Clique e assine com até 75% de desconto

Longa Duração: avaliação do Kicks em off-road e a última revisão

No Rio de Janeiro, Kicks visita uma pequena estrada de cascalho. Ele até foi bem, mas, assim como seus rivais, vai melhor na cidade

Por Péricles Malheiros Atualizado em 27 set 2017, 14h32 - Publicado em 21 set 2017, 17h57
Kicks, em trecho off-road, no Parque dois Irmãos (RJ) Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Não é novidade para ninguém: SUVs de entrada são muito mais recomendados para uso na cidade do que fora dela. Ainda assim, como utilitários que são, vez ou outra acabam visitando estradinhas de terra.

Aqui no Longa, é igual: assim como aconteceu com Honda HR-V e Jeep Renegade, dessa vez foi o Kicks que sujou os pneus fora do asfalto.

Personalidade marcante: tampa multifacetada
Kicks: nome foi escolhido para homenagear o Brasil Christian Castanho/Quatro Rodas

A experiência ocorreu com o repórter Henrique Rodriguez. “Foi um trecho curto, mas como era bastante irregular foi suficiente para extrair um bom volume de informações. A suspensão de curso longo e o bom vão livre do solo permitem ao Kicks rodar sem raspar o assoalho, mas a carroceria balança demais.

Os pneus largos de perfil baixo não impedem que as imperfeições do piso alcancem a cabine, que tem os ruídos de acabamento amplificados pelo chacoalhar da trilha“, diz o repórter.

Além do passeio ao ar livre, o Kicks também foi submetido à quinta (e última) revisão. A parada de manutenção foi feita na concessionária Nissan Oca, em Resende (RJ). Menos de 24 horas após ser deixado na autorizada, o SUV estava liberado.

Kicks, em visita a Campos de Jordão (SP)
Kicks já realizou as cinco revisões Christian Castanho/Quatro Rodas

Na retirada, o consultor falou dos serviços realizados: “Trocamos o lubrificante do motor, além dos filtros de óleo e combustível”. Como relatamos ainda duas ocasiões em que o motor morrera logo após dada a partida, o técnico disse:

Continua após a publicidade

“Fizemos uma varredura da central que pudesse explicar as falhas, mas não encontramos nada. Então, fizemos alguns testes, mas, de novo, não conseguimos reprisar a situação. Infelizmente, não tenho uma explicação técnica para o ocorrido”.

Ainda na primeira metade da jornada, o Kicks teve casos de apagão do motor relatados – e também sem explicação técnica por parte da rede Nissan.

Além da revisão (de R$ 419), foram realizados também os serviços de alinhamento, balanceamento e rodízio (R$ 131). Sobre o freio, o técnico da Oca recomendou: “As pastilhas de freio dianteiras estão gastas e talvez não resistam até os 60.000 km. Recomendo uma nova parada para verificação aos 55.000 km, por questão de segurança”. É o que faremos.

Nissan Kicks –  52.878 km

Consumo

  • No mês: 8,2 km/l com 23,2% de rodagem na cidade
  • Desde set/16: 8,2 km/l com 23,2% de rodagem na cidade
  • Combustível: flex (etanol)

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 2.291
  • Revisão: R$ 419
  • Alinhamento: R$ 131

Ficha técnica

  • Versão: SL 1.6 16V
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.598 cm³, 16V, 114 cv a 5.600 rpm, 15,5 mkgf a 4.000 rpm
  • Câmbio: automático, CVT
  • Continua após a publicidade
    Publicidade