Clique e assine por apenas 5,90/mês

Longa Duração: nosso Fiat Argo precisou de reparo no para-brisa

Em São Paulo, pedrada danificou o para-brisa do nosso hatch, fazendo valer a pena a contratação da cobertura de vidros no seguro

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 9 abr 2018, 11h24 - Publicado em 20 out 2017, 18h12
Fiat Argo passando por reparo no para-brisa Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

Para reduzir o valor do seguro do carro, cortar coberturas extras é sempre uma medida tentadora. No caso do Argo, recém-chegado à nossa frota do Longa Duração, se tivéssemos deixado de fora a proteção contra danos nos vidros, teríamos economizado cerca de R$ 150 na apólice. E não teria valido a pena.

Ao trafegar com o Argo em São Paulo, o repórter Henrique Rodriguez ouviu o barulho de um impacto no canto superior direito do para-brisa: “Estranhei ter sido atingido, pois não havia nenhum caminhão à minha frente, apenas um HB20.

Vi de imediato que o vidro estava trincado, então evitei submeter o carro a situações de torção exagerada, como valetas e lombadas, para não agravar o problema”, diz.

Como tínhamos a cobertura de vidros no seguro, não pagamos nada pelo reparo da trinca Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

Sem demora, ligamos para a Sompo Seguradora, que posteriormente retornou o contato informando o horário e a loja da Autoglass (especializada em reparo de vidros) que cuidaria do nosso caso.

“Em menos de uma hora e meia, o técnico fez o reparo. Antes, ele informa que o processo pode levar ao aumento repentino da trinca, o que condenaria a peça. Mas foi tudo bem. É quase impossível encontrar o ponto consertado”, diz o piloto de teste Eduardo Campilongo, que acompanhou o reparo, que custaria R$ 110 se não fosse feito pelo seguro.

Por curiosidade, contatamos três autorizadas Fiat: Ponto, Amazonas e Sinal. Nelas, a troca do para-brisa sairia por, respectivamente, R$ 2.243, R$ 2.080 e R$ 1.960.

A instalação de um para-brisa novo sairia por cerca de R$ 2 mil Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

Na Sinal, o técnico disse que, como o carro é muito novo, não tinha peça a pronta entrega. “Vai demorar de dez a 15 dias úteis após a colocação do pedido na fábrica.”

Continua após a publicidade

Com 1.000 km, o Argo seguiu para o nosso campo de provas, em Limeira (SP), onde foi submetido a uma bateria completa de testes – veja os resultados no quadro abaixo.

No fim da jornada no Longa Duração, aos 60.000 km, ele retornará à pista para as mesmas avaliações. Será que ele manterá o fôlego inicial?

Teste de pista (com gasolina)

1.000 km
Aceleração de 0 a 100 km/h 12,8 s
Retomada de 40 a 80 km/h 7,9 s
Retomada de 60 a 100 km/h 12,6 s
Retomada de 80 a 120 km/h 21,2
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16,9/28,9/68,6 m
Consumo urbano 14,5 km/l
Consumo rodoviário 16,6 km/l

ARGO – 4.738 km

Consumo

  • No mês: 12,9 km/l com 29,5% de rodagem na cidade
  • Desde set/17: 12,9 km/l com 29,5% de rodagem na cidade
  • Combustível: flex (gasolina)

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 1.350

Ficha técnica

  • Versão: Drive 1.3 8V
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.332 cm3, 8V, 108/101 cv a 6.000/6.250 rpm, 14,2/13,17 mkgf a 3.500 rpm
  • Câmbio: manual, 5 marchas
  • Combustível: flex (gasolina)

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade