Autodefesa: donos de Renegade não conseguem fazer recall no freio

Proprietários do Renegade relatam que não conseguem fazer o recall no freio de mão há quase dois meses por falta de peças

Franco: o carro ficou 1h30 min parado porque o freio não soltava Franco: o carro ficou 1h30 min parado porque o freio não soltava

Franco: o carro ficou 1h30 min parado porque o freio não soltava (Cristiano Mariz/Quatro Rodas)

No dia 22 de junho, a Jeep anunciou um recall por um defeito no freio de estacionamento elétrico de 96.000 unidades do Renegade. Considerando que praticamente todos os modelos vendidos têm transmissão automática, não parece um problema grave.

Afinal, o veículo sempre estará imobilizado, pois o sistema deixa o câmbio no Parking ao ser desligado. Mas esse defeito é capaz de dar outra dor de cabeça: o carro pode ficar com o freio acionado contra a vontade do motorista.

Foi exatamente o que ocorreu com o bancário Franco Rithele Correia Batista, de Brasília (DF). “Minha esposa estava viajando com minha filha de 8 anos e parou para abastecer, quando o freio de estacionamento travou e não liberou mais as rodas”, conta o dono de um Renegade Sport diesel 2016.

“Ela ficou durante uma hora e meia ligando e desligando o motor até conseguir soltar o freio. No restante da viagem, ela parou para abastecer sempre com o câmbio em Neutro e com o motor ligado.”

Franco reclama que ainda convive com esse risco, pois uma semana depois de anunciarem o recall ele já havia levado o carro à autorizada, mas até agora não conseguiu fazer o reparo, que exige a troca do chicote elétrico.

Outro proprietário que não consegue encontrar a peça é o analista Márcio Silva, de São Paulo (SP), proprietário de um Renegade Longitude 2016.

“Quando li sobre o chamado, aproveitei que meu carro estava na revisão e solicitei o recall. Então, eles disseram que ligariam de acordo com a ordem dos veículos vendidos. E estou aguardando há mais de um mês.” Nossa reportagem ligou para três autorizadas na região Sul do Brasil e todas confirmaram que a peça demora mais de um mês para chegar.

Consultada, a Jeep respondeu que desde o início do recall a empresa vem atendendo regularmente a todos os pedidos colocados sem restrição. “Eventualmente pode ter acontecido algum descompasso entre demanda e pedidos em pontos específicos, mas que já foi regularizado”, diz ela.

O povo reclama

“Não adianta tentar em outras concessionárias: nenhuma na cidade tem a peça. Ligue no 0800, faça o cadastro e espere eles chamarem.” Atendente de uma autorizada Jeep em São Paulo (SP)

“Só saí da fila do recall porque meu carro apresentou um problema e precisou reparar o motor. Não fosse isso, estaria sem a peça até hoje.” Sandra Rita Chaves Barbosa, servidora, de Brasília (DF)

“Tentei marcar o recall, mas eles dizem que não têm a peça na concessionária. Estou esperando há mais de 10 dias.” Riani Campos, professora, de Belo Horizonte (MG)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Totalmente insano, uma publicação que se acha seria, dizer que não é uma problema Grave”No dia 22 de junho, a Jeep anunciou um recall por um defeito no freio de estacionamento elétrico de 96.000 unidades do Renegade. Considerando que praticamente todos os modelos vendidos têm transmissão automática, não parece um problema grave.”

  2. Matéria mau intencionada, repetida. Inclusive, repetiram os mesmos erros da primeira sequer conferiram a data do recall. Inclusive o proprietário estampado na capa desde a primeira vez que saiu a matéria já tinha feito o recall #vergonha.