Chips de potência funcionam em carros aspirados?

Alterações eletrônicas podem até fazer com que o veículo tenha mais potência, mas essa modificação pode trazer consequências para o meio ambiente

O aumento da potência pode ainda impactar a durabilidade do motor

O aumento da potência pode ainda impactar a durabilidade do motor (Divulgação/Chevrolet)

Os chips de potência funcionam em carros aspirados e com motor gasolina ou flex? – André Souza, por e-mail

Funcionam, mas não é recomendado realizar essa mudança no carro.

“Deve-se ter em mente que alterações eletrônicas podem até fazer com que o veículo apresente maior potência, porém essa modificação pode ser questionável quanto às consequências para o meio ambiente, com maior emissão de poluentes, além de poder refletir em um maior consumo”, explica Henrique Pereira, da Comissão de Motores Otto da SAE Brasil.

Isso, claro, quando essas alterações têm impacto real no desempenho – o que nem sempre acontece.

O aumento de potência pode ainda impactar na durabilidade de motor e câmbio, além de sobrecarregar suspensão, pneus e freios, que não foram projetados para esse excesso de performance.

Volkswagen-1.0-TSI-200kW Se o foco for só desempenho, dá para arrancar 272 cv do 1.0 do Up! e Polo

Se o foco for só desempenho, dá para arrancar 272 cv do 1.0 do Up! e Polo (Divulgação/Volkswagen)

A força extra também aumenta a carga sobre os coxins que sustentam o trem de força, fazendo com que eles se desgastem mais rapidamente ou mesmo quebrem em acelerações intensas.

Muito além do número

O EA211 1.0 TSI usado pela Volkswagen é um exemplo das diferenças para aumentar a potência de um motor.

O conjunto gera 105 cv no Up!, mas dispara para 128 cv no Polo e Golf. Para isso a marca trocou o rotor quente do turbocompressor (que passou a ser feito com uma liga de titânio), adicionou válvulas resfriadas com sódio e mais que dobrou o tamanho do radiador dedicado ao cabeçote e turbo.

Essas mudanças permitem que, apesar de ser mais potente, o motor mantenha a durabilidade especificada pela fabricante. Por outro lado, o pacote de alterações tornou o conjunto mais caro, fazendo com que essas reformulações fiquem restritas a modelos com preço elevado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Vale a pena aumentar a potencia do novo polo TSI? Se sim, qual o sistema recomendável: tork one ou speed booster? Att. Andre

  2. Deixe-me ver se entendi.

    De acordo com a redação da 4Rodas, um polo ou Golf de 128cv possui apenas e “tão” somente um conjunto de suspensão, pneus e freios para 128cv e PONTO?
    As empresas automotivas convertem a potência de desaceleração em cavalos (cv). Assim, um carro de 100 cv de potência possui cerca de 300 cv de potência dos freios.

    Enfim, temos ainda um agravante, onde o título da Matéria fala de Chip de Potência para ASPIRADOS e no Texto o único exemplo se faz em motor Turbo, ou seja, uma deficiência contextual absurda.

    Realmente uma matéria sem sentido algum, apenas para preencher espaço.

    Se querem REALMENTE demonstrar competência jornalística, peguem o Celta da Foto, principalmente o de motor 1.4 e contratem umas 4 ou 5 empresas e solicitem para cada uma reprogramar um Chip próprio.
    A partir daí, cada empresa faz a sua instalação com supervisão da Revista (se é que possuem alguém para tal condição) e meçam os dados de Consumo em Pista e Rua (Consumo Urbano e Rodoviário) e Potência e Torque no Dinamômetro, além de testes de 0 a 100km/h entre outros na pista.

    Assim teria uma reportagem decente e com dados reais de qual empresa preparadora de Chips para aspirados se saiu melhor em Potência, Torque e Consumo.

  3. João Valente

    Apaga essa “matéria” enquanto dá tempo pq feio demais. Matéria que chama o leitor pra ler sobre chip de potência em aspirados e no final fala sobre o motor tsi 1.0 da VW. Que que tem a ver meu deus? A única coisa que fala sobre chip de potência é que pode aumentar o consumo o que, sinceramente, qualquer acéfalo sabe. Incrível que isso tenha sido feito por um jornalista, incrível que um redator tenha aprovado. Credo.

  4. Rodrigo Oliveira

    “O aumento de potência pode ainda impactar na durabilidade de motor e câmbio, além de sobrecarregar suspensão, pneus e freios, que não foram projetados para esse excesso de performance.” Realmente um chip q se aumenta é 10% da potencia de um motor aspirado vai ter um excesso de potencia… Um celta de 70cv se chegar a 77cv com o chip realmente o cambio não aguenta, os freios falham, e a vmax vai de 150 p/ uns 250km/h… Recomendo p/ esse aumento absurdo de potencia cambio forjado até a quinta, suspensão coil over importada e discos traseiros e dianteiros com 380mm e seis pistoes por pinça! Me bata uma garapa 4 patas…