO MUITO MAIOR DE RECLAMAÇÕES DO QUE AS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS.