Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Renault Fluence GT: o sedã turbo com câmbio manual que acabou esquecido

Versão tinha motor 2.0 turbo de 180 cv, câmbio manual de seis marchas e ares de esportivo

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 10 jan 2021, 09h44 - Publicado em 10 jan 2021, 08h00

RENAULT FLUENCE GT

Publicado originalmente em outubro de 2012

As fábricas falam da necessidade de um trabalho de conscientização dos consumidores a respeito dos turbocompressores que, na nova ordem ambiental, seriam poderosos aliados na busca da eficiência energética e não teriam mais o objetivo de conseguir alto desempenho, como no passado. Mas como resistir à tentação de alardear o lado negro da força quando se quer vender uma versão esportiva?

A Renault está apresentando a nova versão do sedã Fluence, batizada de GT, usando justamente esse apelo da alta performance proporcionada pelo turbocompressor. Segundo a fábrica, o Fluence GT é o primeiro Renault oferecido no Brasil desenvolvido pela divisão Renault Sport Technologies: “Expert em transferir tecnologia dos carros de competição para modelos de rua”.

RENAULT FLUENCE GT

Além do visual agressivo por fora, caracterizado por rodas exclusivas, saias laterais e aerofólio traseiro, e do acabamento do painel preto e dos bancos esportivos com costuras vermelhas, no interior, o Fluence GT traz como maior diferencial o 2.0 16V Turbo.

Esse motor é sobrealimentado por turbocompressor do tipo twin scroll (com coletores independentes para cada par de cilindros, o que favorece o funcionamento nas baixas rotações). Ele gera 180 cv de potência a 5 500 rpm e 30,6 mkgf a 2 250 rpm, sendo que 80% do torque chega a 1 500 rpm, de acordo com a fábrica.

  • Câmbio manual

    Apesar do discurso da marca, porém, em nosso teste o Fluence GT não mostrou ferocidade à altura das credenciais. Nas provas de aceleração, ele fez de 0 a 100 km/h no tempo de 9,2 segundos, enquanto a versão comportada Privilège (143 cv), avaliada anteriormente, conseguiu o tempo de 10,4 segundos.

    Continua após a publicidade

    RENAULT FLUENCE GT

    Nas retomadas de 60 a 100 km/h, o GT precisou de 6,3 segundos, contra os 5,5 segundos gastos pelo Privilège. A comparação entre as duas versões é um pouco heterodoxa, uma vez que a GT tem câmbio manual e a Privilège, automático. Mas, se a proposta do Fluence GT é ser esportivo, ele deveria superar o outro com mais propriedade.

    Ao volante, no dia a dia, quem gosta de acelerações mais vigorosas não se decepciona com o comportamento do GT. Mas dirigir a versão esportiva não é tão prazeroso quanto a versão Privilège, mais mansa mas com câmbio automático, que casa melhor com o sedã.

    RENAULT FLUENCE GT

    A impressão é de que ele nasceu para ter câmbio automático e que a caixa manual torna sua condução mais trabalhosa. A ergonomia e a posição de dirigir, pontos elogiáveis no Privilège, ficam comprometidas no GT, pois a alavanca do câmbio está longe da mão do motorista.

    O preço do GT é intermediário ao de rivais como o Peugeot 408 THP e o VW Jetta TSi. O primeiro tem motor mais moderno. O segundo, mais moderno e mais potente.

    Veredicto

    Se quer um sedã, fique com as versões mais bem-comportadas da linha. Se quer um sedã esportivo, pesquise outra opção no mercado.

    RENAULT FLUENCE GT

    Ficha técnica

    • Motor: diant., trans., 4 cil. turbo, 1 997 cm3, 16V, 180 cv a 5 500 rpm, 30,6 mkgf a 2 250 rpm
    • Câmbio: manual, 6 marchas, tração dianteira
    • Dimensões: comprimento, 464 cm; largura, 181 cm; altura, 147 cm; entre-eixos, 270 cm; peso, 1 341 kg
    • Principais itens de série: ar digital, controle de tração e estabilidade

    Teste

    • Desempenho
      0-100 km/h (s) – 9,2
      0-1 000 m (s) – 30,4
    • Velocidade máxima (km/h) – 220*
    • D 40 a 80 km/h (s) – 5,4
      D 60 a 100 km/h (s) – 6,3
      D 80 a 120 km/h (s) – 7,0
    • 60 / 80 / 120 km/h a 0 (m) – 17,3 / 27,6 / 63,7
    • Consumo cidade (km/l) – 8,1
    • Consumo estrada (km/l) – 13,5
      *dado de fábrica
    Continua após a publicidade
    Publicidade