Clique e assine por apenas 8,90/mês

Suzuki Swift Sport R

Nada de turbo, controle de largada ou outras tecnologias da moda; o Swift Sport R é feito para quem quer diversão e simplicidade - mas não custa pouco

Por Ulisses Cavalcante | Fotos Marco de Bari - Atualizado em 23 nov 2016, 17h50 - Publicado em 2 set 2014, 22h32
Suzuki Swift Sport R
Japonês utiliza motor aspirado e câmbio manual

Menos é mais. Você já deve ter ouvido isso. É uma expressão gasta pelo uso indiscriminado, mas a frase do arquiteto Ludwig Mies van der Rohe é perfeita para definir o Swift. Assim como as obras do alemão seguem o movimento minimalista, esse hot hatch precisa de poucos elementos para se expressar. Ele abre mão das últimas tecnologias em voga no mundo automotivo: nada de dupla embreagem, turbocompressor ou diferencial eletrônico ativo.

LEIA MAIS:

>> As curiosidades e os números do ranking de testes da QUATRO RODAS

>> Cinco anos depois, Citroën DS3 continua divertido

>> Impressões: Renault Sandero R.S.

O que destaca o valente motor de 1,6 litro e 16 válvulas é a capacidade de girar alto – são 142 cv a 6 900 rotações – e as válvulas de admissão com comando variável. Antes que você ache estranho eu apelidar de hot um carrinho de apenas 142 cv, deixe-me apresentar outros números: seu peso em ordem de marcha não passa dos 1 065 kg. São 100 kg menos que o Citroën DS3, seu principal rival, dono de um 1.6 turbo de 165 cv. A vantagem na balança torna a relação peso/potência dos dois bem parecida. São 7,5 kg/cv para o Swift e 7,1 kg/cv para o francês. O japonês fica atrás na prova do 0 a 100 km/h (9,3 segundos ante 7,6), mas a diversão atrás do volante é indiscutível. E isso se torna muito nítido na parte mais divertida do traçado: dentro das curvas.

Suzuki Swift Sport R
Saídas duplas de escape vão além do enfeite: são funcionais

O Swift é um automóvel dócil e, ao mesmo tempo, instigante. Embora não seja um velocista, tem o que se espera de um hatch pequeno e apimentado: agilidade. Muita agilidade. A transmissão manual de seis marchas tem uma alavanca pequena, de curso curto, e engates justos. Macia, a embreagem não cansa no dia a dia, como ocorre normalmente com esportivos bestiais.

Suzuki Swift Sport R
Interior é bem equipado, mas não deixa de ser frugal. Acabamento de plástico por todo lado é simples

A Suzuki está trazendo ao Brasil somente a versão Sport, topo de linha do modelo, com motor 1.6 a gasolina. Mas fora daqui também existem versões mansas, com propulsor 1.2, motor diesel e até um 4×4. No país, vai concorrer em um mercado de nicho, em meio a DS3, Fiat Punto T-Jet, Mini e, segundo os executivos da marca, até com Audi A1.

Suzuki Swift Sport R
Painel de instrumentos favorece a leitura do conta-giros

Em pista fechada, o nipônico mostrou comportamento exemplar. Sai de frente quando se abusa do acelerador, mas oferece fácil correção. Aliviei o pé de uma vez só no meio de um contorno e o Swift não se desequilibrou nem reclamou.

Suzuki Swift Sport R
Bancos imitam os modelos concha

A transmissão de seis marchas é um indício de sua versatilidade. Em um track day, dificilmente você passará da quarta, pois o motor esbarra nas 7 000 rpm. Numa rodovia, porém, a sexta marcha ajuda a conter o ruído interno e melhorar o consumo. Em sexta, a 100 km/h, a rotação do motor não passa dos 3 000 giros. E no teste de consumo rodoviário registramos 15,5 km/l, utilizando gasolina.

Suzuki Swift Sport R
Com apenas 1.065 quilos, ele é leve e muito ágil

O bom comportamento dinâmico do Swift é mérito de um ajuste de suspensão firme, pensado para quem gosta de esportividade, com a colaboração dos controles de tração e estabilidade. O ESP contém a empolgação exagerada de quem acelera, mas não evita todos os escorregamentos. O ajuste ligeiramente permissivo deixa que o motorista faça sozinho algumas correções de rota.

Suzuki Swift Sport R
Botões para o controle de estabilidade ESP e lavador de faróis Marco de Bari/Quatro Rodas

Na parte interna, o único sinal de esportividade está nos bancos. O estofamento é de tecido, tem abas laterais grandes e permite ajustes milimétricos do encosto e altura. Mas não espere encontrar refinamento nos plásticos ou uma longa lista de equipamentos. Há som com comandos no volante, Bluetooth, partida por botão, ar-condicionado digital, seis airbags e faróis de xenônio.

Suzuki Swift Sport R
Ar-condicionado digital, porta USB e tomada de 12 volts

O Swift com o pacote R foi lançado por R$ 81.990, mas com a chegada do Renault Sandero R.S., a Suzuki resolveu baixar o preço para R$ 78.690. Criado especialmente para o Brasil, o Sport R tem teto em tom grafite, retrovisores coloridos e rodas aro 17. É mais barato que alguns concorrentes, mas continua caro. O purismo deveria custar menos.

 

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

Esse trio trabalha em harmonia. A direção elétrica oferece bom feedback e a suspensão firme torna o comportamento do carro previsível. Os freios demoram a apresentar fading.

★★★★★

 

MOTOR E CÂMBIO

Outra dupla que forma um casamento feliz. É raro ver um conjunto tão bem escalonado. Embreagem macia, ao contrário do que se vê em esportivos, e engates de marcha justíssimos.

Continua após a publicidade

★★★★☆

 

CARROCERIA

O visual pode não ser unanimidade, mas é harmônico e inédito no Brasil. A versão R tem diferenciais exclusivos para o nosso mercado.

★★★★

 

VIDA A BORDO

Não se trata de um carro de luxo. Se você espera níveis excepcionais de conforto, vá para um Golf. Mas o Swift oferece o suficiente para quem quer se divertir ao volante e não pretende ter um segundo automóvel.

★★★★

 

SEGURANÇA

Tem ABS, EBD, ESP, controle de tração, seis airbags, faróis bixenônio e sensor de estacionamento.

★★★★☆

 

SEU BOLSO

Preço convidativo não é seu forte, mas esse é um mal que acomete todo veículo de nicho, sobretudo os esportivos. A garantia é de três anos.

★★★

 

VEREDICTO

Versátil, é um brinquedão para track days, mas vai muito bem no dia a dia. Confortável, bom de guiar e comedido no consumo, poderia custar menos.

 

FICHA TÉCNICA
Motor diant., transv., 4 cil., 16V, VVT
Cilindrada 1 586 cm³
Diâmetro x curso 78 x 83 mm
Taxa de compressão 11:1
Potência 142 cv a 6 900 rpm
Torque 17 mkgf a 4 400 rpm
Câmbio manual / 6 marchas / tração dianteira
Dimensões Compr. /entre-eixos (cm) 389 / 243; Altura/largura (cm) 151 / 169,5
Peso 1 065 kg
Peso/potência 7,5 kg/cv
Peso/torque 62,6 kg/mkgf
Porta-malas/caçamba 210 litros
Tanque 64 litros
Suspensão dianteira McPherson
Suspensão traseira eixo de torção
Freios disco ventilado (diant.), disco sólido (atrás)
Direção elétrica / 2,7 voltas
Pneus 205/45 R 17
Consumo urbano 12,4 km/l
Consumo rodoviário 15,5 km/l
0 a 100 km/h 9,3 segundos
0 a 1000 m 31 segundos
Retomada 40 a 80 em 3ª (ou D) 5,4 segundos
Retomada 60 a 100 em 4ª (ou D) 7,4 segundos
Retomada 80 a 120 em 5ª (ou D) 10,7 segundos
Frenagem 120/80/60 km/h a 0 (m) 57,5/23/13,8
Ruído interno 1ª rpm máx 39,1 / 79,6 dBA
Ruído interno 80 / 120 km/h 67/ 71,3 dBA
Continua após a publicidade
Publicidade