Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novos motores 1.0 e 1.3 mudam comportamento do Uno para melhor

Ao volante, evolução é perceptível, apesar de algumas vibrações e do comportamento robótico do câmbio Dualogic

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 23 nov 2016, 21h40 - Publicado em 16 set 2016, 20h39
Fiat Uno Sporting 1.3
Agora com motor 1.3 Firefly, o Uno Sporting deixou para trás o comportamento anêmico

Ao girar a chave, a paz é interrompida por uma breve e perceptível vibração: é o sinal de que quem está ali não é o velho motor 1.0 Fire, mas sim o novo motor 1.0 Firefly, de três cilindros e 6 válvulas, que tem a missão de tirar do Uno a imagem de carro apático e colocá-lo no rol dos compactos mais eficientes do Brasil. Vejamos se ele conseguiu.

Uma particularidade do Uno é que você não precisa dar uma leve acelerada antes de soltar a embreagem (que, por sinal, passa a ser semi-hidráulica em vez de ser por cabo). O motor três cilindros tem boa força em baixas e médias rotações –  afinal, são 10,9 mkgf a 3.250 rpm . Embora seu câmbio seja o mesmo de antes, inclusive com as mesmas relações de marcha, a relação de diferencial foi alongada. O resultado é uma condução mais relaxada, uma vez que o motorista não precisa fazer a troca tão imediata para a segunda e terceira marchas.

A vibração característica dos três cilindros no momento da partida realmente é forte –  talvez por isso o Uno com o novo motor 1.0 não tenha start-stop nem como opcional, enquanto as versões 1.3 de quatro cilindros agora trazem o equipamento de série -, mas em funcionamento é sereno. O ronco característico dos tricilíndricos ao menos se faz presente, talvez até um pouco mais do que deveria a partir dos 4.000 rpm.

Fiat Uno Attractive 1.0
Vibração característica dos três cilindros se faz presente na partida

No test-drive no entorno da lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, o Uno 1.0 mostrou-se bastante agradável para o uso urbano. O motor enche rápido e tem um fôlego para retomadas que não se percebia no antigo 1.0 Fire (que continuará vivo no Palio e Mobi). Nas ladeiras de BH, se por um lado ainda se faz necessário retornar à primeira marcha para encarar subidas mais íngremes, por outro é possível desfrutar as vantagans do Hill Holder, presente na unidade avaliada.

Continua após a publicidade
Fiat Uno Attractive 1.0
Novo motor deixou o Uno 1.0 mais ágil, reduzindo a necessidade de trocas de marcha Divulgação/Fiat

Trata-se do assistente de partida em rampa,  que mantém os freios acionados por até cinco segundos ou até que o carro comece a entrar em movimento, vendido como opcional no pacote Tech, que também soma controles de estabilidade e tração, rádio com Bluetooth, retrovisores elétricos, vidros elétricos traseiros, chave canivete, alarme entre outros equipamentos. Preço do pacote: R$ 3.740.

A lista de equipamentos de série da versão Attractive não teve alterações. Por R$ 41.840, ele traz ar-condicionado, direção elétrica (com direito a função City, que alivia ainda mais a direção em velocidade de baliza), vidros dianteiros elétricos, faróis de neblina, travas elétricas e computador de bordo com comandos no volante. Segundo a Fiat, esta versão responderá por mais de 40% das vendas.

Way 1.3 Dualogic

Em substituição ao 1.4 Fire Evo, a Fiat criou o 1.3 8v Firefly. A grosso modo, é o motor 1.0 com um cilindro de mesmo tamanho a mais. Tem até 109 cv e até 14,2 mkgf queimando etanol. A diferença é que ele está sempre vinculado ao sistema start-stop, que antes estava presente apenas no raríssimo Uno Evolution 1.4. E apenas as versões com câmbio Dualogic têm controles de estabilidade e tração e Hill Holder como equipamentos de série.

Continua após a publicidade
Fiat Uno Way
Uno Way 1.3 ganhou sistema start-stop e opcionais atrelados ao câmbio Dualogic

O contato com um câmbio automatizado é sempre precedido de desconfiança: em geral, somos egoístas demais para dar o braço a torcer a um robô hidráulico que se presta a acionar a embreagem e trocar as marchas para nós. Mas a parceria entre o Dualogic e o Firefly evoluiu, e é suficientemente boa em condução suave, no trânsito urbano.

Fiat Uno Way 1.3 Dualogic
Versões com câmbio Dualogic mantiveram o estranho seletor de teclas

Quando se exige mais do motor vem a  lembrança que o amigo robótico está ali e que você precisa ajudá-lo em seu trabalho aliviando o acelerador na hora das trocas para que a marcha seguinte entre em ação rapidamente, sem trancos. Um bom câmbio automático ou automatizado é aquele que permite que o motorista esqueça que o carro tem câmbio. Não é o caso do Dualogic, mas sem dúvidas o Uno é o melhor entre os equipados com o sistema.

O preço do Way 1.3 Dualogic é de R$ 51.990. Com câmbio manual – e sem controles de estabilidade e tração – sai por R$ 47. 640.

Sporting 1.3 manual

Continua após a publicidade

Desde 2010 o Fiat Uno Sporting sofre um certo bullying: design bacana, jeitão de pocket rocket e, desde a reestilização de 2014, escapamento central, mas com meros 88 cv. Agora com o 1.3 de 109 cv e 14,2 mkgf já dá para fazer uma graça, impor respeito. Mas com câmbio manual, por favor.

Fiat Uno Sporting 1.3
Novo Sporting 1.3 ganhou 21 cavalos em relação ao 1.4 anterior

Tudo bem que o câmbio é aquele mesmo de todo Fiat, com curso longo da alavanca e engates borrachudos. Ainda assim, o Uno Sporting é um porto seguro de quem realmente gosta de dirigir. Sua suspensão é diferente, 1 cm mais baixa e com amortecedores de maior carga, que conseguem conter a rolagem da carroceria percebida nas demais versões – uma característica dos compactos Fiat.

Fiat Uno Sporting 1.3
Interior do Sporting tem detalhes pintados de vermelho Divulgação/Fiat

O preço da diversão é R$ 49.340. Com o “inesquecível” câmbio Dualogic, sobe para R$ 53.690.

Não perca na edição de outubro de QUATRO RODAS o teste de pista completo com os novos motores 1.0 e 1.3 Firefly do Fiat Uno!

Publicidade